Festival Varilux de Cinema Francês 2013

Festival Varilux de Cinema Francês 2013
Da esquerda para a direita: Philippe Le Guay, Michel Leclerc, Jean-Paul Lilienfeld, Benoît Jacquot, Agnès Jaoui, Arthur Dupont, Danièle Thompson, Jean-Pierre Améris e Christa Theret.

Passam-se os anos e o cinema francês vem se tornando cada vez mais presente em nosso país. Mesmo que a maior parcela das obras seja destinada ao circuito alternativo, o público tem aumentado. Produções como “Entre os Muros da Escola” e “O Pequeno Nicolau” tinham exibições com sala lotada e o recente sucesso de “Intocáveis” (que teve mais de um milhão de ingressos vendidos no Brasil) consolida o cinema francês no circuito comercial.

Este resultado é obtido graças a festivais como o Varilux, que na edição deste ano estará presente em 40 cidades através de aproximadamente 70 salas de cinema. No ano passado, o Festival Varilux de Cinema Francês contou com mais 70 mil espectadores e a expectativa de Christian Boudier, diretor do festival, é alcançar agora 100 mil espectadores.

Em coletiva de imprensa realizada no Dia do Trabalho no Espaço Conceito Citroën Oscar Freire, os diretores Danièle Thompson (“Aconteceu em Saint-Tropez”), Benoît Jacquot (de “Adeus, Minha Rainha” e que ganhará uma Mostra nesta edição), Agnès Jaoui (“Além do Arco-Íris”), Michel Leclerc (“Anos Incríveis”), Jean-Pierre Améris (“O Homem que Ri”), Philippe Le Guay (“Pedalando com Molière”), Jean-Paul Lilienfeld (“Prenda-me”), o ator Arthur Dupont (presente para divulgar “Além do Arco-Íris” e “Os Sabores do Palácio”) e a atriz Christa Theret (protagonista em “O Homem que Ri” e “Renoir”) comentaram com entusiasmo sobre a popularização do cinema francês em nosso país.

No animado bate-papo, os jornalistas destinaram questões para todos os convidados, que foram solícitos ao comentarem sobre a troca de experiências com jovens e veteranos talentos da França, os percursos para adaptar uma obra literária, a pouca relevância que as premiações americanas como o Oscar podem exercer para um filme e, claro, os filmes brasileiros que marcaram suas vidas. Michel Leclerc (uma simpatia de pessoa) e Danièle Thompson provocaram risos ao ficarem em dúvida ao classificarem “Orfeu Negro” como uma produção brasileira e os jovens Arthur Dupont e Christa Theret disseram “Central do Brasil”, do Walter Salles. Já a carismática Agnès Jaoui surpreendeu ao arriscar (com sucesso) interagir em nosso idioma.

O Festival Varilux de Cinema Francês já iniciou e encerrará suas exibições no dia 16 de maio. Para conferir a programação na sua cidade, não deixe de consultar o site do evento clicando aqui. Também participei do Photo Call com os convidados. Para visualizar as melhores fotos, basta visitar minha galeria no Flickr clicando aqui.

Sobre Alex Gonçalves
Editor do Cine Resenhas desde 2007, Alex Gonçalves é estudante de Jornalismo e viciado em música, fotografia, leitura e escrita. Mais informações na página "Sobre".

4 Comentários em Festival Varilux de Cinema Francês 2013

  1. Parabéns pela matéria, Alex. Neste ano, o Festival Varilux de Cinema Francês ocorre de 10 a 16 de maio, em Natal. E, ao contrário do ocorrido no ano passado, não pretendo perder o evento neste ano.

    • Kamila, obrigado. Não vou poder conferir todos os filmes, mas tentarei investir ao menos um dia em algum final de semana para assistir ao menos algum. No momento, já vi “Ferrugem e Osso”, que é um bom drama.

  2. Queria tanto ter arranjado tempo para o Festival Varilux desse ano… Mas minha rotina não deixou. De qualquer forma, já tinha conferido “Ferrugem e Osso”, que é, desde já, um dos meus filmes favoritos do ano!

Comente

Follow

Get every new post on this blog delivered to your Inbox.

Join other followers: