Skip to content

Oscar 2016: Os Vencedores, Os Altos e Os Baixos da Cerimônia

Glória Pires Comentarista Oscars 2016

Virou um hábito sempre armazenar o nosso estoque de tomates podres para atirar a cada vacilo que testemunhamos durante a cerimônia dos vencedores do Oscar. Trata-se de um dos itens do ritual que continuaremos insistindo a acompanhar, mesmo que isso cause frustrações e uma briga contra o sono durante o expediente de trabalho na segunda-feira.

Não é possível sempre agradar gregos e troianos simultaneamente e aí está a maior virtude do Oscar, pois a esperança é de esperar por uma edição futura que seja capaz de abranger todas as tribos. Nesta edição, o debate sobre a ausência de negros entre os finalistas é apenas um dos problemas centrais sobre a falta de diversidade, essa que também denuncia a ausência de outras nacionalidades ou mesmo das mulheres em posições de comando.

De qualquer modo, a balança este ano pende mais para o lado positivo, pois a festa se mostrou agradável de se acompanhar na maior parte do tempo. Claro que não concordamos com todos os vencedores e por isso mesmo preferimos a seguir apontar pontos positivos e negativos que buscam avaliar mais a premiação do que as nossas torcidas particulares. Ao final, é possível ter acesso à lista completa dos vencedores em cada categoria.

.

Os prós

.

A vitória de “Spotlight: Segredos Revelados” em Melhor Filme

Michael Keaton at Oscars 2016

Quando lançado, “Spotlight: Segredos Revelados” foi apontado como o favorito ao Oscar. O fato de Tom McCarthy ter exibido há poucos meses a comédia “Trocando os Pés” se transformou em mera inconveniência. Porém, as chances do filme esfriaram com as chegadas de “A Grande Aposta” e principalmente “O Regresso“. A consagração da nova obra de Iñárritu em Melhor Fotografia, Melhor Diretor e Melhor Ator pareciam ser os degraus que o levariam a Melhor Filme. No fim das contas, prevaleceu “Spotlight: Segredos Revelados”, um dos melhores entre os finalistas e que só tinha obtido ao longo da festa a estatueta de Melhor Roteiro Original. E o melhor: é um drama bem incisivo em sua denúncia que jamais deixa de segundo plano as virtudes que formam um grande filme, como o senso de trabalho coletivo e a lucidez com a qual trata o seu tema polêmico.

As surpresas

Ex-Machina

É sempre bom ser surpreendido quando acreditamos ter previamente em mãos uma lista com todos os vencedores do Oscar. Melhor ainda quando a ausência da obviedade vem para prestigiar grandes trabalhos. A festa estava seguindo o curso programado quando “Ex-Machina: Instinto Artificial” pegou todos desprevenidos ao ganhar em Melhores Efeitos Visuais. “Mad Max: Estrada da Fúria” também não era a primeira opção de muitos em Melhor Figurino, categoria que geralmente privilegia os dramas de época, como o concorrente “Carol”. Sem dizer “Spotlight: Segredos Revelados”, como já citado anteriormente. Por outro lado, nem todos curtiram tanto assim o destaque de Mark Rylance em Melhor Ator Coadjuvante, categoria na qual Sylvester Stallone era o favorito pela sua interpretação em “Creed: Nascido Para Lutar”. Fica para a próxima, Rocky Balboa.

Chris Rock

Chris Rock at Oscars 2016

Ok, o comediante está longe de ser uma unanimidade, embora seja considerado um dos maiores em um palco de stand up e querido pelo público jovem que já passou horas acompanhando o seriado “Todo Mundo Odeia o Chris”. No entanto, é preciso reconhecer que Chris segurou bem a noite, especialmente pela pressão de colegas negros em boicotar o Oscar após mais uma edição em que a diversidade não assumiu o protagonismo. “Eu pensei em desistir. Eu pensei seriamente. Daí eu pensei: eles vão fazer o Oscar de qualquer jeito. Não vão cancelar só porque eu desisti. E a última coisa que eu preciso é perder um trabalho para o Kevin Hart”, disparou em tom de brincadeira.

Aussies de “Mad Max: Estrada da Fúria” papando prêmios em quase todas as categorias técnicas

George Miller at Oscars 2016

Desde que invadiu Hollywood com toda a sua leva de astros e diretores que ainda resistem firmemente na indústria, a Austrália nunca deixou de evidenciar a força de sua cinematografia. No entanto, talvez desde “O Piano” (co-produção entre Austrália, França e Nova Zelândia) que não se via um filme com o espírito da terra dos cangurus dominando uma grande parte da festa. Foram vitórias em seis categorias: Mixagem de Som, Edição de Som, Maquiagem e Penteado, Montagem, Figurino e Direção de Arte. George Miller não ganhou como diretor e produtor de “Estrada da Fúria”, mas não faltaram elogios ao seu trabalho pelos colegas laureados.

Lady Gaga

Lady Gaga at Oscars 2016

Vencedora do Globo de Ouro de Melhor Atriz por “American Horror Story: Hotel”, Lady Gaga disse em seu discurso que o seu sonho sempre foi ser uma atriz, mas que a carreira como cantora veio antes. Não se sabe se o seu futuro seguirá os trilhos de uma Cher ou de uma Madonna, mas as suas investidas para tentar algo no cinema estão dando certo. Após duas pontas nos filmes de Robert Rodriguez (“Machete Mata” e “Sin City: A Dama Fatal“), Gaga foi um dos pontos altos da cerimônia passada com uma bela homenagem ao musical “A Noviça Rebelde”. Agora, volta a ser um dos assuntos mais comentados da noite com a sua performance emocional para “Til It Happens To You”, canção preparada para o documentário “The Hunting Ground” e introduzida por ninguém menos que o vice-presidente americano Joe Biden. Pena que a caretice quanto a persona extravagante da estrela a tenham feito perder para a fraca  “Writing’s on the Wall”, de Sam Smith.

A promessa de mudanças

Spike Lee at the Oscars 2016

Uma das maiores ferramentas para contornar uma saia-justa é o humor. Com o tópico diversidade enraizado em cada bloco da atração, o organização foi feliz na decisão de caçoar de si mesmo com algumas esquetes. Na melhor delas, a atriz Angela Bassett (indicada ao prêmio em 1994 por “Tina”), insinua fazer uma homenagem a Will Smith, que teve a sua interpretação em “Um Homem Entre Gigantes” esnobada. No entanto, a menção a filmes como “Inimigo do Estado” e “O Espanta-Tubarões” nos levam a Jack Black, mero coadjuvante em ambas as produções. Mas também tivemos pausas para falar com seriedade, como no discurso de novos tempos prometidos pela presidente da Academia Cheryl Boone Isaacs.

.

Os contras

.

Sam Smith e a vitória de “Writing’s on the Wall” em Melhor Canção Original

Sam Smith at Oscars 2016

Desde que a canção-tema de “007 Contra Spectre” foi lançada, nove a cada dez cinéfilos reclamaram sobre o desapontamento que ela provoca, parecendo uma tentativa desesperada de repetir o êxito de Adele com a extraordinária “Skyfall”. A audiência não perdoou a apresentação do cantor britânico de apenas 23 anos, que definitivamente não tem a presença no palco como a sua principal virtude. No entanto, o pior momento foi a vitória de “Writing’s on the Wall”. Sonolenta, a música tenta conferir desesperadamente uma complexidade que por vezes inexiste na quarta participação de Daniel Craig como James Bond.

A direção da cerimônia

Ryan Gosling and Russel Crowe at the Oscars 2016

Como em qualquer programa ao vivo, é inevitável não cometer algumas gafes. Como se esquecer da edição de 2013, quando o rosto da veterana Emmanuelle Riva foi exibido no quadro em que deveria ser visto o diretor David O. Russell? Em vários momentos, as câmeras do Teatro Dolby não captavam as reações das pessoas que correspondiam aos nomes citados nos discursos. Isso quando elas simplesmente apontavam para o nada, obviamente no instante em que os operadores buscavam por um ângulo privilegiado. O uso de contra-plongée para pegar o apresentador e o telão com a imagem do indicado anunciado também foi bem questionável, assim como a transição da introdução do vice-presidente americano Joe Biden para a apresentação musical de Lady Gaga.

As legendas de agradecimento

Emmanuel Lubezki at the Oscars 2016

Alguns dias antes da cerimônia do Oscar, a Academia divulgou para a imprensa que faria uma mudança para agilizar os discursos. Trata-se da lista de agradecimentos, que deveria correr em um telão enquanto o candidato vencedor se encarregasse de outras abordagens em seu discurso. No entanto, somente quem estava em casa pôde ver a tal lista, que correu em ritmo acelerado em uma barra horizontal. A “inovação” inútil não serviu de nada, pois todos que subiram ao palco priorizaram os agradecimentos como qualquer bom vencedor.

As possibilidades descartadas para amenizar as críticas contra a falta de diversidade 

Mya Taylor at Independent Spirit Awards

Uma série de premiações cinematográficas e televisivas deram tapas sucessivos na cara da Academia, algo que chegou ao seu ápice no último sábado com a realização do Independent Spirit Awards. Entre os principais destaques do “Oscar independente”, tivemos a vitória do jovem africano Abraham Attah como Melhor Ator por “Beasts of No Nation” e da trans Mya Taylor como Melhor Atriz Coadjuvante por “Tangerine”. Para contornar a situação, vários negros foram convidados para apresentar as categorias, inclusive Morgan Freeman em Melhor Filme. Atores de outras nacionalidades também marcaram presença, como a colombiana Sofía Vergara e o astro sul-coreano Lee Byung-hun. Acertos que não compensam novas heresias, como o fato da cantora transexual Anohni não ser convidada para apresentar a sua indicada “Manta Ray” (do documentário “Racing Extinction”) por não ser tão famosa quanto Lady Gaga, Sam Smith e The Weeknd – a soprano sul-coreana Sumi Jo também não foi convocada para interpretar a belíssima “Simple Song #3”, de “Juventude”. Se o problema era falta de tempo, bastava cortar os excessos da cerimônia, como os clipes descartáveis dos finalistas a Melhor Filme.

A falta de sintonia com o público

Chris Rock interview public at the Oscars 2016

Quando apresentou o Oscar em 2005, Chris Rock fez uma divertida “reportagem” transmitida na cerimônia em que perguntava ao público de maioria negra de uma tradicional sala de cinema sobre os filmes indicados ao Oscar e quais eram os favoritos que viram no último ano. Essa brincadeira foi repetida nesta edição, mas algo importante é possível extrair dela: a Academia continua fora de sintonia com o público. Sim, estamos falando de um grupo de especialistas e já há premiações que abrem espaço para o voto popular. No entanto, é o espectador que paga pelo ingresso e que apresenta a reação que pode determinar a permanência de um filme no imaginário coletivo. Sucessos como “Cinderela“, “A Espiã que Sabia de Menos” e “Straight Outta Compton: A História do N.W.A.” receberam apenas uma ou nenhuma nomeação. Até mesmo os estrangeiros com mais destaque no circuito alternativo não marcaram presença, como “Phoenix”, “Acima das Nuvens” e “Boa Noite, Mamãe”. Ao menos a consagração de um blockbuster como “Mad Max: Estrada da Fúria”, que teve uma “taxa de rendimento” em 50% das categorias para as quais foi indicado, provou que ainda é possível unir pretensões artísticas com uma linguagem que se comunica com todos os públicos.

.

Vencedores do Oscar 2016

.

FILME

“A Grande Aposta”
“Ponte dos Espiões”
“Brooklyn”
“Mad Max: Estrada da Fúria”
“Perdido em Marte”
“O Regresso”
“O Quarto de Jack”
“Spotlight – Segredos Revelados” 

DIREÇÃO

Adam McKay, “A Grande Aposta”
George Miller, “Mad Max: Estrada da Fúria”
Alejandro G. Iñarritu, “O Regresso” 
Lenny Abrahamson, “O Quarto de Jack”
Tom McCarthy, “Spotlight: Segredos Revelados”

ATOR

Bryan Cranston, “Trumbo – Lista Negra”
Leonardo DiCaprio, “O Regresso” 
Eddie Redmayne, “A Garota Dinamarquesa”
Michael Fassbender, “Steve Jobs”
Matt Damon, “Perdido em Marte”

ATRIZ

Cate Blanchett, “Carol”
Brie Larson, “O Quarto de Jack” 
Jennifer Lawrence, “Joy: O Nome do Sucesso”
Charlotte Rampling, “45 Anos”
Saoirse Ronan, “Brooklyn”

ATOR COADJUVANTE

Christian Bale, “A Grande Aposta”
Tom Hardy, “O Regresso”
Mark Ruffalo, “Spotlight – Segredos Revelados”
Mark Rylance, “Ponte dos Espiões”
Sylvester Stallone, “Creed: Nascido Para Lutar”

ATRIZ COADJUVANTE

Jennifer Jason Leigh, “Os Oito Odiados”
Rooney Mara, “Carol”
Rachel McAdams, “Spotlight”
Alicia Vikander, “A Garota Dinamarquesa”
Kate Winslet, “Steve Jobs”

ROTEIRO ORIGINAL

“Ponte dos Espiões”
“Ex-Machina: Instinto Artificial”
“Divertida Mente”
“Spotlight: Segredos Revelados”
“Straight Outta Comptom – A História de N.W.A.”

ROTEIRO ADAPTADO

“A Grande Aposta” 
“Brooklyn”
“Carol”
“Perdido em Marte”
“O Quarto de Jack”

ANIMAÇÃO

“Anomalisa”
“O Menino e o Mundo”
“Divertida Mente”
“Shaun, o Carneiro”
“As Memórias de Marnie”

DOCUMENTÁRIO

“Amy”
“Cartel Land”
“The Look of Silence”
“O Que Aconteceu, Miss Simone?”
“Winter on Fire”

FILME ESTRANGEIRO

“O Abraço da Serpente” (Colômbia)
“Cinco Graças” (França)
“O Filho de Saul” (Hungria) 
“Theeb” (Jordânia)
“A War” (Dinamarca)

CANÇÃO ORIGINAL

“Earned It”, de “Cinquenta Tons de Cinza” (Abel Tesfaye/Ahmad Balshe/Jason Daheala/Stephan Moccio)
“Manta Ray”, de “A Corrida contra a Extinção” (J. Ralph/Antony Hegarty)
“Simple Song #3”, de “Juventude” (David Lang)
“Til It Happens To You”, de “The Hunting Ground” (Diane Warren/Lady Gaga)
“Writing’s On The Wall”, de “007 contra Spectre” (Jimmy Napes/Sam Smith) 

TRILHA SONORA ORIGINAL

“Ponte dos Espiões” (Thomas Newman)
“Carol” (Carter Burwell)
“Os Oito Odiados” (Ennio Morricone) 
“Sicário: Terra de Ninguém” (Jóhann Jóhannsson)
“Star Wars: O Despertar da Força” (John Williams)

FOTOGRAFIA

“Carol” (Ed Lachman)
“Os 8 Odiados” (Robert Richardson)
“Mad Max: Estrada da Fúria” (John Seale)
“O Regresso” (Emmanuel Lubezki)
“Sicário: Terra de Ninguém” (Roger Deakins)

MONTAGEM

“A Grande Aposta” (Hank Corwin)
“Mad Max: Estrada da Fúria” (Margaret Sixel) 
“O Regresso” (Stephen Mirrione)
“Spotlight: Segredos Revelados” (Tom McArdle)
“Star Wars: O Despertar da Força” (Maryann Brandon e Mary Jo Markey)

FIGURINO

“Carol” – Sandy Powell
“Cinderella” – Sandy Powell
“A Garota Dinamarquesa” – Paco Delgado
“Mad Max: Estrada da Fúria” 
“O Regresso” – Jacqueline West

DESIGN DE PRODUÇÃO

“Ponte dos Espiões”
“A Garota Dinamarquesa”
“Mad Max: Estrada da Fúria” 
“Perdido em Marte”
“O Regresso”

MAQUIAGEM E CABELO

“Mad Max: Estrada da Fúria” (Lesley Vanderwalt, Elka Wardega e Damian Martin)
“O Centenário que Pulou da Janela e Desapareceu” (Love Larson e Eva von Bahr)
“O Regresso” (Siân Grigg, Duncan Jarman e Robert Pandini)

EFEITOS VISUAIS

“Ex Machina” 
“Mad Max: Estrada da Fúria”
“Perdido em Marte”
“O Regresso”
“Star Wars: O Despertar da Força”

EDIÇÃO DE SOM

“Mad Max: Estrada da Fúria” 
“Perdido em marte”
“O Regresso”
“Sicário: Terra de Ninguém”
“Star Wars: O Despertar da Força”

MIXAGEM DE SOM

“Ponte dos Espiões”
“Mad Max: Estrada da Fúria”
“Perdido em Marte”
“O Regresso”
“Star Wars: O Despertar da Força”

CURTA DE ANIMAÇÃO

“Bear Story” 
“World of Tomorrow”
“Prologue”
“We Can’t Live Without Cosmos”
“Os Heróis de Sanjay”

DOCUMENTÁRIO EM CURTA-METRAGEM

“Body Team 12”
“Chau, beyond the Lines”
“Claude Lanzmann: Spectres of the Shoah”
“A Girl in the River: The Price of Forgiveness”
“Last Day of Freedom”

CURTA-METRAGEM

“Ave Maria”
“Day One”
“Everything Will Be Okay (Alles Wird Gut)”
“Shok”
“Stutterer” 

.

Bônus

.

 

 

Rachel McAdams at the Oscars 2016

Tivemos Regina George aos prantos…

Ennio Morricone at the Oscars 2016

… Ennio Morricone provando que a justiça tarda, mas não falha…

Jacob Tremblay at the Oscars 2016

… Jacob Tremblay recebendo o prêmio de pessoa mais fofa…

Bear at the Oscars 2016

… a ursa de “O Regresso” como convidada após ser esnobada nas indicações…

Leonardo DiCaprio at the Oscars 2016

… Leonardo DiCaprio condenando toda uma geração de memes…

Glória Pires Comentarista Oscar 2016

… e Glória Pires como a melhor comentarista do Oscar que já existiu.

 

2 Comments

Follow

Get every new post on this blog delivered to your Inbox.

Join other followers:

%d blogueiros gostam disto: