A Morte e a Vida de Charlie

O espiritismo está em voga no cinema e não apenas no nacional, como demonstra o recente lançamento da produção americana “A Morte e a Vida de Charlie”. Os direitos do romance de Ben Sherwood foram adquiridos em 2004, ganhando forma apenas agora. Os investidores provavelmente apostaram que a adaptação cinematográfica faria grande sucesso entre o público jovem, porém a fraca bilheteria apenas condena “A Morte e a Vida de Charlie” pelo que é: uma péssima produção que está mais preocupada em promover Zac Efron como ator dramático, descartando qualquer possibilidade inédita de dar luz ao seu tema espiritual.

Assim que encerrou definitivamente sua participação na franquia “High School Musical”, Zac Efron trabalhou com Burr Steers em “17 Outra Vez“, descompromissada comédia onde o astro juvenil segurou muito bem a onda como protagonista. Em “A Morte e a Vida de Charlie”, Zac Efron retoma a parceria com o cineasta e sai de sua zona de conforto ao viver o personagem título, arrasado pela morte do irmão mais novo, Sam (Charlie Tahan). Talentoso e com um futuro promissor pela frente, Charlie não apenas abandona tudo e a todos, como se torna o zelador do cemitério onde Sam está enterrado. O roteiro até então trivial ganha contornos diferentes ao mostrar Charlie se comunicando com o espírito de Sam.

“A Morte e a Vida de Charlie” daria certo se não tivesse dois elementos que quando problemáticos detonam uma produção como um todo: elenco e narrativa. Zac Efron não consegue transformar Charlie em um figura minimamente real e é triste assistir veteranos como Ray Liotta e Kim Basinger fazendo participações que, cronometradas, não duram cinco minutos. Já a narrativa não rende qualquer relevância sobre as dificuldades que temos em seguir em frente quando uma tragédia abate uma pessoa querida e a possibilidade de uma alma não descansar em paz com o fim de sua existência no mundo material. E tem gente que ainda reclama de “Além da Vida“.

Título Original: Charlie St. Cloud
Ano de Produção: 2010
Direção: Burr Steers
Roteiro: Craig Pearce e Lewis Colick, baseado no romance “Morte e Vida de Charlie St. Cloud”, de Ben Sherwood
Elenco: Zac Efron, Charlie Tahan, Amanda Crew, Augustus Prew, Donal Logue, Dave Franco, Matt Ward, Miles Chalmers, Jesse Wheeler, Desiree Zurowski, Adrian Hough, Jill Teed, Tegan Moss, Julia Maxwell, Ray Liotta e Kim Basinger
Cotação:

Sobre Alex Gonçalves
Editor do Cine Resenhas desde 2007, Alex Gonçalves é estudante de Jornalismo e viciado em música, fotografia, leitura e escrita. Mais informações na página "Sobre".

1 Trackbacks & Pingbacks

  1. 10 Piores Filmes de 2011 « Cine Resenhas – 5 Anos

Comente

Follow

Get every new post on this blog delivered to your Inbox.

Join other followers: