Primavera Para Hitler Vs. Os Produtores

Filme Vs. Filme
O Cine Resenhas não poderia passar os últimos dias deste mês de maio sem publicar um novo embate entre duas obras cinematográficas. Em abril os longas selecionados foram “Nikita – Criada Para Matar” e “A Assassina”. A versão original de Luc Besson e a refilmagem comandada por John Badham provavelmente não foi muito assistida entre os visitantes. Mas, desta vez, os longas são bem populares e se trata novamente uma obra original e a sua refilmagem. O primeiro filme é “Primavera Para Hitler”, comédia de Mel Brooks vencedora do Oscar de melhor roteiro original. Quem vai combatê-lo nesta edição é “Os Produtores”, o remake que recebeu quatro indicações ao Globo de Ouro que também usa a adaptação musical para a Broadway como base.

DVD - Primavera Para HitlerPRIMAVERA PARA HITLER

Mel Brooks, que um dia já foi considerado um dos grandes diretores americanos de filmes cômicos, estreiou nos cinemas com “Primavera Para Hitler”. Não é tão hilariante e brilhante quanto “Alta Ansiedade” ou “O Jovem Frankenstein”, mas em matéria de clássicos do gênero o filme tem um lugar reservado. A história todo mundo sabe, inclusive aqueles que ainda não assistiram o longa. É sobre um produtor teatral, Max Bialystock (Zero Mostel), que consegue financiamento para as suas peças realizando desejos de velhas endinheiradas. Ao conhecer o contador Leo Bloom (Gene Wilder) armam um golpe que os deixarão podres de rico: produzir uma peça horrenda e lucrar com o seu fracasso, pois com poucas apresentações ficam restando um alto valor do investimento dos patrocinadores. E daí nasce o musical teatral “Primavera Para Hitler”. A sequência de testes com vários candidatos a Hitler é antológica.

Título Original: The Producers
Ano de Produção: 1968
Direção: Mel Brooks
Elenco: Zero Mostel, Gene Wilder, Lee Meredith, Dick Shawn, Kenneth Mars e Christopher Hewett.
Cotação: 3 Stars

DVD - Os ProdutoresOS PRODUTORES

A imprensa, especialmente a nacional, até tentou levantar os ânimos do público para assistirem “Os Produtores”, afirmando que “Primavera Para Hitler” não passava de uma comédia datada e que esta mais recente versão era superior em vários aspectos. Mas se o filme de Mel Brooks não era exatamente brilhante, a refilmagem de Susan Stroman (que nunca mais realizou um filme após o fracasso comercial de sua obra) consegue ser pavorosa. A história é a mesma, mas com uma modificação gritante, sendo os diálogos cantados. A idéia de tornar não só a encenação teatral dentro do filme um musical foi retirada da adaptação para a Broadway, um sucesso produzido por Brooks e Thomas Meehan. Nathan Lane e Matthew Broderick repetem os seus papéis dos palcos, protagonizando um filme que não confere sequer uma cena cantada memorável. É sem graça, extremamente sonolento. Mas se os personagens de Lane e Broderick no fim nas contas não conseguem tornar a peça um fracasso a de se louvar o feito de Susan Stroman, que entrega o pior musical de toda a história do cinema, talvez perdendo somente para “Mamma Mia!”.

Título Original: The Producers
Ano de Produção: 2005
Direção: Susan Stroman
Elenco: Nathan Lane, Matthew Broderick, Uma Thurman, Will Ferrell, Roger Bart, Andrea Martin e Jon Lovitz.
Cotação: 1 Star

Sobre Alex Gonçalves
Editor do Cine Resenhas desde 2007, Alex Gonçalves é estudante de Jornalismo e viciado em música, fotografia, leitura e escrita. Mais informações na página "Sobre".

16 Comentários em Primavera Para Hitler Vs. Os Produtores

  1. Eu não assisti Primavera (vexame que pretendo corrigir), mas Os Produtores se salva pelo Will Ferrel, na minha opinião.

  2. Eu não conferi o original, mas sabe que eu acho “Os Produtores” até divertido? Certo que é um tanto cansativo mesmo, mas há alguns méritos evidentes e o elenco é ótimo.

  3. Eu só assisti ao filme “Os Produtores”, que considero um musical fraco. Acho que a única coisa que se salva no longa são os aspectos técnicos.

  4. Tourinho, para mim a única coisa que se salva em “Os Produtores” são as pernas de Uma Thurman!

    Pobre Wally! :D Abraço!

    Cleber, concordo!

    Vinícius, acho “Os Produtores” ruim demais! Para mim tudo é trágico no filme, seja o roteiro e direção, seja as performances do elenco e os seus personagens.

    Ciro, não o acho sensacional, mas é uma ótima comédia. Abraços!

    Kamila, nem os aspectos técnicos salvam o longa para mim.

    Mayara, chato é elogio! Beijos!

  5. Nunca tinha lido essa resenha. Agora, considerar esse maravilhoso musical, um dos melhores filmes da década, “pavoroso” é, no mínimo, indelicado. O filme é perfeito, é humor à moda antiga, com muita malicia, musicalidade perfeita. Enfim, um filme memorável. Adoro. Alias, sou suspeito, porque adoro todos os filmes de Mel Brooks.
    Recomendo assistirem ao filme. É divertidíssimo.

  6. – Sérgio, não fique ofendido. Por mais que seja difícil, compreendo o afeto que alguns tem para com “Os Produtores”. Talvez a sua ingenuidade tenha conquistado várias pessoas. Mas vale um aviso: o musical para cinema é dirigido por Susan Stroman.

  7. Alex, eu sei que o filme não foi dirigido pelo Brooks. E digo mais, a Susan fez um excelente trabalho. Mas o estilo de Brooks esta lá, impregnando cada cena. As músicas, as piadas, a caricatura divertida, a crítica, tudo. Confirmo o que disse: “Os Produtores”, além de ser uma comédia musical deliciosa, foi um dos melhores filmes de 2005, infelizmente, subestimado e injustiçado, tanto pelo público, que não sabe mais digerir filmes com uma boa dose de ingenuidade (como você mesmo disse, Alex) e leveza, e pela crítica, que enxergou defeitos que não existiam. O mundo mudou, as pessoas ficaram mais frias, mais cínicas. Pelo menos, o público que consome cinema ficou. No teatro, a peça fez e faz estrondoso sucesso. Vai entender, né? Quem não viu, veja. E tire as próprias conclusões. Quando me bate o mal humor, assisto esse filme e meu astral vai às alturas.

  8. E tem mais, recomendo outro filme de Mel Brooks, aliás o último que ele dirigiu, que eu acho que foi uma das maiores injustiças do cinema: “Drácula, Morto mas Feliz”. Na minha opinião, obra-prima, do mesmo quilate de “Jovem Frankenstein” e “Banzé no Oeste” Infelizmente, continua inédito em formato digital.

  9. – Sérgio, compreendo a sua opinião. Eu mesmo fico inconformado quando leio alguém falando que “Tomates Verdes Fritos” não é um bom filme, cuja premissa é ingênua e, por isto mesmo, cativante. Porém, “Os Produtores” não é um estilo de musical que me agrade ao ponto de recomendar aos amigos. Também não gosto do “Drácula” de Mel Brooks, mas ele fez uma comédia que acho simplesmente genial: “Alta Ansiedade”. Um abraço.

Comente

Follow

Get every new post on this blog delivered to your Inbox.

Join other followers: