Resenha Crítica | 38 Testemunhas (2012)

36ª Mostra Internacional de Cinema em São Paulo

Em 1964, a jovem nova-iorquina Catherine Genovese foi brutalmente assassinada próxima ao apartamento que habitava no bairro de Queens. Encontrada sem vida com inúmeras facadas em seu corpo, Kitty, como era conhecida, agonizou diante de trinta e oito testemunhas, que nada fizeram para intervir no assassinato cometido por Winston Moseley, sujeito que confessou outros dois crimes para a polícia. O episódio deu origem a Síndrome Genovese, termo que é usado quando um indivíduo se comporta apenas como espectador passivo diante de um crime.

Tudo isto inspirou um romance escrito por Didier Decoin, que agora serve como base para “38 Testemunhas”, novo filme de Lucas Belvaux. Sem condições para reservar espaço para trinta e oito personagens, o diretor e roteirista francês visualiza em Pierre (Yvan Attal) e Louise Morvand (Sophie Quinton), marido e mulher, os protagonistas ideais para a história. Louise acaba de retornar de uma viagem e se depara com a notícia de que uma mulher foi assassinada ao redor do edifício que mora. Pierre, que trabalha na marinha mercante, diz que não estava no apartamento quando o crime aconteceu, mas aos poucos seu estranho comportamento levanta suspeitas de que ele pode ser uma testemunha, algo confirmado com a intervenção de Sylvie Loriot (Nicole Garcia), uma inescrupulosa jornalista investigativa.

Além do peso na consciência por não ter feito qualquer coisa diante de uma barbaridade, Pierre se torna um bode expiatório ao descobrir que ele não foi o único vizinho que ficou imóvel na segurança do seu apartamento, mas que nada menos do que outras trinta e sete pessoas testemunharam o assassinato, que foi executado durante longos minutos.

Surpreende que uma história poderosa como esta tenha resultado um filme tão razoável como “38 Testemunhas”. A decepção é ainda maior ao saber que Lucas Belvaux é o mesmo realizador de “O Sequestro de Um Herói”, um thriller fantástico também protagonizado por Yvan Attal que apresenta uma conclusão que fica eternamente gravada na memória do espectador. Conduzindo a história em banho-maria, Lucas Belvaux não consegue fazer uma crítica a uma sociedade que a cada dia encara com apatia tudo o que acontece ao seu redor e que apenas preserva o seu próprio bem-estar.

Outra bola fora é expor uma crise conjugal entre o casal central ao mesmo tempo em que são analisadas as consequências do crime, limitando ainda mais a denúncia emitida pela produção – diante desta escolha narrativa, não há como não criticar o trabalho da atriz Sophie Quinton, de uma insipidez revoltante. “38 Testemunhas” pode até acertar em cheio ao mostrar a importância do papel de um jornalista em casos como este e também na reconstituição do crime cometido. Pena que não seja suficiente se analisarmos até onde esta encenação poderia chegar.

Título Original: 38 témoins
Ano de Produção: 2012
Direção: Lucas Belvaux
Roteiro: Lucas Belvaux, baseado no romance de Didier Decoin
Elenco: Yvan Attal, Sophie Quinton, Nicole Garcia, François Feroleto, Natacha Régnier, Patrick Descamps, Didier Sandre, Bernard Mazzinghi, Laurent Fernandez, Pierre Rochefort, Philippe Résimont, Rose Folloppe e Audrey Lecoq

Data:
Filme:
38 Testemunhas
Avaliação:
21star1stargraygraygray
Sobre Alex Gonçalves
Editor do Cine Resenhas desde 2007, Alex Gonçalves é estudante de Jornalismo e viciado em música, fotografia, leitura e escrita. Mais informações na página "Sobre".

2 Comentários em Resenha Crítica | 38 Testemunhas (2012)

Comente

Follow

Get every new post on this blog delivered to your Inbox.

Join other followers: