Skip to content

Resenha Crítica | Vidas ao Vento (2013)

Vidas ao Vento |Kaze tachinu

Kaze tachinu, de Hayao Miyazaki

Embora já tenha voltado atrás na sua decisão de decretar “Vidas ao Vento” como o seu canto do cisne, Hayao Miyazaki bem que poderia ter um projeto como esse para registrar uma despedida, o sentimento que mais evoca nessa animação que presta homenagem ao engenheiro aeronáutico Jiro Horikoshi. “Vidas ao Vento” é também o retorno à boa forma após uma etapa em que os seus esforços para “O Mundo dos Pequeninos” foram mais expressivos do que a atuação como diretor do decepcionante “Ponyo – Uma Amizade que Veio do Mar”.

Pode-se afirmar que “Vidas ao Vento” é um filme com duas partes bem diferentes entre si. Na primeira, Jiro Horikoshi (dublado por Hideaki Anno na versão japonesa) é mostrado em uma fase da juventude como universitário e testemunha de tragédias naturais que abatiam uma população menos favorecida. Há também o seu ingresso em uma equipe responsável pela criação de aviões militares essenciais para a atuação do Japão durante a Segunda Guerra Mundial.

Na outra metade de “Vidas ao Vento”, há a estada a trabalho de Horikoshi na Alemanha, possibilitando o reencontro com Naoko (Miori Takimoto), uma jovem que ele conheceu rapidamente durante o grande sismo de Kantō, que se deu em 1923. É um momento que a narrativa deixa em segundo plano os feitos de Horikoshi para a aeronáutica para priorizar uma história mais leve, romântica e previsivelmente trágica.

Ainda que essa divisão de tom não permita que o todo seja indiscutivelmente harmonioso, “Vidas ao Vento” compreende não apenas os aspectos mais notáveis da vida de Horikoshi, como também algumas particularidades da memória do próprio Miyazaki, muito sensibilizado pela tuberculose espinhal que matou a sua mãe após um repouso que durou uma década – a doença é a mesma de Naoko. Têm-se assim sequências aéreas e terrenas deslumbrantes que emanam um suspiro de completude e adeus.

One Comment

  1. Infelizmente, “Vidas ao Vento” não passou na minha cidade. Uma pena, pois gosto muito dos filmes dirigidos por Hayao Miyazaki.

Follow

Get every new post on this blog delivered to your Inbox.

Join other followers:

%d blogueiros gostam disto: