Resenha Crítica | Borat: O Segundo Melhor Repórter do Glorioso País Cazaquistão Viaja à América (2006)

Borat: Cultural Learnings of America for Make Benefit Glorious Nation of Kazakhstan, de Larry Charles

O comediante vencedor do Globo de Ouro de melhor ator em comédia/musical Sacha Baron Cohen desenvolveu e entregou pela primeira vez seu famoso personagem Borat no programa de sucesso “Da Ali G Show”. Com “Borat – O Segundo Melhor Repórter do Glorioso País Cazaquistão Viaja à América”, Cohen e o diretor Larry Charles conseguem com bom êxito revolucionar o mockumentary. São tamanhos os absurdos desenvolvidos na tela que ficamos inquietos ao perceber que certos trechos podem não ter sido uma mera encenação por parte dos “personagens reais”, ou melhor, o próprio cidadão americano.

A história que dá um cutucão no comportamento, no formalismo e no preconceito dos Estados Unidos mostra Borat em viagem passageira ao país com o intento de mostrar que a precariedade do Cazaquistão pode se igualar aos padrões americanos. Com pouco dinheiro, uma mala, um cinegrafista chamado Azamat Bagatov (Ken Davitian) e uma galinha (!) eles finalmente chegam ao lugar. Não demora a Borat se apaixonar pela estonteante Pamela Anderson (a siliconada de “Todo Mundo em Pânico 3″, na sua melhor “interpretação”), criando uma perseguição obsessiva pela moça. No percurso, ele irá se esbarrar com um casal de judeus (que ele teme como se fosse a encarnação do próprio diabo), com um grupo de mulheres feministas (que Azamat julga terem cérebro da medida de um esquilo), entre outras mórbidas situações.

Cínico e ingênuo, Borat é um personagem pelo qual somos capazes de nos identificar de imediato, sendo fácil embarcar e gargalhar com diversas cenas. Essa evidência de risos do início ao fim só chega a determinado limite quando o filme joga de tempos em tempos conjunturas que não sabemos ao certo se devemos rir ou nos constranger, exemplo da embaraçosa e comentada luta entre Borat e Azamat. Este queridinho dos críticos de melhor comédia do ano não foi tão bem-sucedido o quanto esperado em termos de bilheteria no Brasil (entretanto, foi sucesso nas telas ianques), mas deve encontrar uma grande legião de admiradores no DVD, especialmente para os que apreciaram o não menos engraçado “Ali G Indahouse”, investida anterior de Sacha Baron Cohen nos cinemas.

Sobre Alex Gonçalves
Editor do Cine Resenhas desde 2007, Alex Gonçalves é estudante de Jornalismo e viciado em música, fotografia, leitura e escrita. Mais informações na página "Sobre".

24 Comentários em Resenha Crítica | Borat: O Segundo Melhor Repórter do Glorioso País Cazaquistão Viaja à América (2006)

  1. E ai Alex, blz?Achei interessante a forma como o personagem Borat tenta desencravar o modo de vida norte-americano, mas acho que a partir de um determinado ponto vai ficando pastelão demais, cansativo. Mesmo assim, tem lá seus bons momentos. Valeu!!!!

  2. Um dos filmes mais engraçados do ano. Gostei muito, apesar do discurso ser um tanto vazio… mesmo assim, muito bom!

  3. Achei uma comédia inovadora!As críticas, um tanto implícitas, são excelentes. Mas é fato que Borat vai ficando um tando irritante em algumas atitudes. No meu ponto de vista, aqui no Brasil a reação seria pior, acho que Borat não sairia vivo daqui! A intolerância americana é muito grande, mas a brasileira não passa longe!Abraçooohttp://eco-social.blogspot.com/

  4. não tem como não rir nesse filme … sem pudor, uma mistura acida de inteligencia e repugancia … foda …Mulher: Você conheçe o mundo degradante?Borat: Não …fodaeheheheabraçospara mim …um candidato para um dos melhores filmes do ano de 2007 …

  5. Eita, Alex! Cara, tô precisando rir mais no cinema… tenho visto só uns filmes dramáticos ultimamente… com certeza BORAT é uma boa pedida. Vou conferir em breve!Abração!

  6. Achei esse filme um tanto discutível, apesar da esmagadora maioria de espectadores ter adorado. Não sou contra esse tipo de humor (aliás gosto de alguns seriados que tenham uma característica mais “apelativa” para fazer rir), mas o personagem não me conquistou. Sem dúvida o encontro com a Pamela Anderson é o mais divertido. Daria **, quase 3 também. Abraço!

  7. Rafael, concordo com sua análise sobre a exaustão, apesar do filme ser consideravelmente curto. Mas fale por toda essa “crítica” aos EUA.

  8. Ronald, ao menos “Borat” consegue vaga facilmente da lista das melhores comédias lançadas recentemente. Ao menos o cinema está inspirado com o humor.

  9. Vinícius, acredito que pelo filme adotar diversas vulgaridades em todos os momentos, o resultado não seja tão excepcional. Gostei desta interferência de Pamela Anderson no filme, assim como a solidão do personagem nos instantes finais. Acho que em alguns modos de avaliação ou comparação, o personagem acaba sendo melhor do que o próprio filme.

  10. Alex minha birra com a Penelope é quase pessoal mesmo…não gosto nem da voz dela !!hehehemassela quando trabalha com o Almodovar vira outra atriz (e mulher) !vide o “Tudo Sobre Minha Mãe” tb !

  11. Gustavo, tudo bom?Simplesmente adoro todas essas atrizes que metade da população tem algum contra ou dúvida sobre a capacidade de atuar. Ando indo atrás de alguns projetos estrangeiros da atriz Penélope Cruz e ando me surpreendendo cada vez mais e mais. Também gosto dela em “Tudo Sobre Minha Mãe”, mas é com “Volver” e “Não se Mova” que ela demonstra a que veio. E novamente te recomendo “Não se Mova” – garanto que não irá se arrepender!Desejo ótima semana pela frente.

  12. Alex, com certeza SCOOP é impagável. Ri feito um besta durante a sessão, heheheheaguardo o texto.abs!

  13. Túlio, idem!Não consigo ficar sem rir em alguns filmes de Woody Allen. Devo publicar sobre “Scoop – O Grande Furo” depois de “O Motoqueiro Fantasma”, este uma bomba!

  14. Vi Borat logo quando vazou com qualidade boa na Internet. Ri DE MAIS com o filme, sério, faz bastante tempo que eu não acho tanta graça de um filme. Vi o filme de novo, dessa vez nos cinemas, e não entendo porque a grande difenreça das bilheterias nos EUA e aqui. Cohen fez um ótimo trabalho, e espero que ele mantenha o nível em Sweeney Todd, filme que eu fiz um preview lá no blog!Abraços, Alex!http://tironoescuro.wordpress.com

  15. Cassiano, com certeza!Já estou aguardando os próximos projetos que o comediante vai participar, prometendo entregar mais performances hilariantes.

  16. Renato, estava quase me esquecendo da participação dele em “Sweeney Todd”, outra produção que aguardo muito. Recordo-me de ter escrito na sua ótima revisão. Espera-se que o comediante tenha algum brilho especial no meio de tanta gente famosa, especialmente Helena Bohan Carter e Johnny Depp. Abraço, grande Domingo.

  17. BORAT é uma comédia valiosa por não usar o humor como simples instrumento para provocar gargalhadas, mas principalmente para revelar as camadas mais hipócritas e chocantes das pessoas “vítimas” do repórter fajuto de Cohen. E de fato, há momentos em que nos perguntamos se aquilo que vemos é encenação ou foi para valer.Um filme bizarro à sua própria maneira.Cumps.

  18. Gustavo² » Com toda a certeza esse mistério de encenação com trechos reais tornam o filme engraçadíssimo e interessante. Se descarta a possibilidade de enfrentar a sociedade americana até as últimas conseqüências, serve como comédia original e acima da média.

2 Trackbacks & Pingbacks

  1. Deu a Louca em Hollywood « Cine Resenhas
  2. O Ditador | Cine Resenhas
Follow

Get every new post on this blog delivered to your Inbox.

Join other followers: