Ilha do Medo

Ilha do Medo | Shutter IslandQue qualquer coisa que leve a assinatura de Martin Scorsese é aguardado com grande ansiedade não é novidade. No caso de “Ilha do Medo” a espera talvez fosse maior por este filme registrar o retorno do cineasta ao gênero thriller, pois sua última investida a se enquadrar neste formato foi “Cabo do Medo”, a celebrada refilmagem de “Círculo do Medo” feita em 1991. Em “Ilha do Medo” tudo deu tudo errado.

Baseado em um romance de Dennis Lehane, cujas obras “Sobre Meninos e Lobos” e “Medo da Verdade” também ganharam versão nos cinemas respectivamente por Clint Eastwood e Ben Affleck, “Ilha do Medo” apresenta Teddy Daniels (Leonardo DiCaprio), detetive que com seu parceiro Chuck Aule (Mark Ruffalo) vai a um hospital situado em uma ilha de Boston para desvendar o desaparecimento de uma paciente, Rachel (Emily Mortimer). Assim como todos, Rachel cometeu crimes e revela ter sérios transtornos psicológicos, tendo matado todos os seus filhos. Ao conduzir as investigações, Teddy suspeita que outras coisas obscuras estão ligadas a este desaparecimento na medida que aproveita para procurar um paciente em especial que acredita piamente ser o responsável por um incêndio que matou sua esposa Dolores (Michelle Williams).

Tão habilidoso em seus trabalhos com premissas que focam mafiosos, Scorsese se mostra um zero à esquerda a cada minuto de “Ilha do Medo”. Previsível, a narrativa leva praticamente duas horas para revelar seu mistério. Além dessa frustração, a maior que pode ser considerada em qualquer suspense que se preze, “Ilha do Medo” é apático, com uma atmosfera com a qual jamais encontra conexão com o público diante de sua história e seus personagens, estes encarados por atores secundários excelentes e desperdiçados. A descrição sobre o desempenho de Leonardo DiCaprio nem merece ganhar espaço, ainda mais quando divide as cenas com Mark Ruffalo, um intérprete que talvez se encaixasse muito melhor em Teddy Daniels, um personagem de lances muito complexos. O único atrativo dentro de tantos tropeços é o trabalho de Robert Richardson. Vencedor do Oscar por “O Aviador” e “JFK – A Pergunta que Não Quer Calar”, os flashbacks ganham realce com sua fotografia até mesmo quando efeitos especiais predominam.

Título Original: Shutter Island
Ano de Produção: 2010
Direção: Martin Scorsese
Elenco: Leonardo DiCaprio, Mark Ruffalo, Ben Kingsley, Max von Sydow, Michelle Williams, Emily Mortimer, Patricia Clarkson, Jackie Earle Haley, Ted Levine, John Carroll Lynch e Elias Koteas
Cotação: **

 

Sobre Alex Gonçalves
Editor do Cine Resenhas desde 2007, Alex Gonçalves é estudante de Jornalismo e viciado em música, fotografia, leitura e escrita. Mais informações na página "Sobre".

2 Comentários em Ilha do Medo

  1. Entendi que a proposta de “Ilha do Medo” não foi hora alguma se prender na “reviravolta”. E sim numa história belamente contada, em diálogos complexos, em grandes atuações, numa trilha marcante e no apuro técnico regido por Scorsese. Deixa as reviravoltas por Shyamalan. Aqui é outro nível de cinema.

  2. – Amenar, você aponta propostas onde na minha opinião o filme falha vergonhosamente. Imunizando grandes intérpretes como Ben Kingsley, Max von Sydow, Patricia Clarkson e Emily Mortimer, tudo é uma decepção. Acho que o público se exalta demais com qualquer coisa que Martin Scorsese faça. E que as ótimas reviravoltas de Shyamalan fiquem com ele mesmo, mas bem que Scorsese poderia “roubar” um pouco de sua originalidade na hora de criar tensão.

2 Trackbacks & Pingbacks

  1. Ponto Crítico – Mar/10 « Cine Resenhas
  2. Esquizofrenia – Entre o Real e o Imaginário « Cine Resenhas

Comente

Follow

Get every new post on this blog delivered to your Inbox.

Join other followers: