Skip to content

Resenha Crítica | Smashed – De Volta a Realidade (2012)

Smashed

Há um número grande de produções dramáticas com personagens centrais alcoólatras. Seja o vício algo central ou secundário na trama, nem sempre a situação é tratada da maneira mais adequada. Geralmente, visualizamos um indivíduo mergulhando em um abismo somente para na conclusão da história a redenção surgir com a sua força de vontade em sair da situação. Em resumo, são obras que adaptam para a sua época a fórmula do ótimo “Farrapo Humano”, a produção oscarizada de Billy Wilder.

Quem já acompanhou de perto alguém constantemente prejudicado pelo vício do álcool sabe que o momento de dizer basta é apenas o primeiro de muitos passos a serem dados. No processo de reabilitação não há somente o esforço extremo em evitar um drinque, como também o difícil convívio com outros alcoólatras, a tentação em consumir álcool em uma situação adversa, a falta de apoio daqueles que duvidam da recuperação e as consequências de atitudes cometidas no passado.

O independente “Smashed” é um filme especial porque registra de forma breve, mas magistral, todos esses percursos citados. Kate (Mary Elizabeth Winstead) é uma jovem que tem uma vida conformista com o seu marido Charlie (Aaron Paul), pois nada fazem para evoluírem como seres humanos. Além de se embriagarem diariamente, sequer adquiriram a própria independência, pois os pais de Charlie bancam a residência em que vivem.

A perspectiva de Kate muda ao encontrar-se não em uma, mas em duas noites no meio da rua sem se recordar muito bem dos eventos que a levaram a tal situação. Tendo que trabalhar com ressaca na escola de ensino infantil que leciona, a situação só piora: ao vomitar na sala de aula, Kate diz sim quando os alunos perguntam se o enjoo é devido uma gravidez. O constrangimento chega ao ouvido da diretora da escola (papel de Megan Mullally), que acredita que Kate realmente está grávida.

Incentivada por Dave (Nick Offerman), seu colega de trabalho, Kate passa a frequentar o A.A. e se mostra resistente em todas as ocasiões em que se depara com garrafas ou copos preenchidos com alguma bebida alcoólica. Apesar da fé que deposita em si mesma e do apoio de Dave e Jenny (Octavio Spencer, em uma interpretação sutil que prova que o seu Oscar por “Histórias Cruzadas” não foi um erro), Kate terá de enfrentar o marido e a mãe (Mary Kay Place) que não a apoiam e o dever que tem de desmentir a gravidez para a sua chefe e os seus alunos.

James Ponsoldt persegue Kate com câmera na mão, uma decisão que espelha uma protagonista que a todo o momento está prestes a perder o controle. Uma cena que traduz muito bem isso é quando Kate se apresenta em seu primeiro dia no A.A.: o close trêmulo flagra a vergonha da personagem diante daquela situação. O seu maior acerto, entretanto, é depositar a confiança em Mary Elizabeth Winstead para conduzir um papel tão difícil e delicado. A atriz, indicada ao último Indepedent Spirit Awards, tem uma interpretação irrepreensível e sempre evidencia as qualidades de Kate, uma pessoa de bom coração que se embriaga para esquecer seus incômodos particulares ao invés de enfrentá-los sóbria. O resultado é um belo filme que, sem moralismos baratos ou soluções fáceis, se mostra um dos mais notáveis sobre um tema tão palpável.

Smashed, 2012 | Dirigido por James Ponsoldt | Roteiro de James Ponsoldt e Susan Burke | Elenco: Mary Elizabeth Winstead, Aaron Paul, Nick Offerman, Megan Mullally, Octavia Spencer, Mary Kay Place, Kyle Gallner, Bree Turner, Mackenzie Davis, Barrett Shuler, Rene Rivera, Ron Lynch e Brad Carter| Distribuidora: Sony

2 Comments

  1. Já li muitas opiniões positivas sobre “Smashed”, mas ainda não consegui assistir ao filme. Farei isso em breve.

    • Uma pena o filme não ter sequer uma previsão para chegar ao Brasil. Espero que este erro seja corrigido em breve.

Follow

Get every new post on this blog delivered to your Inbox.

Join other followers:

%d blogueiros gostam disto: