Skip to content

Resenha Crítica | Body (2015)

Body (Cialo)

Cialo, de Malgorzata Szumowska 

.:: 39ª Mostra Internacional de Cinema em São Paulo ::.

A cineasta polonesa de 42 anos Malgorzata Szumowska não havia entusiasmado os cinéfilos brasileiros com o seu primeiro filme a receber lançamento comercial no país, “Elles”. Protagonizado por Juliette Binoche, o drama definitivamente não trazia nenhum dado curioso ou empático sobre a vida de jovens prostitutas. Felizmente, é reconhecível o seu amadurecimento em “Body”, pelo qual venceu o prêmio de melhor direção no último Festival de Berlim.

O prólogo do filme é daqueles que desconcertam por não indicar exatamente a direção que a narrativa seguirá a partir de então. Nele, Janusz (interpretado por Janusz Gajos) avalia a cena de um suicídio. Após concluir o seu trabalho, o que inclui checar evidências e acompanhar a captura de imagens, o suicida, então com o corpo estendido no chão após ser retirado de uma forca presa a uma árvore, simplesmente se levanta e caminha como se nada tivesse acontecido.

Além de Janusz, que carrega as frustrações e a melancolia de um viúvo que já passou da meia-idade, “Body” também tem interesse por Anna (a excelente Maja Ostaszewska), uma terapeuta espírita com métodos de recuperação questionados por uma sociedade predominantemente católica – é possível notar uma fotografia de Chico Xavier emoldurada em seu quarto. O que conectará esse homem e essa mulher é a jovem anorexa Olga (Justyna Suwala), filha Janusz e paciente de Anna.

Bem como as excentricidades, “Body” contém um humor que evidencia o estranhamento entre duas pessoas maduras com credos e costumes distintos, potencializados com a perda da esposa não superada por Janusz e a forma como Anna se vê desconectada do mundo. São escolhas que funcionam, ainda que o roteiro de Szumowska, em parceria com Michal Englert, não consiga corresponder plenamente as expectativas prévias ao encontro entre ambos. Ainda assim, é um drama capaz de provocar uma forte impressão, especialmente pela solução singela e emotiva que prepara para as relações conflitantes entre seus personagens.

Be First to Comment

Follow

Get every new post on this blog delivered to your Inbox.

Join other followers:

%d blogueiros gostam disto: