Resenha Crítica | Chico & Rita (2010)

Chico & Rita

Chico & Rita, de Fernando Trueba, Javier Mariscal e Tono Errando

Produzida em 2010, a animação espanhola “Chico & Rita” se beneficiou com a falta de expressão das produções da Disney do mesmo ano, garantindo assim um reconhecimento mundial ao receber menção na categoria de Melhor Animação no Oscar 2012 – produzido pela Dreamworks, “Rango” faturou a estatueta. Ainda assim, foi preciso um atraso de aproximadamente três anos para “Chico & Rita” desembarcar no Brasil, ainda que direto para o mercado de homevideo.

Com direção assinada pelo trio Fernando Trueba, Javier Mariscal e Tono Errando, “Chico & Rita” traz os personagens do título em vários cenários musicais a partir do final da década de 1940. De estilo boêmio, o pianista Chico se encanta com a voz e beleza de Rita, uma cantora de bar. É uma atração imediatamente correspondida, resultando em um relacionamento intenso e, com o tempo, não imune aos atritos do ciúme e da incompatibilidade de ambições.

O encanto de “Chico & Rita” está em trazer a vivacidade do life action para a técnica animada. A equipe fez uma pesquisa bem vasta para recriar a atmosfera do período retratado, trazendo uma cenografia que nos transporta a ambientes tomados pela temperatura contagiante de Havana, Nova York, Paris, Las Vegas e Hollywood. Mas o que realmente fica na memória são os altos e baixos vivenciados por um casal que poderia muito bem ter existido na vida real.

Sobre Alex Gonçalves
Editor do Cine Resenhas desde 2007, Alex Gonçalves é estudante de Jornalismo e viciado em música, fotografia, leitura e escrita. Mais informações na página "Sobre".

Be the first to comment

Follow

Get every new post on this blog delivered to your Inbox.

Join other followers:

Close