Skip to content

Resenha Crítica | Você é o Próximo (2011)

Você é o Próximo | You're Next

You’re Next, de Adam Wingard

Gênero movido por tendências, o terror encontra agora um truque para continuar progredindo. Há dez anos, a fonte de sucesso era a refilmagem de fitas asiáticas e há cinco anos, o found footage. Desta vez, a matéria-prima para os cineastas tem sido os elementos facilmente identificáveis em clássicos do gênero dos anos 1970 e 1980. Após os sucessos de títulos como “The House of the Devil“, “Sobrenatural” e “Invocação do Mal“, Adam Wingard vem com “Você é o Próximo” para apresentar um home invasion com o resgate de tudo aquilo que auxiliou sua formação como cineasta.

O filme tem Erin (Sharni Vinson) como protagonista. Garota humilde, ela não esconde o desconforto ao conhecer os pais ricos de seu namorado Crispian (AJ Bowen) em um fim de semana na residência luxosa em que eles vivem em uma cidadezinha bem afastada. O jantar com toda a família promete ser uma bela lavação de roupa suja, ainda mais porque a matriarca temperamental (Barbara Crampton, uma figurinha fácil nos filmes de Stuart Gordon) não gostou nem um pouco de sua nova nora e Drake (Joe Swanberg), o filho bem-sucedido, é um mauricinho pretensioso que sempre perde a oportunidade de ficar calado.

As farpas são rapidamente substituídas por flechas atiradas por um grupo que usa máscaras amedrontadoras de animais. Cercada, a família desconhece a razão para ser vítima do ataque (o diretor Ti West, por sinal, é o primeiro presente a empacotar) e Erin surpreende a todos por ser a única a se comportar de modo racional nesta situação desesperadora. Sem meios de pedir socorro (o sinal para chamadas telefônicas foi cortado e os vizinhos mais próximos foram devidamente eliminados), resta a Erin liderar um contra-ataque aos invasores.

Em “Você é o Próximo”, Adam Wingard confere cenografia, música e ritmo saborosamente antiquados e que fazem alusão às fitas com maníacos mascarados. Ao longo do processo, os erros também são emulados. A revelação do mistério pode ser antecipada em dez minutos de filme e há erros primários (para quê assassinar um casal e deixar uma música em looping?). Equívocos facilmente perdoáveis em um filme que tem uma tensão implacável e um humor negro que bate cartão nas ocasiões mais oportunas.

O maior barato de “Você é o Próximo”, no entanto, é testemunhar o modo como a mocinha foi remodelada ao longo dos tempos. Se antes as mulheres tinham como únicas funções os gritos e as fugas, hoje elas se mostram muito mais firmes diante de uma ameaça. Além de ser uma descoberta para lá de graciosa, a australiana Sharni Vinson consegue fazer com que o público desenvolva uma relação de cumplicidade tremenda com a sua Erin. Sua determinação em sobreviver assombra mais do que o plano diabólico dos mascarados que insistem em matá-la, o que fortalece ainda mais a eficácia de “Você é o Próximo”.

 

3 Comments

  1. Bom, não sou a maior fã de filmes de terror, mas gostei do seu excelente texto. Vou anotar a dica.

    • “Você é o Próximo” pode ajudar a você repensar sua apreciação pelo gênero, Kamila. Recomendo.

  2. Shadai Shadai

    ótimo filme mesmo!
    mas há uns errinhos bem básicos, como os citados.
    e também a trilha sonora de uma cena é interrompida totalmente quando se muda de cena, faltou certo capricho na edição algumas vezes, mas passa.

Follow

Get every new post on this blog delivered to your Inbox.

Join other followers:

%d blogueiros gostam disto: