Skip to content

Resenha Crítica | Natal Negro (2006)

Black Christmas, de Glen Morgan

O que aconteceu com Glen Morgan? Cineasta talentoso e amigo de James Wong, tornou a refilmagem de “Willard” numa grande surpresa e agora nos entrega uma ingrata versão atualizada de “A Noite do Terror”. Se em “A Vingança de Willard” (produção estrelada pelo sinistro Crispin Glover) ele soube equilibrar com maestria a melancolia de seu personagem em união com o horripilante relacionado a presença de inúmeros roedores, em “Natal Negro” ele tropeça em todas as fraquezas do teen horror, alternativa que ele infelizmente optou para a garantia de público.

Nada é divertido neste conto de massacre juvenil, que narra o tédio de fraternidade feminina à véspera do natal. Reza a lenda de que na própria residência onde as garotas estão hospedadas morava uma família composta por um casal e um filho. Descoberto adultério da matriarca, esta, unida com o amante, mata seu próprio marido, enquanto o pequeno chamado Billy (na infância interpretado por Cainan Wiebe), que herdou uma pele amarelada por causa de rara doença no fígado, se esconde nos cômodos inabitados do local.

Nasce do traumatizante homicídio o desejo de vingança e a obsessão em matar indivíduos indefesos. Recluso num presidiário, Billy (agora interpretado por Robert Mann) consegue com muito sucesso retornar para seu doce lar, onde já estamos cientes do que vai ocorrer. Katie Cassidy (“Quando Um Estranho Chama”), Michelle Trachtenberg (“Sonhos no Gelo”) e Mary Elizabeth Winstead (“À Prova de Morte”) são algumas das mocinhas. A veterana Andrea Martin, que esteve na versão original de 1974, tem destaque na refilmagem.

Bobagem é pouco para definir uma produção tão constrangedora, onde sustos são trocados rapidamente por involuntárias gargalhadas, especialmente nas cenas atrozes onde as pobres garotas são sujeitas a perder os dois olhos para futuros enfeites natalinos. Talvez “Natal Negro” surgiu com o intento de mudar toda essa rotina que os americanos não cansam de organizar em datas comemorativas com sadismo e graça. Mas cinema de horror é algo sério demais para que filmes de fracas pretensões sejam relevantes. Ao menos com a estreia futura nas telas brasileiras de “Natal Negro”, que foi adiada inúmeras vezes, alguma distribuidora deva se interessar em lançar a produção original de 1973 em DVD.

8 Comments

  1. Kamila Kamila

    Alex, nunca ouvi falar deste “A Noite do Terror” e confesso que não sou muito fã do gênero de terror. Se já não gostaria de assistir ao filme, depois de ler seu texto, vou passar longe dele.Bom domingo.

  2. Wally Wally

    Tem o filme original na locadora onde trabalho, mas to com medo de pegar e não gostar. Você sabe se presta? Já essa refilmagem nunca botei fé, apesar de ter adorado o trailer assustador que passou nos cinemas.

  3. Alex Gonçalves Alex Gonçalves

    Kamila, os primeiros filmes que me fizeram tornar um viciado em cinema foram exclusivamente do gênero terror. Talvez por isto até o momento eu aguarde por tantas fitas terroríficas, mesmo que alguns já sejam o desastre anunciado como este “A Noite do Terror”. Entendo a sua visão, pois infelizmente existe filmes vergonhosos representando o horror.

  4. Alex Gonçalves Alex Gonçalves

    Wally, momentos antes de atualizar o Blog, recordei que um amigo havia me informado que o “Black Christmas” de 74 ainda não tinha ganhado uma versão brasileira. Se você tem aí na sua locadora, não despreze a raridade que tem em mãos. O filme simplesmente marcou o gênero na década de 70, que dizem ser similar ao espírito de matança da obra-prima “Halloween – A Noite do Terror” (que, coincidentemente, levou o subtítulo da tradução da refilmagem de “Black Christmas”)

  5. Vinícius P. Vinícius P.

    Puxa, até que tinha alguma expectativa em relação a esse trabalho, mas não agora com seus comentários. Não esperava um grande filme, mas ao menos algo que pudesse me assustar, mas se a história é mesmo tão teen nem vale a pena assistir. Nunca ouvi falar do original, mas se encontrar por aí em alguma locadora vou conferir.Abs!

  6. Johnny Strangelove Johnny Strangelove

    eu lhe disse … é bomba … é ruim … oia ai … Fique de olho meu amigo … tem muito gato por lebre por ai …

  7. Alex Gonçalves Alex Gonçalves

    Vinícius, também tinha grandes esperanças de ver um bom filme, pois iria sair da rotina com uma produção inovadora em certos pontos, mas só serviu para ajudar a ressuscitar uma das maiores pragas do cinema moderno que é o terror de adolescentes, que deu origem após o sucesso de “Pânico”.

  8. Alex Gonçalves Alex Gonçalves

    JP, o filme é mesmo uma bomba, mas tanto eu quanto você não poderíamos concluir algo em relação ao filme. Mas existia sim pontos positivos que faziam merecer uma conferida curiosa, mesmo que todo o resultado tornou-se uma grande bobagem.

Follow

Get every new post on this blog delivered to your Inbox.

Join other followers:

%d blogueiros gostam disto: