10 Filmes Para Assistir no É Tudo Verdade 2017

Na ativa há 22 edições, o festival É Tudo Verdade chega hoje em São Paulo e no Rio de Janeiro apresentando uma seleção que representa 30 países dentro de 82 títulos – desse total, há 16 estreias mundiais. Além de documentários produzidos no último ano, há uma preocupação com o resgate de outras produções que também apresentaram em suas épocas o compromisso com o registro de uma verdade, como comprova desde a Retrospectiva Internacional – 100: De Volta à URSS até a homenagem ao documentarista brasileiro Sergio Muniz.

Além da exibição de filmes, a nova edição do É Tudo Verdade ainda promoverá algumas atividades paralelas que pretendem enaltecer a produção do documentário quanto a sua valia para a abertura de novas janelas. Caso da oficina O Que é o Documentário?, ministrada por Patrícia Rebello da Silva no Rio de Janeiro dia 20 na FAETEC, e em São Paulo por Sergio Rizzo no dia 29, na Escola Estadual Prof.ª Maria Luiza De Andrade Martins Roque. Merece destaque também a Mesa Elviras, encontro no dia 21 de abril, às 17h, no Centro Cultural São Paulo, do coletivo de mulheres críticas de cinema com realizadoras e o público.

Fundador e diretor do É Tudo Verdade, Amir Labaki acredita que o festival é perfeito para um momento em que a mídia acaba borrando o seu compromisso com a audiência para atender a interesses particulares. “Contra a confusão que desumaniza, nada melhor do que o olhar original sobre a realidade de um cineasta com sua câmera. É  por meio deles que o É Tudo Verdade espelha o mundo”, reflete Labaki.

O Cine Resenhas pretende fazer uma breve cobertura neste ano do É Tudo Verdade. Para iniciá-la, há a recomendação a seguir de 10 produções imperdíveis presentes na programação, constando as suas sinopses, as razões para assisti-las e as informações sobre as sessões tanto em São Paulo quanto no Rio.

.

Cidade de Fantasmas (Dir.: Matthew Heineman, EUA, 2016, 90 min.)

A câmera do premiado cineasta Matthew Heineman volta-se para os jornalistas ativistas do grupo Raqqais Being Slaughtered Silently (RBSS – Raqqa Está Sendo Assassinada Silenciosamente), que arriscam a vida diariamente para registrar em vídeos e fotos as atrocidades do Estado Islâmico, que tomou sua cidade, na Síria, em março de 2014, tornando-a sua “capital”.

Por que assistir?: indicado ao Oscar por “Cartel Land”, Matthew Heineman parte agora para um registro ainda mais radical, expondo uma crueldade humana que poucas câmeras não se intimidam a captar. Exibido em competição no último Festival de Sundance, o título foi selecionado para a abertura do É Tudo Verdade 2017.

Sessões:
São Paulo | Cinearte: 21/04 (19h)
Rio de Janeiro | Espaço Itaú Botafogo 23/04 (17h)
.

Mexeu Com Uma, Mexeu Com Todas (Dir.: Sandra Werneck, Brasil, 2017, 71 min.)

Reunindo depoimentos de vítimas e sobreviventes, o documentário coloca em pauta o abuso sexual. Depoentes como a farmacêutica Maria da Penha – que empresta o nome à lei de 2006 que criminaliza a violência contra a mulher –, a nadadora Joana Maranhão, a ex-modelo Luíza Brunet, a escritora Clara Averbuck e várias outras mulheres constroem suas narrativas.

Por que assistir?: afeita a obras de ficção de sucesso como “Pequeno Dicionário Amoroso” e “Cazuza: O Tempo Não Pára”, Werneck também apresenta em sua filmografia documentários que fazem uma investigação sobre anônimos em situações delicadas, como em “Meninas”, de 2006. Com sua nova obra, debate um tema hoje em alta tanto na grande mídia quanto em interações do cotidiano.

Sessões:
São Paulo | Cinearte: 26/04 (21h) e 28/04 (15h)
Rio de Janeiro | Espaço Itaú Botafogo: 25/04 (21h) e 26/04 (20h)

.

Abacus: Pequeno o Bastante para Condenar (Dir.: Steve James, EUA, 2016, 88 min.)

Steve James mergulha no singular processo da família Sung de imigrantes chineses, donos do banco Abacus Federal Savings, acusados de fraude hipotecária em 2012 pelo procurador-geral de Nova York, Cyrus Vance Jr., na esteira da grave crise financeira de 2008.

Por que assistir?: o documentário é assinado pelo prestigiado Steve James, até hoje celebrado por “Basquete Blues”, uma referência para as produções de não-ficção. O americano é também conhecido por “Life Itself – A Vida de Roger Ebert” e com “Abacus” ganhou o segundo lugar na categoria de melhor documentário no último Festival de Toronto pelo voto do público.

Sessões:
São Paulo | Cinearte 21/04 (17h) e 28/04 (17h)
Rio de Janeiro | Espaço Itaú Botafogo 22/04 (14h) e 24/04 (19h) | Espaço Cultural BNDES 28/04 (19h)

.

Se Você Contar (Dir.: Roberta Fernandes, Brasil, 2017, 29 min.)

Cinco mulheres dispõe-se a contar experiências de abuso sexual, sofridas por elas mesmas ou outras que não conseguiram expor-se diante da câmera. O filme retrata oito histórias que têm em comum detalhes impactantes, como o fato de que a maior parte dos casos não chega à polícia.

Por que assistir?: bem como “Mexeu com Uma,  Mexeu com Todas”, obra de Sandra Werneck presente nesta seleção recomendada, Roberta Fernandes também destaca a posição de mulheres em contextos de violência, aqui diretamente influenciada pelo formato de relatos de “Jogo de Cena“, de Eduardo Coutinho.

Sessões:
São Paulo | Cinearte 27/04 (17h) | Itaú Cultural 30/04 (17h)
Rio de Janeiro | Espaço Itaú Botafogo 25/04 (15h) e 26/04 (14h)

.

A Sibéria Não é Tão Gélida (Dir.: Isabel Coixet, Espanha, 2016, 20 min.)

Quando a cineasta Isabel Coixet viaja pelo interior da Sibéria, para participar do júri de um festival de cinema, acontecem-lhe coisas inusitadas. Ela é tomada por sonhos estranhos e encontra um homem, de aparência amável, que lhe entrega uma sacola cheia de fotografias. Em cada uma delas, anotou cuidadosamente a data e o local onde foram tiradas.

Por que assistir?: o curta é assinado pela cineasta catalã Isabel Coixet, a mesma dos excelentes “Minha Vida Sem Mim”, “A Vida Secreta das Palavras” e dos recentes “Assumindo a Direção” e “Ninguém Deseja a Noite“.

Sessões:
São Paulo | Reserva Cultural 21/04 (14h) | Cinearte 24/04 (15h)
Rio de Janeiro | Espaço Itaú Botafogo 20/04 (14h) e 21/04 (14h)

.

Rito de Passagem/Los Ninos (Dir.: Maite Alberdi, Chile, 2016, 83 min.)

Um grupo de amigos com síndrome de Down, na faixa dos 50 anos, encara um momento de mudança. Frequentando a mesma escola, com as mesmas rotinas há quatro décadas, já não podem contar com seus pais. Todos sonham em encontrar um trabalho, ter uma vida independente e formar família.

Por que assistir?: especialistas apontam que um indivíduo com Síndrome de Down tem hoje uma expectativa de vida de 60 anos. Latino-americano, o documentário de Maite Alberdi apresenta uma perspectiva pouco explorada de portadores que estão em uma fase tão delicada de suas existências.

Sessões:
São Paulo | Centro Cultural São Paulo (CCSP) 25/04 (17h) | Itaú Cultural 26/04 (20h)
Rio de Janeiro | Instituto Moreira Salles 26/04 (17h) | Espaço Itaú Botafogo 27/04 (15h)

.

78/52 (Dir.: Alexandre O. Philippe, EUA, 2017, 91 min.)
O documentário dedica seus 90 minutos à minuciosa análise de uma das cenas mais famosas da história do cinema: o assassinato, sob o chuveiro, do suspense “Psicose” (1960), de Alfred Hitchcock. Exploram-se inúmeros aspectos da sequência que, completa, não ultrapassa três minutos, o que não impediu, na época do lançamento, que o público gritasse ao vê-la nas salas.

Por que assistir?: além de se debruçar diante da mais emblemática cena do gênero, o documentarista Alexandre O. Philippe reúne depoimentos de nomes como Peter Bogdanovich, Jamie Lee Curtis, Guillermo del Toro, Danny Elfman, Bret Easton Ellis, Mick Garris, entre outros.

Sessões:
São Paulo | Cinearte 28/04 (19h) e 30/04 (15h)
Rio de Janeiro | Espaço Itaú Botafogo 22/04 (22h) e 25/04 (19h)

.


Já Visto, Jamais Visto (Dir.: Andrea Tonacci, Brasil, 2013, 54 min.)
Revirando seu arquivo de imagens acumuladas ao longo de quase 50 anos, o cineasta Andrea Tonacci permite-se o exercício de uma revisita ao seu próprio sentido e também à sua existência e seu passado. Fotografias, vídeos familiares, trechos de filmes concluídos ou obras inacabadas passam diante dos olhos, convidando o espectador a mergulhar neles.

Por que assistir?: a exibição de “Já Visto, Jamais Visto” será uma homenagem póstuma a Andrea Tonacci, italiano radicado no Brasil falecido em 2016 e um dos principais expoentes do Cinema de Invenção, do qual a sua obra mais notória é o clássico “Bang Bang”.

Sessões: 
São Paulo | Cinearte 24/04 (17h)
Rio de Janeiro | Espaço Itaú Botafogo 27/04 (19h)

.


Laerte-se (Dir.: Lygia Barbosa da Silva e Eliane Brum, Brasil, 2017, 101 min.) 
Perfil da transgênero mais famosa do Brasil, a cartunista Laerte, que fala das particularidades de sua vida desde que decidiu viver como mulher, em 2009. Suas relações familiares, o apoio de amigos e familiares, as mudanças de seus personagens e suas posições políticas fazem parte das conversas.

Por que assistir?: mesmo que a transição de Laerte tenha sido abertamente falada a partir de entrevistas ou mesmo com a sua presença em curtas e documentários, a realização, que terá no É Tudo Verdade a sua première mundial, promete ser um testamento definitivo sobre a atual fase vivida pelo artista, especialmente pelo olhar sempre investigativo da co-diretora Eliane Brum.

Sessões:
São Paulo | Reserva Cultural 22/04 (23h15) | Centro Cultural São Paulo (CCSP) 29/04 (18h)
Rio de Janeiro | Espaço Itaú Botafogo 25/04 (22h) e 28/07 (19h)

.

Elegia Soviética (Dir.: Aleksandr Sokurov, Rússia, 1989, 35 min.)
No centro desta meditação realizada no ocaso da URSS, desfilam retratos de mais de uma centena de líderes soviéticos, tanto conhecidos – como Lênin, Trótski e Stálin – quanto hoje obscuros. Destacando-se dos demais, Borís Iéltsin, então caído em desgraça, é acompanhado por Sokúrov em três momentos distintos.

Por que assistir?: trata-se de um dos primeiros trabalhos de Sokurov, de “Arca Russa” e “Pai e Filho”. O curta-metragem faz parte da Retrospectiva Internacional 100: De Volta à URSS, programa que traz obras especialmente disponibilizadas para o É Tudo Verdade por associações estrangeiras de preservação.

Sessões: 
São Paulo | Reserva Cultural 26/04 (20h) | Cinemateca 30/04 (20h)
Rio de Janeiro | Espaço Itaú Botafogo 26/04 (18h) | Instituto Moreira Salles 30/04 (19h)

.

Serviço:

É Tudo Verdade 2017 – 22º Festival Internacional de Documentários
Em salas de São Paulo e do Rio de Janeiro
De 19 a 30 de abril
Entrada: Gratuita
+ informações: http://etudoverdade.com.br/