Skip to content

Resenha Crítica | Halloween 2 (2009)

Halloween 2“Cavalo Branco: relativo ao instinto, pureza e capacidade do corpo emanar forças poderosas e emocionais, como raiva com subsequente caos e destruição”.

Após a grata surpresa que foi a mistura de refilmagem e prequel de “Halloween“, passou-se a aguardar com muita ansiedade a sequência do filme que novamente trás Rob Zombie como diretor. O fato de agora o também vocalista do grupo “White Zombie” estar livre da dura responsabilidade do contato com um clássico do terror tornavam as coisas ainda mais interessantes. Mas eis que Rob Zombie atinge aquela falta de qualidade que o atormentou em sua estreia como cineasta, “A Casa dos 1000 Corpos”.

O prólogo de “Halloween 2” é perturbador. Passamos a saber o que aconteceu com Laurie Strode (Scout Taylor-Compton). Vemos que ela aparentemente deu fim no maníaco Michael Myers (Tyler Mane) e que imediatamente é levada a um hospital. Nesta mesma noite, Myers surge para capturá-la em uma longa sequência que passamos a descobrir que é um pesadelo, o que não invalida esta que é uma homenagem competente ao “Halloween 2 – O Pesadelo Continua” de Rick Rosenthal. Só um dos vários sonhos perturbadores comprovados em noites mal dormidas que não são superadas nem com consultas com a psicóloga Barbara Collier (participação especial da inesquecível Margot Kidder). Isto dois anos após os eventos do filme anterior, com Laurie passando a viver com sua melhor amiga e sobrevivente do massacre do Dia das Bruxas Annie (Danielle Harris) e o xerife Lee Brackett (Brad Dourif). Um intervalo de aparente paz até que Michael Myers retorne para criar uma nova pilha de cadáveres.

Esta é uma premissa similar aos melhores episódios da série ou mesmo a versão do filme original conduzida por Rob Zombie. O problema é o roteiro escrito com pouca inspiração pelo diretor. Aqui ele faz com que o mal de Michael Myers seja essência de toda a família desestruturada e que agora busca vingança pela rejeição de Laurie, que não sabe que é irmã do mascarado. A frase que estampa o poster, “Família é para sempre”, reforça esta interpretação. A queixa é que Rob Zombie faz com que a matança de Michael Myers até o seu destino seja arrastada e até mesmo gratuita. Chega um momento em que o psicopata mata o dono de uma boate e uma stripper sem qualquer necessidade. Mas nada que se aproxime da calamidade da total modificação aplicada na personalidade do detetive Sam Loomis (Malcolm McDowell), que se transformou em um escritor arrogante e oportunista ao publicar um livro polêmico sobre a pesquisa de anos que fez sobre Michael Myers. Essa incorreção, junta a outras espalhadas ao longo do terror, transformam essa nova investida de Rob Zombie em algo que pode ser definido como patético.

Título Original: Halloween II
Ano de Produção: 2009
Direção: Rob Zombie
Elenco: Scout Taylor-Compton, Tyler Mane, Chase Wright Vanek, Danielle Harris, Brad Dourif, Malcolm McDowell, Margot Kidder, Caroline Williams, Dayton Callie, Richard Brake, Octavia Spencer, Brea Grant, Mary Birdsong, Betsy Rue e Sheri Moon Zombie.
Cotação: 2 Stars

6 Comments

  1. Só me interesso em ver, pessoalmente, para saber como Rob Zombie “continua” aquilo que ele começou de forma tão assombrosa no primeiro filme. De resto, poderia viver sem. Acho. Mas é importante ir ver para confirmar, hahaha. Abraço, Alex!

  2. Não vi o primeiro nem os antigos, porque não gosto de filmes de terror, poucos dão certo pra mim.

  3. Alex Gonçalves Alex Gonçalves

    – Luiz, com o resultado devedor ou não, Rob Zombie sempre é um cineasta curioso de se observar. Abraço.

    – Fael, pois o senhor deveria então largar um pouco esse preconceito, já que o gênero é repleto de grandes clássicos.

  4. Aquele finalzinho com “Love Hurts” é lindo. Gostei bastante do filme. Acho que ele escolheu uma forma diferente para criar o suspense, diferente de seus outros filmes.

    Um abraço.

  5. Alex Gonçalves Alex Gonçalves

    – Pedro, a música é bonita e tem tudo a ver com a história do Michael Myers, por mais mórbido que possa parecer. O que não quer dizer que também é bom o ato ao qual ele é inserido. Pois é! Por mais que eu goste de Rob Zombie e tenha completo fascínio pelo vilão, este “Halloween II” não desceu. Abraço.

  6. Gostei da nova personalidade de Michael Meyers, suas novas motivações reais, e a conclusão inusitada e impressionante.
    Não gostei: O filme é muuuito escuro, eu tive que optar entre uma versão screener péssima ou uma versão meia-boca dublada, fiquei na dublada pra conseguir enxergar alguma coisa; também detestei a nova personalidade de Laurie e Loomis, ambos se distanciaram completamente dos originais de 78.

Follow

Get every new post on this blog delivered to your Inbox.

Join other followers:

%d blogueiros gostam disto: