Skip to content

Resenha Crítica | A Casa do Diabo (2009)

The House of the DevilQue o cinema sempre preservou uma obsessão em retratar aquilo que já é passado, que pertenceu a outra geração, não é novidade. Porém, raramente um feito é tão grande quanto o obtido pelo jovem Ti West em “A Casa do Diabo”, filme de terror que estreou no último Halloween americano em circuito restrito, mas que obteve imediato reconhecimento da crítica especializada – no site Rotten Tomatoes ele foi um dos poucos filmes a adquirir em 2009 impressionantes 85% de críticas positivas. West não ambienta somente sua narrativa para meados dos anos 1980 como faz com que o espectador reviva aquela época. Mesmo realizado no ano passado, é difícil não pensar se estamos diante de algo filmado em torno de trinta anos atrás.

Clássicos letreiros iniciais com frames que se congelam ao exibir nome de atores e seus respectivos personagens, penteados, trajes e objetos que vão de walkman cassete a aparelho telefônico de disco são alguns “truques” usados para “A Casa do Diabo” nos transferir para aquela época. A nostalgia é tanta que o marketing realizado pela produção é uma das mais criativas já realizadas: além de cartazes com artes típicas dos anos 1980 que foram espalhados pela Internet, o consumidor que adquirir o DVD a venda nos Estados Unidos leva gratuitamente o mesmo título em formato VHS.

A  experiência de se assistir “A Casa do Diabo” é ainda mais saborosa para qualquer fã do gênero. A incrível Jocelin Donahue, uma atriz que definitivamente deve ser descoberta, vive a mocinha Samantha. A personagem é influência de qualquer terror daquela época: trata-se de uma babysitter à procura de dinheiro para abandonar o seu apartamento com seu antipático companheiro de quarto e viver sozinha em uma residência enquanto conclui os estudos. Surge a chance de trabalhar por todo o período da noite e em pleno eclipse na casa da família Ulman. O casal vivido pelos veteranos Tom Noonan e Mary Woronov é articulado e aparenta ser honesto, mesmo que, na verdade, tenham mentido enquanto a quem Samantha vigiaria. Não é uma criança, mas sim a inválida mãe do senhor Ulman.

Em sua primeira hora, “A Casa do Diabo” se dedica a desenvolver duas características. A primeira é a personalidade da própria Samantha, que contando com o talento de Jocelin Donahue se apresenta como uma figura feminina original pouco contemplada em outros exemplares. A segunda característica é a própria narrativa, criada com um controle admirável. Pouco acontece, mas a tensão crescente é de deixar-nos com os nervos à flor da pele.

O único problema de “A Casa do Diabo” é que Ti West não soube deixar o espectador no escuro. Culpa de um dispensável letreiro inicial, que permite ao espectador antecipar algo a respeito da revelação final antes que ela se apresente à Samantha. É um erro tão gratuito, comprometedor e fácil de ser evitado que infelizmente custou as cinco estrelas que “A Casa do Diabo” receberia abaixo.

Título Original: The House of the Devil
Ano de Produção: 2009
Direção: Ti West
Roteiro: Ti West
Elenco: Jocelin Donahue, Tom Noonan, Mary Woronov, Greta Gerwig, AJ Bowen, Heather Robb e Dee Wallace

13 Comments

  1. Não tinha ouvido falar neste filme ainda. Parecia ser interessante, mas o final do seu texto é bem revelador também! :) A conferir!

  2. Cara, já li alguns outros comentários bem positivos relacionados a esse filme e como adoro o gênero minhas expectativas só crescem. O aspecto retrô do projeto já é um atrativo a mais. E convenhamos que se trata de um gênero que tem precisado de melhores exemplares atuais.

  3. Se só por causa de um pequeno problema o filme não recebeu mais estrelas, é porque deve ser muito bom. E estou a procura de um BOM filme de suspense há alguns anos.

  4. Marcelo Coldfer Marcelo Coldfer

    Nota 10 em reconstituição
    3 pelo andamento e resultados finais . Não acho que apenas caprichar no cenário de um filme garanta que ele é bom. Esse eu achei bem fraco.

  5. Interessante esse retorno ao horror clássico, ultimamente tem surgido bons filmes do gênero.

  6. As críticas sobre esse filme são bem favoráveis. A conferir.

  7. Vi esse no Fantaspoa semana passada. Achei pobre. Sustos baratos. Tem um bom elenco, o que ajuda, mas não chega a enriquecer o filme. Mesmo assim é melhor que muitas grandes produções do gênero.

  8. – Kamila, não acho que fui tão revelador assim. Você sacará tudo o que está se passando ao ler os letreiros iniciais. Quando tiver a chance de ver o filme, ignore-os.

    – Rafael, eu concordo com você. Ficaria muito feliz de ver o gênero resgatando as suas raízes como é visto neste trabalho de Ti West.

    – Luis, um pequeno GRANDE problema. Mas você não deve se arrepender se ver este filme.

    – Marcelo, mas não é somente pela razão da produção contemplar uma impecável direção de arte que o faz ser bom. O que para mim foi válido é de ele também resgatar o melhor das produções do gênero da década de 1980.

    – Vinícius, este talvez seja um dos melhores desse retorno.

    – Pedro, você deve gostar!

    – Pedro H., dei uma comentada lá no Tudo é Crítica a respeito de sua crítica do filme.

  9. Geise Geise

    Pessoal, fiquei curiosa com o filme, queria muito assistir mas não acho. Alguém me ajuda?

  10. […] talento no resgate dos elementos que moldaram os clássicos filmes B e atingiu seu ápice em “The House of the Devil”, cuja história é ambientada em plenos anos 1980. Em “Hotel da Morte”, Ti West pode situar […]

  11. […] descortinados por uma família em ambientes fantasmagóricos. Além de nomes como Ti West (de “The House of the Devil” e “Hotel da Morte”), James Wan tem feito isso obtendo grande […]

  12. […] em clássicos do gênero dos anos 1970 e 1980. Após os sucessos de títulos como “The House of the Devil“, “Sobrenatural” e “Invocação do Mal“, Adam Wingard vem com […]

Follow

Get every new post on this blog delivered to your Inbox.

Join other followers:

%d blogueiros gostam disto: