Skip to content

Resenha Crítica | À Beira do Abismo (2012)

Qualquer enredo que traga um protagonista que passará todo o tempo provando a inocência por um crime que não cometeu atiçará a curiosidade de muitos espectadores. Se este enredo se enquadrar no gênero suspense e inserir este personagem numa situação de grande desespero as chances de nos envolver até o último acontecimento são muito grandes. “À Beira do Abismo” consegue atingir esses feitos, mas tem o resultado final comprometido por uma série de erros.

Em evidência após “Avatar”, Sam Worthington incorpora Nick Cassidy com suas evidentes limitações dramáticas. Trata-se de um ex-policial preso pela acusação do roubo de um diamante no valor de 40 milhões de dólares que pertence a David Englander (Ed Harris), um homem de negócios inescrupuloso. A morte do pai lhe faz receber um indulto, uma excelente oportunidade de fuga. Uma vez fora da prisão, Nick põe em prática seu plano mirabolante: armar o seu suicídio, mas sem antes provar sua inocência, no parapeito de um dos últimos andares do hotel Roosevelt, em Nova York.

Há algumas pessoas que se tornam cúmplices deste plano assim que Nick exige a presença de Lydia Mercer (Elizabeth Banks, sempre excelente), especialista em negociar com suicidas e que tenta se recompor emocionalmente ao fracassar em um caso recente. O irmão de Nick, Joey (Jamie Bell), é quem correrá contra o tempo para encontrar no cofre de David o tal diamante, comprovando assim a farsa que se estabeleceu como verdadeira. Angie (Genesis Rodriguez) namorada de Joey, dará uma força e Mike Ackerman (Anthony Mackie), ex-parceiro de Nick, surge no cenário e mostra que pode não ser tão inocente quando imaginávamos no início da história.

É uma pena que o roteirista Pablo F. Fenjves não tenha percebido todo o potencial de Lydia e criado uma história em que ela seria todo o destaque, pois trata-se da única personagem que concebeu com alguma competência. Lydia é quem nos faz ficar realmente grudados na tela, sendo uma mulher sempre em conflito com si mesma ao deixar que suas emoções interfiram mais do que gostaria na complicada tarefa de salvar vidas. Quando a ação não a acompanha, “À Beira do Abismo” decai para um suspense genérico que comete o pecado de jamais transmitir uma sensação de acrofobia, contando também com momentos de humor que não funcionam (todos protagonizados por Jamie Bell e Genesis Rodriguez) e com personagens secundários ou bobocas (como o incompetente e arrogante Jack Dougherty, interpretado por Edward Burns), ou que apenas somam números na multidão que assiste Nick, a exemplo da jornalista feita por uma totalmente mal aproveitada Kyra Sedgwick.

Título Original: Man on a Ledge
Ano de Produção: 2012
Direção: Asger Leth
Roteiro: Pablo F. Fenjves
Elenco: Sam Worthington, Elizabeth Banks, Jamie Bell, Genesis Rodriguez, Ed Harris, Edward Burns, Anthony Mackie, Patrick Collins, Afton Williamson, Titus Welliver, John Dossett, Felix Solis, Terry Serpico, Geoffrey Cantor e Kyra Sedgwick
Cotação: 2 Stars

2 Comments

  1. O Sam Worthington funciona bem em filmes de ação e, apesar de prender bastante a atenção da plateia, “À Beira do Abismo” tem um grande problema: a trama tem MUITOS, mas MUITOS furos…

    • Kamila, o Sam Worthington só funcionou pra mim no “Avatar”, naquele “O Exterminador do Futuro” e naquele filme de crocodilo australiano, o “Rogue”. Tá precisando variar bastante. E bota furos nessa trama, viu?

Follow

Get every new post on this blog delivered to your Inbox.

Join other followers:

%d blogueiros gostam disto: