Skip to content

Resenha Crítica | Alexandria (2009)

Pagã, Hipátia dedicou-se na maior parte de sua existência em repassar os vastos conhecimentos em astronomia, matemática e filosofia para seus fiéis aprendizes. Filha de Téon, também estudioso, Hipátia teve um final trágico com a ascensão do Cristianismo, o que resultou também na destruição da Biblioteca de Alexandria por um período dirigida por ela. Este e outros episódios são encenados em “Alexandria”, a mais ousada produção em toda a carreira do espanhol Alejandro Amenábar. Há, entretanto, diversas liberdades na narrativa escrita também por Alejandro Amenábar e Mateo Gil que não seguem à risca os inúmeros dados daquele período.

Falado em inglês e com história que abre em 391 D.C., “Alexandria” tem ao menos três perspectivas de interesse. O primeiro, obviamente, é Hipátia (Rachel Weisz), que ministra aulas na Biblioteca de Alexandria ao mesmo tempo que estuda incessantemente sobre o fato não comprovado de que a Terra circulava em torno do Sol. O segundo e terceiro são representados por dois alunos de Hipátia. Davus (Max Minghella) é um jovem que passa a ignorar as teorias de Hipátia quando o Cristianismo se fortalece. Já Orestes (Oscar Isaac) torna-se prefeito de Alexandria e encontra dificuldades em tomar um lado quando o embate entre cristãos e pagãos acontece.

Mais impressionante do que as sangrentas batalhas entre cristãos e e a comunidade judaica ou o trágico desfecho que aguarda Hipátia (romantizado demais por Amenábar, é verdade), há uma antológica sequência que dita o tom de “Alexandria”: a já apontada queda da Biblioteca de Alexandria, com o domínio dos cristãos sendo registrado num ângulo de 360º. Ela não apenas radicaliza os rumos dos três personagens como expõe o Cristianismo como o agente principal a eliminar livros preciosos concentrados em rolos de pergaminho.

A ousadia de Alejandro Amenábar em escancarar esta história com muitas liberdades autorais custou caro, com “Alexandria” sendo banido em diversos cinemas. Acontecimento que talvez justifique o seu lançamento quase secreto em DVD no Brasil no início do ano passado. Não se trata de uma atitude imparcial diante dos fatos. Amenábar ser ou não um ateu definitivamente não importa. O que valida “Alexandria” além do seu preciosismo técnico e as polêmicas causadas pela imprensa é o quão sufocante é a situação de Hipátia, que pagou por acreditar no seu direito de questionar o que o Cristianismo não lhe permitia e o quão assustador pode ser para nós refletirmos que, afinal de contas, não estamos tão distantes assim deste período histórico narrado por Amenábar.

Título Original: Agora
Ano de Produção: 2009
Direção: Alejandro Amenábar
Roteiro: Alejandro Amenábar e Mateo Gil
Elenco: Rachel Weisz, Max Minghella, Oscar Isaac, Ashraf Barhom, Michael Lonsdale, Rupert Evans, Homayoun Ershadi, Sami Samir, Richard Durden, Omar Mostafa, Manuel Cauchi, Oshri Cohen, Oshri Cohen, Charles Thake, Harry Borg e Yousef Sweid
Cotação: 4 Stars

One Comment

  1. […] marca o retorno de Cameron Crowe | “Micmacs – Um Plano Complicado“, “Alexandria“, “Reino Animal“, “Esquizofrenia – Entre o Real e o […]

Follow

Get every new post on this blog delivered to your Inbox.

Join other followers:

%d blogueiros gostam disto: