Skip to content

Resenha Crítica | Need for Speed – O Filme (2014)

Need for Speed - O Filme | Need For Speed - The Movie

Há alguns filmes que são bons justamente por não ambicionarem algo muito além que suas próprias essências permitem. Adaptação de “Need for Speed”, uma franquia de jogos eletrônicos que tinha como principal plataforma o PlayStation 1, o segundo longa-metragem de Scott Waugh (que vem do sucesso de “Ato de Valor”) é um entretenimento divertido exatamente por tirar o melhor que pode existir dentro de um material limitadíssimo.

Para aqueles viciados em outros jogos eletrônicos ou que passaram longe de qualquer console por problemas de coordenação motora, “Need for Speed” nada mais é do que um game em que o jogador conduz um veículo, desportivo ou tunado, em alta velocidade em meio a paisagens deslumbrantes e música bacana. O único desafio é obter crédito para potencializar um carro ou mesmo comprar um novo modelo. Em “Need for Speed – O Filme”, não é muito bem isso o que acontece.

Quase sonolento, o primeiro ato de “Need for Speed – O Filme” nos apresenta a Tobey Marshall (Aaron Paul), um mecânico que compete em corridas clandestinas. Para manter a oficina da família em pé, Tobey acaba se associando a um ex-piloto da Nascar pouco confiável chamado Dino Brewster (Dominic Cooper), o que culmina em um acidente que vitima seu irmão (Harrison Gilbertson) e ainda o leva para a prisão para cumprir uma pena de aproximadamente dois anos.

Uma vez definida as boas intenções e o desejo de vingança de Tobey em meio a ilegalidade e a falta de caráter de Dino, o segundo ato de “Need for Speed – O Filme” dá uma boa guinada ao ambientar os conflitos dentro de um carro. E aí se faz presente o talento de Scott Waugh em escolher um elenco carismático e também em conduzir boas cenas de ação.

Com a carreira nas alturas após o sucesso estrondoso do seriado “Breaking Bad”, Aaron Paul faz um protagonista sem pinta de galã extremamente carismático. Ainda melhor é a sua companheira de cena, a graciosa inglesa Imogen Poots, que joga pelo ralo o estereótipo de interesse romântico que mais se comporta como um adorno com curvas maliciosas. Quanto a ação, pouco se nota a presença de truques digitais. Waugh acerta ao recorrer aos planos em primeira pessoa e nos brinda com sequências que rivalizam (e superam) com outras vistas em similares como “Velozes e Furiosos”.

Need for Speed – The Movie, 2014 | Dirigido por Scott Waugh | Roteiro de George Gatins, baseado no game “Need for Speed”, da Electronic Arts | Elenco: Aaron Paul, Dominic Cooper, Imogen Poots, Scott Mescudi, Rami Malek, Ramon Rodriguez, Harrison Gilbertson, Dakota Johnson, Stevie Ray Dallimore, Alan Pflueger, Brian L. Keaulana, Logan Holladay, Carmela Zumbado, Jalil Jay Lynch e Michael Keaton | Distribuidora: Disney

 

4 Comments

  1. AFFF! Gosto do jogo, mas dispenso o filme! rsrsrsrsrsrsrsrsrsrsrssrrs

    Alex, adorei o novo layout do Cine Resenhas. Parabéns!!!

    • Kamila, você joga videogame? Juro que estou tentando visualizar a imagem na minha mente, mas não consigo. HAHAHA

      Muito bom saber que você gostou do novo layout. Afinal, você é uma das principais visitantes dessa mera residência virtual. Obrigado, minha cara.

  2. Amigo, o filme é assim. Como filme, falha muito já que a história não é tão maravilhosa e o humor no filme não consegue ser bem adequado. Agora quando vai para a questão adaptação, praticamente é um trunfo. O motivo é bem simples, conseguiu colocar em quase todo o tempo a questão do que é a necessidade de velocidade. As cenas de ação são genuinas, as manobras nos carros são impecaveis, demonstrando o quanto eles valorizam os dubles e o pouco uso do computador (salvo na parte do helicoptero que talvez seja coeso pelo momento), transformam esse filme em mais um raro exemplo que como guilty pleasure adequado para um final de semana … mas o 3d é cocozin.

    • João, conferi o filme no formato convencional. Apesar das ótimas cenas de corrida, não acredito que o 3D seja indispensável. E olha, gosto muito da maneira como o humor foi inserido no filme. O entrosamento entre Aaron Paul e Imogen Poots é perfeito e os amigos dos protagonistas garantem bons momentos. Curti, enfim.

Follow

Get every new post on this blog delivered to your Inbox.

Join other followers:

%d blogueiros gostam disto: