Os Cinco Filmes Prediletos de Rubens Francisco Lucchetti

Se você é um leitor assíduo, Rubens Francisco Lucchetti, ou R. F. Lucchetti, é um nome que certamente passou por sua bagagem literária. Com mais de mil livros de sua autoria publicados, o escritor nascido em Santa Rita do Passa Quatro é o grande Mestre do Horror brasileiro, tendo iniciado o ofício quando ainda era pré-adolescente e construído uma carreira não somente com romances, mas também com histórias em quadrinhos, a editoria de jornais e revistas, a produção de programas radiofônicos, entre tantas outras ocupações criativas.

Com a criação de uma conta no Facebook, vinda após o rompimento de um hiato, uma nova luz de fascínio foi lançada sobre Lucchetti e a sua obra, estabelecendo um contato direto com os seus inúmeros fãs a partir de pensamentos sobre a vida e a literatura de horror ao mesmo tempo em que exerce a sua invejável vitalidade aos 87 anos prosseguindo ininterruptamente com a escrita.

O meu primeiro contato com o universo assombrado de Lucchetti veio com a Série Vaga-Lume a partir de “O Fantasma de Tio William”, que segue por novas gerações como um de seus livros mais queridos. Mais recente é o meu acesso aos seus feitos como roteirista de cinema. Foi durante uma rápida conversa que tive com o Ivan Cardoso após a exibição de “O Segredo da Múmia” na Mostra Cinema de Invenção, realizada no fim de novembro de 2016 no CineSesc, que pensei em contatar o Lucchetti para a participação desta seção do Cine Resenhas.

Também aficionado por cinema desde novo, chegou a ser co-fundador do Clube de Cinema de Ribeirão Preto e gerente do Cine Centenário no início dos anos 1960, à época uma popular sala de cinema situada no centro de Ribeirão Preto. Ainda hoje, explicita o seu lado cinéfilo em postagens públicas e em entrevistas, sendo o terror, assim como na literatura, o seu gênero favorito. É o que demonstra em uma seleção de filmes que o marcaram, disponível a seguir.

Em tempo: além de um site, é possível contatar e solicitar livros com o próprio Lucchetti em seu perfil no Facebook. Na compra direta com o Mestre, os títulos, como os da Coleção R. F. Lucchetti lançada pelo selo Editorial Corvo, são acompanhados com dedicatórias.

.

Sangue de Pantera, de Jacques Tourneur (Cat People, 1942)

Foi o primeiro filme da série de Horror produzida por Val Lewton nos anos 1940 para a RKO.

Eu o assisti por volta de 1948 num cinema de Ribeirão Preto (interior do estado de São Paulo). E logo percebi o quanto eram banais as fitas de Horror que havia visto até então.

É um filme em que o horror é conseguido por meio de ruídos ou sombras. Ou seja, como o horror deve ser: totalmente subjetivo.

A fita conta com a presença da enigmática Simone Simon. Ela e a inglesa Barbara Steele são os dois maiores expoentes femininos do Horror cinematográfico.

Olhos Diabólicos, de Mario Bava (La ragazza che sapeva troppo, a.k.a. A Garota Que Sabia Demais, 1963)

Com esse filme, Maria Bava inaugurou um novo gênero cinematográfico: o Giallo, que é o filme de Suspense à italiana.

É uma fita insuperável.

Tem uma sequência que merece figurar em qualquer antologia cinematográfica: a da jovem norte-americana que presencia, de madrugada, um assassinato numa praça (cheia de escadarias) em Roma. É uma sequência em que sentimos a presença do diretor  e do fotógrafo Maria Bava.

Le Frisson des Vampires, de Jean Rollin (idem, 1971)

É, sem dúvida, o mais surrealista dos filmes do surrealista Jean Rollin.

Quando você assiste a essa fita, tem a impressão de estar sonhando ou delirando. Porque, como em todo sonho ou delírio, tudo é irreal, mas você vê como se fosse real e natural.

Há uma sequência que destaco: a da mulher-vampiro saindo de dentro de um carrilhão.

O Magnífico, de Philippe de Broca (Le magnifique, 1973)

Quando assisti a esta fita, imediatamente vi-me retratado no personagem principal, um autor de livros populares (interpretado por Jean-Paul Belmondo). Até parecia que eu estava vendo nas telas a minha biografia.

O filme conta com a presença de Jacqueline Bisset no auge de sua beleza.

De Olhos Bem Fechados, de Stanley Kubrick (Eyes Wide Shut, 1999)

O filme-testamento de Stanley Kubrick.

Penso que é uma das fitas mais intrigantes da história do Cinema.

É um filme que você jamais esquece. E, a cada vez que você o assiste, faz uma nova leitura dele. É uma fita que deixa o espectador num permanente estado de expectativa.

Para mim, é a grande obra-prima dos anos 1990.

.

Sobre Alex Gonçalves
Editor do Cine Resenhas desde 2007, Alex Gonçalves é estudante de Jornalismo e viciado em música, fotografia, leitura e escrita. Mais informações na página "Sobre".

Be the first to comment

Comente

Follow

Get every new post on this blog delivered to your Inbox.

Join other followers: