Skip to content

Resenha Crítica | O Ídolo (2015)

Ya tayr el tayer, de Hany Abu-Assad

.:: 40ª Mostra Internacional de Cinema em São Paulo ::.

Quem acompanha competições musicais de calouros como “The Voice” e “The X-Factor” sabe que os responsáveis não economizam nos subterfúgios para reforçar a história de vida de seus competidores, logo convertendo a exposição de suas vozes como um mero pretexto para narrar uma história de superação. Funciona de algum modo, pois nada melhor do que ouvir a interpretação de uma grande música com um histórico de vida a acompanhando. Agora transferir todos esses recursos para se fazer um filme é algo completamente diferente.

Tendo dois filmes como finalista ao Oscar de Melhor Filme Estrangeiro (“Paradise Now” e “Omar”), o israelense Hany Abu-Assad nunca pareceu tão desesperado para seduzir um público fora de seu país quanto em “O Ídolo”. Nele, traz a história verídica de Mohammed Assaf, morador de Gaza que se notabilizou ao se inscrever no Arab Idol.

Vivido na infância por Kais Attalah, Assaf lutou desde cedo pelo bem estar de sua irmã mais nova Nour (a graciosa Hiba Attalah, a melhor coisa do filme), com quem formava um conjunto musical com planos de ganhar o mundo. Uma tragédia se abateu sobre ela e, na fase adulta, Assaf, agora na pele de Tawfeek Barhom, busca por uma reparação além dos bicos como cantor de casamento, logo lutando por uma candidatura no concurso que o notabilizará.

A história de Assaf é riquíssima porque também abalou as estruturas políticas de onde veio, jogando os holofotes especialmente pelo modo de vida precário e opressor dos palestinos. O problema é que “O Ídolo” passa quase batido por essas características do biografado, preferindo priorizar o lado edificante de sua jovem e expressiva trajetória. Assim, dá-lhe situações de vergonha alheia extrema, como aquelas em que ele encanta o funcionário de um aeroporto e um competidor apenas com a amostra de sua voz. Melhor evitar o mico e caçar no YouTube as performances na íntegra de Assaf, algo que “O Ídolo” sequer é capaz de oferecer.

Be First to Comment

Follow

Get every new post on this blog delivered to your Inbox.

Join other followers:

%d blogueiros gostam disto: