A Toda Prova

Antes de voltar atrás com a sua confirmação de aposentadoria precoce, Steven Soderbergh anunciou ao menos meia dúzia de projetos que seriam filmados antes de abandonar a carreira de diretor de cinema. Dois deles se destacavam: “Confissões de Uma Garota de Programa” e “A Toda Prova”. A razão? Em ambos ele daria o papel de protagonista para duas mulheres inexperientes como atriz. Em “Confissões de Uma Garota de Programa” a escolhida foi Sasha Grey, jovem estrela do cinema pornô. Em “A Toda Prova” é a lutadora de MMA Gina Carano que está à frente do elenco de peso. A escalação arriscada poderia comprometer, mas é o que garante autenticidade a “A Toda Prova”.

Gina Carano vive Mallory Kane, uma agente que realiza trabalhos extremamente secretos para Kenneth (Ewan McGregor), chefe de uma organização governamental. Em uma missão recente, Mallory libertou o jornalista chinês Jiang (Anthony Brandon Wong), sequestrado em Barcelona. Ao descobrir o cadáver de Jiang em nova missão em Dublin com o agente britânico Paul (Michael Fassbender), Mallory se depara com uma armadilha preparada para ela. Mais do que escapar viva, Mallory pretende conhecer as motivações por trás dessa emboscada e se vingar de todos os envolvidos.

Dono de uma filmografia preenchida por obras frustrantes, Steven Soderbergh não apenas assina a direção, mas usa pseudônimos ao se responsabilizar também pela direção de fotografia e montagem de “A Toda Prova”. A diferença aqui é que os problemas não devem ser associados apenas a Soderbergh. Pelo contrário, pois “A Toda Prova” tem uma montagem que alterna passado e presente com dinamismo e locações perfeitamente fotografadas. Já as sequências de ação é outro espetáculo à parte, todas de um realismo empolgante e que oferecem à Gina Carano a grande oportunidade de mostrar serviço naquilo em que é melhor. O que faz de “A Toda Prova” um entretenimento apenas razoável é o roteiro pouco inspirado de Lem Dobbs, um mero detalhe diante da técnica apurada apresentada por Soderbergh. Quanto mais o filme avança, menor é o interesse em desvendar a espiral que envolve Mallory.

Título Original: Haywire
Ano de Produção: 2011
Direção: Steven Soderbergh
Roteiro: Lem Dobbs
Elenco: Gina Carano, Ewan McGregor, Michael Douglas, Antonio Banderas, Michael Angarano, Channing Tatum, Michael Fassbender, Julian Alcaraz, Eddie J. Fernandez, Aaron Cohen, Anthony Brandon Wong, Maximino Arciniega, Mathieu Kassovitz e Bill Paxton
Cotação: 2 Stars

Sobre Alex Gonçalves
Editor do Cine Resenhas desde 2007, Alex Gonçalves é estudante de Jornalismo e viciado em música, fotografia, leitura e escrita. Mais informações na página "Sobre".

8 Comentários em A Toda Prova

  1. Pois é. Para quem está prestes a se aposentar, até que o Soderbergh anda trabalhando demais. Mas, a verdade é que ele não é mais aquele diretor que um dia foi. Acho que “Contágio” é a última obra relevante dele em um BOM tempo… Perdi a chance de ver “A Toda Prova” no cinema e não me arrependo disso.

    • Kamila, fiquei triste ao saber que ele cancelou seus planos de se aposentar, uma vez que não gosto de seu trabalho. Em contrapartida, “A Toda Prova” é um filme melhor do que, por exemplo, “Treze Homens e Um Novo Segredo” e “Confissões de Uma Garota de Programa”.

  2. Também acho que a presença da Carano traz muita veracidade a esse projeto, muito diferente da Sasha Grey naquele filme péssimo do Soderbergh (apesar do “gabarito” que a moça tinha, nada no filme exigia uma presença assim). Mas aqui, a Carano dá dimensão a essa personagem, dá pra acreditar em toda a porrada que ela dá nos homens. Também acho que roteiro aqui não é o forte do filme, mas como produto de ação consegue ser bastante estiloso, além de conter ótimas cenas de ação. Me diverti bastane. A cena final é uma delícia.

    • Rafael, “Confissões de Uma Garota de Programa” é mesmo um filme péssimo, mas acredito que Sasha Grey tem forte presença em cena. Mas é inegável que da Gina Carano ele consegue extrair muito mais potencial. A cena final realmente é divertida, com aquela reação de medo do Antonio Banderas. Mas não sei. A existência de um roteiro fraco é muito forte, não consegui embarcar muito bem no filme.

  3. Devo concordar. O filme é bem editado, tem lutas legais, mas francamente, what’s the point of it all? Soderbergh parece ter feito o filme sem um pingo de paixão, de envolvimento. Teria dado duas estrelas se tivesse ficado entediado assistindo, mas Soderbergh é tão capaz de coisas melhores…

    • Gustavo, não posso dizer que o Steven Soderbergh é tão capaz assim. Para ser franco, o único filme em que ele teve algo para dizer manifestando alguma eficácia foi “Erin Brokovich”. “O Desinformante!” e “Contágio” ele também teve algum sucesso, mas moderado. No mais, “A Toda Prova” é mesmo um filme que não tem muito para oferecer.

Comente

Follow

Get every new post on this blog delivered to your Inbox.

Join other followers: