Skip to content

Resenha Crítica | A Saga Crepúsculo – Amanhecer – Parte II, o Final (2012)

A Saga Crepúsculo - Amanhecer – Parte II, o Final | The Twilight Saga: Breaking Dawn - Part 2Não há dúvidas que Stephenie Meyer foi certeira ao introduzir mudanças radicais em toda a mitologia vampírica, criando uma história de amor adolescente ambientada em um universo dividido entre o realismo e o fantástico. Porém, aqueles que chegaram em “Amanhecer”, capítulo derradeiro de “A Saga Crepúsculo”, não precisarão refletir por muito tempo sobre as bizarrices que habitam a criação da escritora. O romance tem um previsível final feliz, mas as surpresas estão no fato de um vampiro com mais de cem anos se apaixonar por uma menor de idade. Ok, podemos dizer que a mentalidade de Edward estagnou ao ser transformado em vampiro ainda na juventude, mas o que dizer de Jacob, lobisomem que tem um imprinting por uma vampira-humana recém-nascida?

Tantas inconsistências (sem esquecer de acrescentar o fenômeno que faz vampiros brilharem ao serem expostos à luz solar, bem como o dom que cada um adquire, como ler mentes, antecipar o futuro ou manipular os elementos) entregam: é preciso aceitá-las se a intenção é acompanhar cada um dos volumes que compõem “A Saga Crepúsculo”. Se você chegou a “Amanhecer – Parte II, o Final”, provavelmente aceitou este desafio.

A história reservada para a conclusão é uma sequência direta dos eventos de “Amanhecer – Parte I”, facilmente o pior entre todos os capítulos da adaptação cinematográfica (como é sabido, o livro “Amanhecer” foi dividido em duas partes ao ser transportado para a telona). Bella (Kristen Stewart) agora é uma vampira e transita livre, leve e solta na gélida Forks para desvendar os benefícios de sua nova condição. O problema é que antes de se transformar em uma criatura que tem sede de sangue (descrição descuidada, pois as criaturas de Stephenie Meyer conseguem controlar seus impulsos ferozes sem muita dificuldade), Bella concebeu Renesmee na lua de mel com Edward. Meio vampira, meio humana, Renesmee representa não apenas um desequilíbrio entre os vampiros, como uma ameaça. Uma vez que Aro, líder dos Volturi, é informado sobre a existência de Renesmee, dá-se início a uma guerra para protegê-la.

A divisão de “Amanhecer” em duas partes comprometeu o trabalho do experiente cineasta Bill Condon, notório pelo Oscar recebido pelo texto de “Deuses e Monstros”. No entanto, se em “Amanhecer – Parte I” havia excesso de gordura ao ponto de tornar todo este universo de “A Saga Crepúsculo” mais patético do que já demonstrara nos filmes precedentes, em “Amanhecer – Parte II, o Final” Condon encontra uma oportunidade para se sobressair. Aqui, o casal principal está menos insosso e há um espaço mais amplo para alguns personagens secundários (Lee Pace como Garrett e Casey LaBow como Kate estão muito bem). Porém, é na preparação do aguardado confronto entre os Volturi e o pequeno “exército” liderado pelos Cullen que “Amanhecer – Parte II, o Final” atinge o potencial que a cinessérie jamais alcançou.

Assim que os Volturi finalmente vão ao encontro de Bella, Edward, Jacob e companhia, Bill Condon, outrora um realizador de fitas B de horror, preenche o filme com uma tensão que atingirá até o espectador mais desinteressado. Quando a luta finalmente inicia, a tela é tomada por uma brutalidade surpreendente, fazendo até mesmo os responsáveis por “Harry Potter”, até pouco tempo atrás o principal concorrente de “A Saga Crepúsculo” na caça do público juvenil, se envergonharem pelo embate entre Harry Potter e Voldemort. O que vem a seguir pode ser mais do mesmo, mas é possível afirmar que, entre erros e acertos, “A Saga Crepúsculo” conclui satisfatoriamente a sua ingênua história de um amor torto.

Título Original: The Twilight Saga: Breaking Dawn – Part 2
Ano de Produção: 2012
Direção: Bill Condon
Roteiro: Melissa Rosenberg, baseado no romance “Amanhecer”, de Stephenie Meyer
Elenco: Kristen Stewart, Robert Pattinson, Taylor Lautner, Peter Facinelli, Elizabeth Reaser, Ashley Greene, Jackson Rathbone, Kellan Lutz, Nikki Reed, Billy Burke, Chaske Spencer, Mackenzie Foy, Maggie Grace, Jamie Campbell Bower, Christopher Heyerdahl, Michael Sheen, Lateef Crowder, Daniel Cudmore, Charlie Bewley, Billy Wagenseller, Dakota Fanning, Cameron Bright, Andrea Powell, MyAnna Buring, Casey LaBow, Mía Maestro e Christian Camargo

3 Comments

  1. Eu tento mas não consigo gostar dos rumos e mimimi’s da saga. E olhe que li os livros e ainda assim nem literatura nem cinema me fizeram mudar de idéia. Deixei esse pra assistir em casa que é melhor!

  2. […] um candidato forte para mimar os fãs de “A Saga Crepúsculo” após seu derradeiro capítulo, “Jogos Vorazes” rapidamente provou que tinha mais a oferecer do que um mero triângulo […]

Follow

Get every new post on this blog delivered to your Inbox.

Join other followers:

%d blogueiros gostam disto: