Um Homem Sério

Um Homem SérioQuem acompanha a carreira dos irmãos Coen, que estrearam como diretores na década de 1980 com o cultuado “Gosto de Sangue”, sabe que eles lidam com filmes nada convencionais. Esta característica particular dos cineastas lhe garantiram fama, só que aqueles pouco envoltos a seu cinema certamente devem ficar incomodados com as investidas mais humorísticas dos Coen. Exemplo claro disto é o filme anterior deles, “Queime Depois de Ler“. E agora há “Um Homem Sério”, indicado ao Oscar de melhor roteiro original e, vai entender o por quê, melhor filme.

Na realidade, “Um Homem Sério” está mais para um convicto drama com toques de humor negro, mesmo que outro ponto que nos faz chegar a esta conclusão seja os poucos risos, nem mesmo nervosos, que a narrativa é capaz de nos arrancar. O protagonista é o professor na década de 1960 Larry Gopnik (Michael Stuhlberg). Como judeu, passa a procurar por rabinos quando sua vida entra em grande declínio. Isto porque Judith (Sari Lennick), sua esposa, quer trocá-lo por outro homem (Fred Melamed). Pouco compreensiva, o restante de sua família parece mais explorá-lo do que apoiá-lo nesta fase difícil, pois seus filhos Sarah (Jessica McManus) e Danny (Aaron Wolff, que em muitos momentos é tratado como um segundo protagonista da história) não passam de adolescentes ingratos, bem como o seu irmão Arthur (Richard Kind), viciado em jogos de cartas.

Aparentemente, “Um Homem Sério” seria um filme interessante por estar tão conectado à vida pessoal dos Coen, que cresceram numa família judia. No entanto, há pouco de bom para extrair do longa. A direção de fotografia de Roger Deakins, oito vezes nomeado ao Oscar, é um dos pontos positivos. Analisem, por exemplo, a beleza do enquadramento e iluminação da comentada cena estampada no cartaz original onde Larry está sob o telhado de sua casa para ajustar a antena e acaba espiando a sua exuberante vizinha nua deitada em uma cadeira de praia.

Não há como negar o potencial da história de “Um Homem Sério”, que muito trabalha em temas que garante diversas interpretações, como fé e religião, atos e consequências. O desfecho, que desponta como um dos mais discutíveis e polêmicos vistos nos últimos meses, gerará discussões. Infelizmente, nada que compense uma experiência preenchida mais por momentos arrastados, aborrecidos e pouco eficiente em sua proposta do que por aqueles vistos na consagração definitiva dos Coen no pertinente “Onde os Fracos Não Têm Vez”.

Título Original: A Serious Man
Ano de Produção: 2009
Direção: Joel Coen e Ethan Coen
Elenco: Michael Stuhlbarg, Sari Lennick, Richard Kind, Fred Melamed, Aaron Wolff, Jessica McManus, Adam Arkin, Simon Helberg, Adam Arkin e George Wyner
Cotação: **

 

Sobre Alex Gonçalves
Editor do Cine Resenhas desde 2007, Alex Gonçalves é estudante de Jornalismo e viciado em música, fotografia, leitura e escrita. Mais informações na página "Sobre".

4 Comentários em Um Homem Sério

  1. Eu comecei a assistir e parei, por achar muito chato. Não vi nem 15 minutos e devo vê-lo completamente em breve! Gosto dos Coen, principalmente por conta dos dois últimos filmes deles.

  2. ele tem uma boa história, mas o andamento do filme não dá pé. Eu gostei do final do filme, mas até chegar lá quase quebrei o maxilar de tanto bocejar.

  3. – Mayara, eu até te recomendaria por gostar de uma boa porcentagem do cinema dos Coen, mas este certamente é o pior filme dos irmãos diretores.

    – Fael, se os primeiros minutos para você foram toda essa chatisse, o senhor não perde por esperar o que o filme reserva depois…

    – Marcelo, o desfecho de “Um Homem Sério” é para lá de discutível, mas eu gostei, tem atmosfera. Pena que o filme esteja longe de ser bom como um todo.

1 Trackbacks & Pingbacks

  1. Bravura Indômita « Cine Resenhas

Comente

Follow

Get every new post on this blog delivered to your Inbox.

Join other followers: