Resenha Crítica | Não Me Abandone Jamais (2010)

Baseada no romance de Kazuo Ishiguro, a história de “Não Me Abandone Jamais” revela uma importante informação ainda em seu primeiro ato. Infelizmente, grande parte da crítica especializada, ignorando o impacto que ela oferece, tem se encarregado de antecipar o delicado momento protagonizado por Sally Hawkins onde isto acontece, o que será crucial para os personagens centrais, Kathy (Carey Mulligan, de “Educação“), Ruth (Keira Knightley) e Tommy (Andrew Garfield, de “A Rede Social“).

Ainda na infância, estes três órfãos que habitam uma instituição inglesa criam uma forte amizade que se converterá anos depois em triângulo amoroso. Dirigida com mão de ferro por Miss Emily (Charlotte Rampling), nenhuma criança tem autorização para ultrapassar os limites do local. Atingindo a maioridade, Kathy, Ruth e Tommy passam a ganhar maior liberdade. O que intriga é eles parecem presos a um destino já traçado por terceiros, encarando-o com passividade.

Em seu terceiro filme, o americano Mark Romanek é afeito ao universo dos clipes musicais e demonstra grande domínio na condução de longas independentes. Em “Não Me Abandone Jamais”, aproveita-se da contribuição da linda música da compositora Rachel Portman (vencedora do Oscar por “Emma”) e da fotografia de Adam Kimmel para criar um drama que pincela as maravilhas da existência do ser humano. Para isto, jamais recorre à artimanhas baratas que buscam maravilhar o espectador. Confere à “Não Me Abandone Jamais” uma atmosfera opressiva, sem espaço para a harmonia. Uma escolha de tom para se seguir até o final que resulta num dos filmes mais excepcionais do ano.

Título Original: Never Let Me Go
Ano de Produção: 2010
Direção: Mark Romanek
Roteiro: Alex Garland, baseado no romance de Kazuo Ishiguro
Elenco: Carey Mulligan, Andrew Garfield, Keira Knightley, Izzy Meikle-Small, Charlie Rowe, Ella Purnell, Charlotte Rampling, Kate Bowes Renna, Hannah Sharp, Christina Carrafiell, Oliver Parsons, Luke Bryant, Fidelis Morgan, David Sterne, Andrea Riseborough, Domhnall Gleeson, Lydia Wilson, Chidi Chickwe, Monica Dolan e Sally Hawkins

Sobre Alex Gonçalves
Editor do Cine Resenhas desde 2007, Alex Gonçalves é estudante de Jornalismo e viciado em música, fotografia, leitura e escrita. Mais informações na página "Sobre".

1 Comentário em Resenha Crítica | Não Me Abandone Jamais (2010)

  1. Assisti a esse filme, bastante denso, por sinal. Ele está classificado como “Drama”, que não deixa de realmente ser. Mas gostaria de saber se esta é realmente uma história verídica, ou obra de ficção do Romancista Kazuo Ishiguro.
    Se algum apixonado por cinema tiver essa informação gostaria que a partilhasse comigo.
    A muito tempo um filme não me toca como esse. Ainda estou tentando digerí-lo.
    Obrigada.

4 Trackbacks & Pingbacks

  1. Os Dez Melhores Filmes de 2011 – 1º Semestre « Cine Resenhas
  2. Retrospectiva 2011 « Cine Resenhas
  3. Melhores de 2011 – Indicados « Cine Resenhas – 5 Anos
  4. Melhores de 2011: Trilha-Sonora « Cine Resenhas

Comente

Follow

Get every new post on this blog delivered to your Inbox.

Join other followers: