Skip to content

Californication, a série sanfona

Californication

Ao menos para mim, que não assistiu “The X-Files” por desinteresse sobre a sua temática, David Duchovny parece ter nascido para o papel de Hank Moody, protagonista da série “Californication” (2007-2014). Talvez por isso, tenho uma dificuldade imensa em desvincular ator e personagem.

E talvez seja isso que faça a série ser bem bacana. Para quem não tem ideia do seu enredo, trata-se de um escritor nova-iorquino que teve muito sucesso com um livro e mudou-se com a mulher e filha para Los Angeles com a finalidade de trabalhar no roteiro do filme baseado em sua obra. A partir daí sua vida muda totalmente, uma vez que a costa oeste norte-americana o corrompe moralmente, levando-o a cair de cabeça dos excessos e atrativos da indústria do cinema – isso envolve drogas e muito sexo.

Consequência disso é que ele perde sua família e, após aquilo que parece um coma de luxúria e hedonismo, ele tenta recuperar e constituir família novamente. Para isso se envolve em mil e uma confusões… Até porque uma das coisas legais da série é o fato dele ser um imã para problemas que muitos de nós às vezes até buscamos ter.

O enredo é bacana, principalmente quando o espectador acredita na glamourização de escritores num mundo cada vez mais limitado a 140 caracteres. Ao menos para a realidade nacional, o sonho californiano parece algo irreal e atraente, já que Hank, apesar de levar uma vida marginal, convive com estrelas do rock, do pop, celebridades e empresários do show business num mundo regado a bebida, drogas e sexo.

Porém, a série não ultrapassa o selo de “boa” pelo fato de com o tempo ter se tornado sanfona, no sentido que varia de uma temporada boa e uma muito ruim – que causa até vergonha alheia no telespectador.

Isso se explica no fato da série ter um viés humorístico, quando trata de confusões amorosas e temas tabus (novamente sexo e drogas) de forma cômica. Talvez numa tentativa de inserir pessoas comuns num mundo totalmente oposto ao seu, creio que Tom Kapinos, criador e escritor da série, falha ao gerar cenas típicas de uma comédia familiar italiana – com muitas confusões. Sério, soa como uma “Sessão da Tarde” com censura de “Corujão”.

Por outro lado, quando Kapinos busca sensibilidade, ele o faz muito bem. Até porque, no final, a série nada mais é que um pai reconquistando sua filha e sua ex-esposa. O problema é que ele não dosa as coisas muito bem, e usa nelas o pastelão em uma temporada e, na outra, uma temática mais séria. Por isso acaba ficando sanfona, já que a série perde sua essência – inclusive a última temporada poderia estar no rol de pastelões. Uma pena.

Fora isso, a série também conta com um elenco de apoio sólido, com atores como Natascha McElhone e o Evan Handler, respectivamente ex-mulher e melhor amigo de Hank. Além de participações especiais de atores como Rob Lowe, Marilyn Manson, Kathleen Turner, Michael Imperioli e Heather Graham.

No geral, é uma séria boa pra assistir despretensiosamente. Se fosse um livro diria para deixar no banheiro para aquela leitura sem compromisso.

Be First to Comment

Follow

Get every new post on this blog delivered to your Inbox.

Join other followers:

%d blogueiros gostam disto: