Resenha Crítica | Caminho da Liberdade (2010)

Seis vezes indicado ao Oscar, o australiano Peter Weir se mostrou mais do que nunca um realizador de filmes contemplativos nos últimos anos de sua carreira. Algo perceptível com apenas duas obras: “Mestre dos Mares – O Lado Mais Distante do Mundo” e agora “Caminho da Liberdade”. Em ambos, Peter Weir tenta com sua câmera se aproximar na imensidão dos ambientes que se passam os conflitos entre seus personagens.

Em relação a “Caminho da Liberdade”, temos um grupo de refugiados de um gulag, um campo que continha de presos políticos a criminosos. Como é natural neste tipo de situação, há algum integrante que se apresentará como líder. Trata-se de Janusz (Jim Sturgess), jovem apontado como espião pela própria esposa enquanto esta é torturada no regime soviético – a história se passa no início da década de 1940 durante o conflito entre a Polônia e a União Soviética. Janusz, o bandido Valka (Colin Farrell), o padre Voss (Gustaf Skarsgård), o polonês que sofre de cegueira noturna Kazik (Sebastian Urzendowsky), o artista Tomasz (Alexandru Potocean), o americano Smith (Ed Harris), o contabilista Zoran (Dragos Bucur) e posteriormente a pequena Irena (Saoirse Ronan) são aqueles que vão encarar os maiores sacrifícios físicos e psicológicos para chegarem à Índia, o que renderá um trajeto de nada menos que sete mil quilômetros a pé.

Sendo a maior parte do elenco formado por intérpretes americanos ou britânicos, prepare-se para se deparar com desempenhos onde há sotaque carregado. Relevando este problema, sempre constante em uma produção americana, “Caminho da Liberdade” cumpre bem o papel de adaptar o romance de Slavomir Rawicz, baseado em uma história surpreendentemente real. Experiente, Peter Weir conseguiu reproduzir muito bem a vulnerabilidade do ser humano em meio a paisagens para ficar na memória, mas sempre expostas a temperaturas extremas e a qualquer outro tipo de eventos inesperados.

Título Original: The Way Back
Ano de Produção: 2010
Direção: Peter Weir
Roteiro: Keith R. Clarke e Peter Weir, baseado no romance “The Long Walk: The True Story of a Trek to Freedom”, de Slavomir Rawicz
Elenco: Jim Sturgess, Ed Harris, Saoirse Ronan, Colin Farrell, Mark Strong, Gustaf Skarsgård, Alexandru Potocean, Sebastian Urzendowsky, Dragos Bucur, Zahary Baharov, Irinei Konstantinov, Meglena Karalambova e Sally Edwards

  1. Pingback: Melhores de 2011 – Indicados « Cine Resenhas – 5 Anos

  2. Em suma, uma produção competente, profissionalmente realizada por um veterano que é capaz de criar coisas mais memoráveis.

    Fico puto com o fato da distribuidora nacional ter podado a tela no lançamento em DVD.