Skip to content

A Caça

A Caça | Jagten

Com a Internet atualmente acessível a todos, os casos de predadores sexuais multiplicaram. Não apenas porque o ambiente virtual se mostra perfeito para pedófilos agirem com informações falsas, mas também pela propagação de notícias sobre vítimas. Recentemente, David Schwimmer lidou com o tema com bastante propriedade como diretor de “Confiar“, longa-metragem que o afasta da persona cômica reconhecida mundialmente. Já Thomas Vinterberg, um dos criadores do movimento Dogma 95, busca o caminho mais difícil.

Quando a pequena Klara (Annika Wedderkopp, perfeita em um papel inegavelmente amedrontador para qualquer criança) diz que foi molestada pelo seu professor Lucas (Mads Mikkelsen), Thomas Vinterberg imediatamente elimina qualquer dúvida que cercaria este homem. Tudo é muito claro: Lucas não cometeu essa ação abominável e Klara está apenas fantasiando algo que nunca aconteceu devido a uma decepção ao qual sua imaturidade não é capaz de processar adequadamente.

Ao contrário do público, os personagens secundários de “A Caça” não sabem disso. Ou melhor, não avaliaram a declaração de Klara do modo mais adequado. Afinal, são todos indivíduos de uma sociedade desesperada em apontar culpados quando um crime é cometido. As conclusões são equivocadas e Lucas paga caro com isso. Primeiro ele perde o seu emprego. Na sequência, todos os seus amigos. Por fim, sua própria segurança.

O extraordinário Mads Mikkelsen confirma-se como um dos mais notáveis intérpretes do cinema mundial em “A Caça”, produção que lhe garantiu o prêmio de Melhor Ator no Festival de Cannes em 2012. A situação desesperadora culmina em dois instantes de explosões devastadoras, uma em um supermercado e a outra em uma igreja. Até que esses instantes sejam encenados, fica a impressão de que Thomas Vinterberg exagerou no modo como desenhou Lucas ao lado do também roteirista Tobias Lindholm. Ao fazer um homem ciente de seu próprio caráter ao ponto de não dizer uma palavra em sua defesa, “A Caça” extrapola ao explorar sua passividade diante de eventos que exigem uma atitude imediata, ainda que essa decisão não comprometa a força do discurso apresentado.

Jagten, 2012 | Dirigido por Thomas Vinterberg | Roteiro de Thomas Vinterberg e Tobias Lindholm | Elenco: Thomas Bo Larsen, Annika Wedderkopp, Lasse Fogelstrøm, Susse Wold, Anne Louise Hassing, Lars Ranthe, Alexandra Rapaport, Sebastian Bull Sarning, Steen Ordell Guldbrand Jensen     Steen Ordell Guldbrand Jensen, Daniel Engstrup, Troels Thorsen, Søren Rønholt, Hana Shuan e Jytte Kvinesdal | Distribuidora: California Filmes

One Comment

  1. […] indicados: Daniel Brühl (“Rush – No Limite da Emoção”) |  Mads Mikkelsen (“A Caça”) | Matthew McConaughey (“Killer Joe – Matador de Aluguel”) | Mohamed Fellag (“O que Traz […]

Follow

Get every new post on this blog delivered to your Inbox.

Join other followers:

%d blogueiros gostam disto: