Resenha Crítica | Sherlock Holmes (2009)

O britânico Arthur Conan Doyle entregou ao mundo o famoso Sherlock Holmes no final do século XIX. Auxiliado pelo Dr. Watson, Holmes sempre foi notório na literatura pelas formas engenhosas nas quais desvendava mistérios para lá de complexos. Foi protagonista de muitos contos e romances e fez dezenas de aparições ao longo do século passado em filmes e produções televisivas. Meio esquecido na década passada, os produtores Joel Silver, Susan Downey, Dan Lin e Lionel Wigram estudaram a possibilidade de conferir uma roupagem acessível para a nova geração. Com o roteiro pronto, convocaram Guy Ritchie para dirigir Robert Downey Jr., marido de Susan, como protagonista. O resultado deu certo.
A dupla Holmes e Watson (Downey Jr. e Jude Law) precisam desvendar um mistério que envolve Lord Blackwood (o britânico Mark Strong, ultimamente afeito a papéis de vilão), embora Watson esteja mais preocupado com o seu matrimônio com Mary Morstan (a bela Kelly Reilly). Blackwood lida com ocultismo e muitas garotas foram mortas com as suas manipulações. Capturado já na sequência inicial de “Sherlock Holmes” e enforcado em seguida, este personagem parece ter retornado do além ainda mais imbatível. Irene Adler (Rachel McAdams), antiga paixão do detetive Holmes, está conectada neste enigma.
Responsável por fitas insuportáveis de ação frenética como o recente “Rock’n’Rolla – A Grande Roubada”, o ex-marido de Madonna faz de “Sherlock Holmes” o seu primeiro trabalho refinado. Embora o inchado orçamento de noventa milhões de dólares nem sempre confiram efeitos especiais de primeira, como é evidenciado na sequência no cais do porto que soa falsa, “Sherlock Holmes” faz jus nas categorias nas quais foi lembrada na última edição do Oscar. A direção de arte é primorosa, mostrando uma Londres sórdida pouco vista. Já o extraordinário compositor Hans Zimmer é responsável por uma trilha instrumental que enche o filme de personalidade. A produção também vale pela sua descontração, com um humor bem similar àquelas aventuras de Jack Sparrow.
Título Original: Sherlock Holmes
Ano de Produção: 2009
Direção: Guy Ritchie
Elenco: Robert Downey Jr., Jude Law, Rachel McAdams, Mark Strong, Eddie Marsan, Kelly Reilly, Robert Maillet, Geraldine James, William Houston, Hans Matheson, James Fox, William Hope, Clive Russell, Oran Gurel e David Garrick

Sherlock HolmesO britânico Arthur Conan Doyle entregou ao mundo o famoso Sherlock Holmes no final do século XIX. Auxiliado pelo Dr. Watson, Holmes sempre foi notório na literatura pelas formas engenhosas nas quais desvendava mistérios para lá de complexos. Foi protagonista de muitos contos e romances e fez dezenas de aparições ao longo do século passado em filmes e produções televisivas. Meio esquecido na década passada, os produtores Joel Silver, Susan Downey, Dan Lin e Lionel Wigram estudaram a possibilidade de conferir uma roupagem acessível para a nova geração. Com o roteiro pronto, convocaram Guy Ritchie para a direção  e Robert Downey Jr., marido de Susan, como protagonista. O resultado deu certo.

A dupla Holmes e Watson (Downey Jr. e Jude Law) precisa desvendar um mistério que envolve Lord Blackwood (o britânico Mark Strong, ultimamente afeito a papéis de vilão), embora Watson esteja mais preocupado com o seu matrimônio com Mary Morstan (a bela Kelly Reilly). Blackwood lida com ocultismo e muitas garotas foram mortas com as suas manipulações. Capturado já na sequência inicial de “Sherlock Holmes” e enforcado em seguida, este personagem parece ter retornado do além ainda mais imbatível. Irene Adler (Rachel McAdams), antiga paixão do detetive Holmes, está conectada neste enigma.

Responsável por fitas insuportáveis de ação frenética como o recente “Rock’n’Rolla – A Grande Roubada”, o ex-marido de Madonna faz de “Sherlock Holmes” o seu primeiro trabalho refinado. Embora o inchado orçamento de noventa milhões de dólares nem sempre confiram efeitos especiais de primeira, como é evidenciado na sequência no cais do porto que soa falsa, “Sherlock Holmes” faz jus nas categorias nas quais foi lembrada na última edição do Oscar. A direção de arte é primorosa, mostrando uma Londres sórdida pouco vista. Já o extraordinário compositor Hans Zimmer é responsável por uma trilha instrumental que enche o filme de personalidade. A produção também vale pela sua descontração, com um humor bem similar àquelas aventuras de Jack Sparrow.

Título Original: Sherlock Holmes
Ano de Produção: 2009
Direção: Guy Ritchie
Elenco: Robert Downey Jr., Jude Law, Rachel McAdams, Mark Strong, Eddie Marsan, Kelly Reilly, Robert Maillet, Geraldine James, William Houston, Hans Matheson, James Fox, William Hope, Clive Russell, Oran Gurel e David Garrick

Data:
Filme:
Sherlock Holmes
Avaliação:
3
Sobre Alex Gonçalves
Editor do Cine Resenhas desde 2007, Alex Gonçalves é estudante de Jornalismo e viciado em música, fotografia, leitura e escrita. Mais informações na página "Sobre".

4 Comentários em Resenha Crítica | Sherlock Holmes (2009)

  1. Este filme, para mim, foi um ótimo entretenimento. O Guy Ritchie finalmente acertou numa história que tem carisma, uma excelente técnica e duas grandes performances de Robert Downey Jr. e Jude Law, que formaram uma boa dupla.

  2. * Kamila. Também achei um entretenimento competente, assim como considero o primeiro bom filme conduzido por Guy Ritchie. Gostei muito das performances discretas de Eddie Marsan e Kelly Reilly e estou ansioso com a sequência, que contará com a minha nova musa Noomi Rapace.

1 Trackbacks & Pingbacks

  1. Sherlock Holmes – O Jogo de Sombras | Cine Resenhas

Comente

Follow

Get every new post on this blog delivered to your Inbox.

Join other followers: