Skip to content

Resenha Crítica | A Separação (2011)

No início de “A Separação” temos uma longa sequência sem corte que foca apenas o casal formado por Nader (Peyman Moaadi) e Simin (Leila Hatami). Diante de um juiz, cada um apresenta seu argumento para dar início ao processo de divórcio. Simin quer a separação porque deseja mudar de pais com a filha, Termeh (Sarina Farhadi). Já Simin até então se mostrou contrário a decisão da mulher, defendendo que precisa permanecer no Irã para cuidar do pai (Ali-Asghar Shahbazi), que sofre de Alzheimer. O espectador, claro, é posicionado como juiz da situação, o único capaz de julgar Nader e Simin. Mais do que isto, é a cena que define todo o tom do filme.

Apesar das aparências, este novo filme escrito e dirigido por Asghar Farhadi não se limita em acompanhar o casal desfeito, mas sim as consequências que surgem com isto. Como Simin passa a viver em outro apartamento, Nader precisa contratar alguém que possa cuidar de seu pai inválido enquanto ele trabalha e Termeh estuda. Ele então solicita os serviços de Razieh (Sareh Bayat). Mesmo morando longe e recebendo pouco para um trabalho com o qual é inexperiente, Razieh aceita a tarefa. Religiosa, Razieh acredita estar cometendo um pecado trabalhando diretamente para um homem como Nader sem a presença de sua mulher, fazendo-o sem dizer nada ao marido Hodjat (Shahab Hosseini) com o propósito de ajudá-lo financeiramente. Avançar o enredo estragaria todas as surpresas que ele reserva, sendo suficiente apenas antecipar que estes personagens centrais estarão novamente diante da Justiça, mas agora por outros motivos.

Tendo dirigido há três anos o ótimo “Procurando Elly“, Asghar Farhadi novamente é capaz com “A Separação” de trazer à tona os anseios que permeiam todos os cidadãos de sua terra natal ao mesmo tempo em que põe em pauta discussões que qualquer espectador, independente de sua cultura, possa se identificar. Isto se reflete na recepção conferida para “A Separação”, que tem conquistado dezenas de prêmios por onde é exibido. Embora seus personagens recorram a omissões ao ponto de forçar a narrativa a recorrer a diversas reviravoltas, Asghar Farhadi torna-os indivíduos críveis ao ponto de nos impossibilitar de defender um único lado quando todos eles oferecem pós e contras na mesma proporção.

Título Original: Jodaeiye Nader az Simin
Ano de Produção: 2011
Direção: Asghar Farhadi
Roteiro: Asghar Farhadi
Elenco: Peyman Moadi, Leila Hatami, Sareh Bayat, Shahab Hosseini, Sarina Farhadi, Merila Zare’i, Ali-Asghar Shahbazi, Babak Karimi, Kimia Hosseini, Shirin Yazdanbakhsh e Sahabanu Zolghadr
Cotação: 3 Stars

21 Comments

  1. Mais uma vez digo que estou pra ver esse filme hoje.

    E dessa vez é sério! Estou com as expectativas lá em cima!

  2. Adorei “A Separação”. Um filme muito bem amarrado e que, ao longo de duas horas, nunca deixa de ser interessante. Uma grata surpresa!

    • Não gosto muito de todo aquele excesso de omissões, mas é um filme que atinge um resultado muito positivo.

  3. Quero muito ver esse filme. Parece extremamente universal.

  4. Eu gosto bastante do filme anterior do Farhadi, Procurando de Eli, cheguei a incluí-lo entre os 10 mais de 2009. Por isso tenho boas expectativas para esse aqui, além de todo o buzz em cima dele.

  5. Eu não cheguei a assistir o filme anterior do diretor, mas fiquei completamente envolvida por “A Separação”. Aliás, tá todo mundo falando do filme, inclusive eu! rs.

    Abraço!

    • Flá, pois assista “Procurando Elly” assim que tiver a oportunidade. Abraço!

  6. […] Indicadas: Bérénice Bejo (O Artista) | Janet McTeer (Albert Nobbs) | Jessica Chastain (Histórias Cruzadas) | Melissa McCarthy (Missão Madrinha de Casamento) | Octavia Spencer (Histórias Cruzadas) Quem vai vencer: Octavia Spencer Quem deveria vencer: Bérénice Bejo ou Janet McTeer Ficou faltando: Sareh Bayat (“A Separação“) […]

  7. Marcelo Coldfer Marcelo Coldfer

    Um dos 10 melhores filmes do ano passado!

    • Marcelo, não vou pelos gringos: considero “A Separação” um dos dez melhores desse primeiro semestre.

  8. […] [88%] O Artista, de Michel Hazanavicius 02. [85%] A Separação, de Asghar Farhadi 03. [85%] Mistérios de Lisboa, de Raoul Ruiz 04. [84%] Holy Motors, de Leos […]

Follow

Get every new post on this blog delivered to your Inbox.

Join other followers:

%d blogueiros gostam disto: