Sex and the City – O Filme

Sex and the City - O FilmeParece uma tarefa ingrata para qualquer homem, provavelmente antenado nas estréias de “O Incrível Hulk”, “Indiana Jones e o Reino da Caveira de Cristal” ou mesmo “Speed Racer”, longas com muita adrenalina, encarar um filme como “Sex and the City – O Filme”, que na primeira impressão se apresenta como um filme com personagens neuróticas e que só pensam nas aparências usando trajes, calçados e acessórios que custam uma verdadeira fortuna. E não ajuda muito se você não resgatou alguma informação do formato anterior que rendeu o filme de Michael Patrick King, um seriado televisivo que durou seis anos de transmissão. No fim das contas, não é preciso embarcar em dezenas de episódios das seis temporadas de “Sex and the City” para não se sentir deslocado das passagens vividas por Carrie Bradshaw (Sarah Jessica Parker), Charlotte York (Kristin Davis), Miranda Hobbes (Cynthia Nixon) e Samantha Jones (Kim Catrall) no cinema. E tanto o público feminino quanto o masculino podem se divertir com a amizade deste quarteto, mesmo que as mulheres consigam se deslumbrar mais.

No seriado televisivo, uma adaptação do livro de Candace Bushnell que entrou ao ar em 1998, acompanhamos quatro mulheres muito bem sucedidas profissionalmente, mas com crises nos relacionamentos. Carrie é uma colunista que fala sobre casos amorosos. Charlotte é a garota correta que procura por aquele tal marido dos sonhos. Miranda é a advogada mais centrada em suas metas pessoais. E, por fim, o grupo se fecha com Samantha, a mais velha das amigas e que sempre vê o sexo como uma prioridade. Já no filme, um grande sucesso de bilheterias e que já tem uma sequência em negociação, muitas mudanças acontecem a essas mulheres e o centro das atenções é Carrie e os preparativos do seu casamento com Mr. Big (Chris Noth). Só que a indecisão do segundo sobre se casar por uma terceira vez possibilita que o romance receba modificações não muito esperadas e que também atingirá todas as amigas de Carrie.

Com uma metragem que ultrapassa duas horas, “Sex and the City – O Filme” acaba com aquela gostosa sensação de quero mais. Isto acontece porque a história assumida pelo diretor Michael Patrick King (co-criador do seriado) sabe discutir com ternura os problemas de suas personagens perante o casamento, as dificuldades de manter uma família e o vazio existente quando não se é amado em meio a falta de tempo do companheiro para corresponder a este desejo. Neste aspecto, só perde mesmo a personagem de Kristin Davis, que não apresenta muitas incertezas a serem avaliadas. E vale informar que comentários por parte da crítica sobre a falta de consistência do roteiro ou mesmo de espaço para os personagens defendidos pelos homens são totalmente descartáveis e preconceituosos. Para as mulheres será muito prazeroso acompanhar a jornada de Carrie, Charlotte, Miranda e Samantha provando peças do elegante guarda-roupa de Pat Fields (nomeada ao Oscar por “O Diabo Veste Prada” e que merece uma nova indicação na premiação de 2009). Já para os homens será divertido ver que não é somente nós quem lideramos os problemas vindos de um relacionamento ou que, enfim, somos os únicos a pensar em sexo.

Título Original: Sex and the City
Ano de Produção: 2008
Direção: Michael Patrick King
Elenco: Sarah Jessica Parker, Kim Cattrall, Kristin Davis, Cynthia Nixon, Chris Noth, David Eigenberg, Evan Handler, Candice Bergen e Jennifer Hudson.
Cotação: ***

 

Sobre Alex Gonçalves
Editor do Cine Resenhas desde 2007, Alex Gonçalves é estudante de Jornalismo e viciado em música, fotografia, leitura e escrita. Mais informações na página "Sobre".

15 Comentários em Sex and the City – O Filme

  1. Vou conferir a obra em breve, mas realmente, me faltará o conhecimento da série para avaliar melhor o filme. Por isso que “contratamos” um adoradora da série para fazer a resenha, na época de seu lançamento nos cinemas. Rsrs!
    A nota está bom, deve ser um filme interessante.

  2. É, Alex. As notas não têm passado disso; a minha própria foi idêntica. Achei um exagero de clichês e um exagero maior ainda no tempo de duração. Mas o filme é muito gostoso de assistir, né? Sem contar aqueles figurinos super legais!!

    Abraços.

  3. Nossa! Eu achava que você ainda estava em pausa…rsrs. Que bom que voltou!
    Sobre “Sex and the city” eu ainda não vi. E também não acompanhava a série, mesmo sendo tão elogiada. E o filme não parece passar de razoável, independente se a pessoa acompanhava ou não a série.

    Abraços!

  4. Alex, eu vou discordar de novo de você!!! :-)

    Comigo, pelo menos, “Sex and the City – O Filme” não deixou o gostinho de quero mais. Eu achei o roteiro extremamente superficial no que diz respeito ao tratamento dos assuntos. O problema foi que eles tentaram fazer uma temporada inteira num filme de duas horas e meia e acabaram tratando tudo por cima.

    Mas, o longa vale para ver Kim Cattrall e Cynthia Nixon muito bem em seus respectivos papéis.

  5. Olá, Alex! Tdo bem? Como vai a vida corrida? rsrs

    Sobre “Sex and the City”, nunca vi um episódio da série original. Acho que foi isso que me desanimou na vontade de assistir o filme! Mas, agora que entrarei de férias (graças a Deus!!!!) terei tempo para vê-lo! ;)

    Fique bem!! Beijos!

  6. Ah nem, confesso que não tenho muita vontade de assistir o filme não. A série mesma nunca me entreteu muito bem, o que acabou não despertando minha curiosidade para conferir sua adaptação nas telonas. Quem sabe um dia, quando eu estiver de férias e sem muita coisa pra fazer…

  7. Planejava conferir o filme neste mês, mas me atrasei no conferimento da série (estou terminando a quinta temporada) e vai acabar ficando para o próximo mês. Quero muito ver. As quatro dinâmicas, constrastantes e divertidas amigas se tornaram companheiras ao longo de 5 temporadas e espero que o filme sele o destino destas de uma forma admirável. Pelos seus comentários, fiquei ansioso!

    Ciao!

  8. Já vi e revi todas as temporadas da série, por isso mesmo com todas as críticas a essa versão cinematográfica, adorei o resultado final. É uma coisa que só quem acompanhou os seis anos de “Sex and the City” sabe, acho que ninguém mais se emocionou horrores com aquele final se não os próprios fãs.

  9. Ramon, acho que não é necessário ver toda a série para analisar melhor o filme.

    Kau, se o filme repete fórmulas de outras fitas do gênero pode ser verdade, mas “Sex and the City” tem muita personalidade. Abraços!

    Alyson, eu retornei, mas estou precisando de horas mais livres para voltar a visitar todos como eu gostaria de visitar. E o filme é bom, acredite. Abraços!

    Robson, deixa para as férias não!

    Kamila, de novo? :( E eu não sei como ficaria se eu tivesse feito a série, mas acho que não interferiria no meu julgamento com o filme.

    Mayara, a minha vida corrida vai muito… corrida! E espero que não se esqueça do filme nas suas férias. Aliás, bom descanso prolongado! Beijos!

    Bruno, pelo visto “Sex and the City” será o filme para se ver nas férias, rs.

    Denis, correto. Um ótimo drama, por sinal!

    Dudu, uma pena! Abraços!

    Wally, na verdade são seis temporadas, rs. E o filme é muito divertido. Você deve gostar! Abraços!

    Vinícius, mas você fala assim como se fosse uma experiência que só deve ser vivida pelos fãs do seriado. Como já disse, não vi a série televisiva e gostei MUITO do filme.

  10. Realmente, fica um gosto de “quero mais”. Eu só acho que outro filme, como já foi confirmado pela Kim Cattral, ia estragar a imagem da série. Só se o roteiro viesse com algo mais original, porque eu não gostaria de ver mais do mesmo…

  11. Matheus, eu acredito, sim, que se acontecer de fato uma sequência tudo deve ficar em perfeita harmonia, como aconteceu com este daqui.

  12. Confesso que esperava mais do filme, não apenas uma versão reduzida. E mias: as personagens estão muuuito mais neuróticas, inseguras e chatas que no passado.
    Gostava muito do seriado, mesmo sabendo ser uma tremenda “água com açúcar”, filosofias de almanaque, e histórias de pessoas que pouco valorizam a vida em sí, apenas o que ela oferece em seu próprio proveito.
    Mas mesmo assim, esperava algo mais divertido e bem humorado, e acabei me frustrando com um drama vheio de estereótipos, e frases repetitivas.
    Uma grande decepção.
    Mas tem coisa pior por aí passando.
    Abraço, Alex, parabéns pelo blog, está cada vez melhor.

9 Trackbacks & Pingbacks

  1. Blog de Ouro 2009 FYC #4 «
  2. Melhores de 2008: Figurino « Cine Resenhas
  3. Melhores de 2008: Cartaz « Cine Resenhas
  4. Sex and the City 2 « Cine Resenhas
  5. O Escritor Fantasma « Cine Resenhas
  6. Melhores de 2010: Figurino « Cine Resenhas
  7. Melhores de 2011: Figurino « Cine Resenhas – 5 Anos
  8. Melhores de 2012: Figurino | Cine Resenhas
  9. Cine Resenhas | Melhores de 2013: Figurino

Comente

Follow

Get every new post on this blog delivered to your Inbox.

Join other followers: