Confiar

Não faltam casos exibidos em noticiários de menores abusados sexualmente por pedófilos. Esta triste realidade mostra não apenas familiares, vizinhos ou membros religiosos como principais responsáveis como também condena a Internet como melhor ferramenta para estes desprezíveis predadores sexuais agirem. A produção independente “Confiar” encena esta tragédia que destrói psicologicamente muitos inocentes e a faz com contundência e sem amenizar para o espectador as severas consequências. Definitivamente, é uma obra dura de acompanhar.

Annie (Liana Liberato, em interpretação arrebatadora) é filha com catorze anos de uma típica família americana que a todo o momento está online conversando com Graham (Chris Henry Coffey) , com quem fez amizade numa sala de bate-papo. Annie estabelece uma comunicação onde a confiança é sempre primordial, expondo pensamentos que jamais compartilhou com seus pais (Clive Owen e Catherine Keener). Talvez por isso Graham não demora para lhe confessar que é mais velho. Um encontro é marcado e Annie se depara com alguém que jamais imaginaria ser, um sujeito que facilmente tem o triplo de sua idade. O pior acontece, mas Annie não se comporta como vítima, claramente convencida do amor que Graham manipulou ao longo de inúmeras mensagens de texto.

É uma situação indiscutivelmente polêmica e que, surpreendentemente, é realizada através da mão firme de David Schwimmer. Com uma expressão abobalhada com a qual jamais foi capaz de se desvincular com o término do seriado “Friends” (embora tenha dado uma pequena amostra de seu potencial dramático como o marido de Kate Backinsale em “Faces da Verdade”), David Schwimmer parecia repetir os passos mal-sucedidos de intérprete também por trás das câmeras, ao julgar tanto pelos filmes televisivos que conduziu quanto pela comédia “Maratona do Amor”. Em “Confiar”, David Schwimmer se mostra outro realizador.

“Confiar” é uma obra cinematográfica digna, seja pelos desempenhos, seja pelos desdobramentos da narrativa. Porém, é no seu tom de denúncia que realmente consegue se sobressair. Mesmo que denote o contrário, é um filme que deve ser assistido por pais e filhos para conscientizá-los dos riscos que estão expostos. Não há espaço para final feliz e a cena nos créditos finais tem a intensidade de um soco no estômago: em “Confiar”, não existe dúvidas sobre o caráter desses predadores.

Título Original: Trust
Ano de Produção: 2010
Direção: David Schwimmer
Roteiro: Andy Bellin e Robert Festinger
Elenco: Liana Liberato, Clive Owen, Catherine Keener, Jason Clarke, Viola Davis, Chris Henry Coffey, Spencer Curnutt, Aislinn DeButch, Noah Emmerich, Olivia Wickline, Zoe Levin, Zanny Laird, Yolanda Mendoza, Shenell Randall, Ruth Crawford, Marty Bufalini e Tristan Peach
Cotação: 4 Stars

7 comments on “Confiar
  1. Olha só o David Schwimmer! Acho que, cada vez mais, ele se firma como diretor, né??? Ainda não assisti a este filme, mas fiquei muito curiosa por ele por causa do seu texto.

    • Kamila, acho que o David Schwimmer está naquela momento onde os papéis minguaram. Espero que os comentários positivos que esta sua obra anda recebendo sejam suficientes para ele se entusiasmar em dirigir outros projetos com a mesma qualidade.

  2. Acho “Maratona do Amor” um filme bobão com bons momentos, mas por causa do Simon Pegg. Bom saber que Schwimmer deixou essa impressão de seu filme anterior de lado e ficou mais sério e seu texto comprova isso. Fiquei curiosa pelo filme agora. ;)

    • Mayara, o filme será exibido em nossos cinemas no final do mês de agosto. Assista! Bem, isso se a Imagem Filmes não resolver adiá-lo, como anda acontecendo constantemente…

  3. Pingback: Retrospectiva 2011 « Cine Resenhas

  4. Pingback: A Caça | Cine Resenhas

Comente

%d bloggers like this: