O Ultimato Bourne

Desde seu lançamento em 2002, Doug Liman injetou vigor no gênero com o filme “A Identidade Bourne”, inspirado num livro de Robert Ludlum e com roteiro de Tony Gilroy (que fez sua estréia em longa-metragem recentemente com o aclamado “Conduta de Risco”), dando início a uma série bem-sucedida, inteligente e com ação espetacular. O final da saga, ao menos como foi anunciado, do herói desmemoriado Jason Bourne (Matt Damon) é novamente preenchido pela sua busca em desvendar todo o passado que o condena ao mesmo tempo em que é procurado pela CIA e caçado por assassinos profissionais a mando de Noah Vosen (David Sthathairn). Neste episódio também é reaproveitado a personagem interpretada por Julia Stiles, Nicky Parsons, assim como Pamela Landy (ótimo desempenho de Joan Allen).

Superior ao episódio anterior, “A Supremacia Bourne”, que primava pela monotonia, Paul Greengrass ainda persiste nas câmeras estremecidas tanto nas sequências mais amenas como naquelas difíceis de serem visualizadas quando ocorrem perseguições e conflitos, mas que lhe beneficiaram tão bem em “Vôo United 93”. Por outro lado, realizou em “O Ultimato Bourne” um bom trabalho com o apoio de uma montagem excepcional e a tensão que foi capaz de instaurar nos acontecimentos mais decisivos. Só que lhe faltou um desfecho que garantisse ao público surpresa em questão do que realmente Jason Bourne é. Isso fez com que a interação por interesses entre Vosen e Landy em encontrar Bourne soasse mais intrigante do que os mistérios que rondam o personagem-título.

Título Original: The Bourne Ultimatum
Ano de Produção: 2007
Direção: Paul Greengrass
Roteiro: George Nolfi, Scott Z. Burns e Tony Gilroy, baseado no romance de Robert Ludlum
Elenco: Matt Damon, Julia Stiles, Joan Allen, David Strathairn, Daniel Brühl, Paddy Considine, Scott Glenn, Edgar Ramirez, Lucy Liemann, Dan Fredenburgh, Colin Stinton, Joey Ansah, Corey Johnson, Tom Gallop, Albert Finney e Brian Cox
Cotação: 3 Stars

Sobre Alex Gonçalves
Editor do Cine Resenhas desde 2007, Alex Gonçalves é estudante de Jornalismo e viciado em música, fotografia, leitura e escrita. Mais informações na página "Sobre".

15 Comentários em O Ultimato Bourne

  1. “O Ultimato Bourne” é um grande filme de ação e o melhor da trilogia (junto com o primeiro), mas também não achei tão bom quanto a maioria – acho que daria uma nota 8,0 para ele.Abraço!

  2. achei o desfecho muito bom.. deu um gostinhod e quero mais.. enfim…o melhor filme de açao do ano, sem sombra de dúvidas…

  3. Pedro, não sei exatamente se foi o melhor do ano passado (poucos filmes do gênero vem a minha memória, rs), mas é um dos melhores. Mas o meu predileto é “A Identidade Bourne” – e de longe!

  4. Rodrigo, não tenho muitos problemas como a maneira que o filme encerrou, mas com a revelação de Bourne enquanto o seu passado. Será que a série ganhará mais um capítulo?

  5. “O Ultimato Bourne” é o melhor filme de ação de 2007. Uma maneira perfeita de fechar a trilogia e que tem os bons elementos dos filmes anteriores e ainda acrescenta algo novo: o ótimo vilão interpretado pelo David Strathairn.

  6. O que eu gostei do final não foi o fato de ter me surpreendido, pois não foi imprevisível, mas a urgencia que trouxe, a relevancia, um comentário realmente admirável e importante. Fora isso, adorei a direção, a montagem, o roteiro, o elenco, enfim, adorei tudo!Nota 9,5Ciao!

  7. Eu gostei bastante do Ultimato Bourne, mas, tirando a perseguição no Marrocos que é excelente, achei as cenas de ação meio fracas e repetitivas.O desfecho do filme esperava ser menos óbvio. Esperava algo mais complexo sobre o passado do personagem.Mas vamos esperar o Bourne 4 hehehe.

  8. Kamila, a entrada do personagem de David Strathairn deixou o filme ainda mais interessante, mas acho que o melhor filme de ação do ano passado deve ser mesmo o nosso “Tropa de Elite”.

  9. Wally, acho que a melhor coisa do final de “O Ultimato Bourne” é o close na face doce da Julia Stiles, rs. O final é bom, mas desejava, sim, que fosse surpreendente, assim como deve ser o final de uma grande trilogia.

  10. Como assim vc diz q a SUPREMACIA BOURNE é monótono? Qdo vc ver NO COUNTRY FOR OLD MEN vai entrar em coma então. E como pode dar a mesma nota do DURO DE MATAR pavoroso para o ULTIMATO? Heresia!hehe

  11. Como vai, Anderson?Então, até que gosto de “A Supremacia Bourne”, mas foi um banho de água fria quando o vi pela primeira vez, já que é totalmente distinto de “A Identidade Bourne”, um filme que tanto gosto. E vendo o que “O Ultimato Bourne” e “Duro de Matar 4.0” conseguem propor, a cotação é praticamente a mesma. E não me diga que “Onde Os Fracos Não Têm Vez” é ruim! Estou com medo!

  12. na minha opinião, “identidade bourne” é o melhor da trilogia (?) por encerrar em si mesmo (quase) tudo q o expectador necessita para saber quem é jason bourne e por apresentar a melhor cena, quando jason diz: “eu ñ quero saber mais quem eu sou”mesmo assim, aprecio sobremaneira as 2 continuações e alegremente espero pela parte 4, tão bem anunciada em “o ultimato bourne” com a questão (q, aliás, vinha já sendo mostrada aos poucos desde “identidade”) do motivo pelo qual jason decidiu entrar para o programa treadstone – acho eu q ele tinha um filho q foi assassinado (só saberia ao certo se lesse os livros de erik van lustbader)

2 Trackbacks & Pingbacks

  1. Desconhecido « Cine Resenhas
  2. O Legado Bourne | Cine Resenhas

Comente

Follow

Get every new post on this blog delivered to your Inbox.

Join other followers: