Skip to content

Resenha Crítica | Mesmo Se Nada Der Certo (2014)

Mesmo Se Nada Der Certo | Begin Again

Begin Again, de John Carney

O cineasta John Carney encantou o mundo com “Apenas Uma Vez”, filme para lá de pequeno, mas dono de um coração enorme. Glen Hansard e Markéta Irglová, a dupla de protagonistas, venceram o Oscar de Melhor Canção por “Falling Slowly” e seguem individualmente com carreiras musicais prósperas. Já John Carney ficou apenas na lista de promessas, pois mergulhou em um limbo com produções rodadas em sua Irlanda natal que não obtiveram qualquer repercussão.

Restou a John Carney embarcar em Hollywood para rever praticamente todos os elementos que tornaram “Apenas Uma Vez” um filme aclamado. As fórmulas seguras são usadas em “Mesmo Se Nada Der Certo”, mas agora com os recursos sofisticados do cinema americano, como um elenco estelar, uma produção mais caprichada e um impulso na divulgação. A boa notícia é que, contrariando as suspeitas do título nacional, tudo dá certo.

Dan (Mark Ruffalo) é um produtor musical que há tempos não descobre um grande nome e que se nega a investir nas promessas musicais segundo o seu sócio Saul (Mos Def), o que o faz se desligar dos negócios. Separado de Miriam (Catherine Keener), com quem teve Violet (Hailee Steinfeld), uma adolescente em fase de inadequações, Dan descobre em mais uma noite de embriaguez Gretta (Keira Knightley), uma jovem inglesa que se apresenta em um bar a pedido de seu melhor amigo Steve (James Corden).

Grande compositora, Gretta se entusiasma, após um pouco de resistência, com os elogios de Dan, que afirma que ela pode se tornar uma grande artista. Dispensando os meios convencionais, Dan assume o papel de produtor de Gretta e com ela constrói uma banda para gravar um álbum usando um cartão-postal de Nova York para cada canção. A sintonia entre ambos cresce, mas Gretta também tem os seus assuntos pendentes no campo amoroso com Dave (Adam Levine), o grande rock star do momento.

Bem como fez com Dublin em “Apenas Uma Vez”, John Carney busca apresentar uma Nova York sem adornos em “Mesmo Se Nada Der Certo”. Em meio a músicas como “Step You Can’t Take Back”, “Coming Up Roses”, “Coming Up Roses” e “Lost Stars” (que merece ser nomeada ao Oscar), o filme nos convida a contemplar cenários ainda mais belos quando embalados por uma boa playlist. Ajuda o elenco bem entrosado, somente prejudicado pela presença falsa de Adam Levine como intérprete, dificultando a empatia por um personagem imediatamente desagradável.

Be First to Comment

Follow

Get every new post on this blog delivered to your Inbox.

Join other followers:

%d blogueiros gostam disto: