Skip to content

Resenha Crítica | O Uivo da Gaita (2013)

O Uivo da Gaita

37ª Mostra Internacional de Cinema em São Paulo

Rodado simultaneamente com o longa-metragem de ficção “O Rio nos Pertence” e o documentário “Meta Mancia” (atualmente em fase de pós-produção), “O Uivo da Gaita” é um dos vértices da Operação Sonia Silk, projeto realizado coletivamente e com poucos recursos. Assim como em “O Rio nos Pertence”, “O Uivo da Gaita” se mostra econômico nos diálogos para que possa desenhar sua história com o suporte das imagens.

Entre “O Rio nos Pertence” e “O Uivo da Gaita”, é possível notar um avanço. A decisão de trocar os cômodos vazios e obscuros de “O Rio nos Pertence” para os ambientes arquitetônicos de “O Uivo da Gaita” favorece o filme, uma vez que a fotografia de Ivo Lopes Araújo consegue criar imagens sedutoras através de três locações: o Porto do Rio de Janeiro, a Casa das Canoas de Oscar Niemeyer e a praia de Niterói.

No prólogo de “O Uivo da Gaita”, Antonia (Mariana Ximenes) e Luana (Leandra Leal) se refugiam em uma praia paradisíaca para viver um relacionamento proibido. Imediatamente, a história retrocede para mostrar que Antonia é comprometida com Pedro (Jiddu Pinheiro). Apesar de viver em uma bela residência e de ser incondicionalmente amada por Pedro, Antonia parece viver uma mentira. Seu desejo de fuga se amplia com a aparição de Luana, com quem praticará junto com Pedro alguns jogos sexuais.

Atrizes com beleza hipnotizante, Mariana Ximenes e Leandra Leal jamais foram contempladas de modo tão intenso por uma câmera. Embora consigam incorporar seus papéis com o auxilio de alguns diálogos triviais abafados pela música de Guilherme Vaz, Mariana e Leandra sustentam “O Uivo da Gaita” pelo que sugere o choro não contido, os olhares de desejo e a agitação de corpos que querem se entregar um para o outro.

O experimentalismo não é bem-sucedido porque “O Uivo da Gaita” é um filme desprovido de um bom texto. Quando Bruno Safadi busca agregar algum peso ao que os seus personagens dizem de aparentemente relevante, absolutamente nada é elucidado. Não se sabe exatamente os motivos de Antonia se sentir tão sufocada, de Pedro não ser o marido que corresponde às expectativas e de onde veio Luana. Questões sem respostas mais por uma premissa limitada do que a pretensão de criar um cinema de sensações alcançadas unicamente por toques e gestos.

O Uivo da Gaita, 2013 | Dirigido por Bruno Safadi| Roteiro de Bruno Safadi | Elenco: Mariana Ximenes, Leandra Leal e Jiddu Pinheiro | Mostra Brasil

One Comment

Follow

Get every new post on this blog delivered to your Inbox.

Join other followers:

%d blogueiros gostam disto: