Resenha Crítica | Doidas e Santas (2016)

Doidas e Santas, de Paulo Thiago

A mais popular cronista do país, Martha Medeiros ainda assim não foi adaptada como merece para o cinema, tevê e teatro. Mas a razão é compreensível. Como fuga da realidade, as narrativas cinematográficas nem sempre se interessam pelo tom de crônica, por aquela história de gente como a gente em cotidianos sem os encantos que gostamos de fantasiar.

Além do mais, como adaptar para a ficção um texto de prosa tão particular, vindo de uma experiência íntima de seu autor? Definitivamente não é uma missão fácil, mas o veterano diretor e roteirista Paulo Thiago, muito perspicaz na harmonia de cores e que faz bom uso de echarpes como símbolo de recato, dá conta do recado em “Doidas e Santas”.

Como Beatriz, a carismática Maria Paula recebe em “Doidas e Santas” o seu primeiro desafio como protagonista no cinema, exigindo uma faceta além da cômica. Mesmo sendo um modelo de mulher que terceiros categorizariam como bem-sucedido, Beatriz tem vários pontos desalinhados em sua vida privada.

Mesmo psicanalista, ela se vê com tantas crises quanto os seus pacientes. Beatriz sente que que a chama da paixão se dissipou em um casamento sustentado há anos com Orlando (Marcelo Faria), tem uma filha única (Luana Maia) que não a respeita e uma irmã, Berenice (Georgiana Góes), desinteressada em dividir com ela a responsabilidade de ficar de olho em uma mãe (Nicette Bruno) já naquela idade em que não se pode deixar sem uma mediação.

Como comédia, “Doidas e Santas” às vezes fica devendo. Os desentendimentos entre irmãs rendem alguns risos pela naturalidade com os quais são encenados por Maria e Georgina. Já os personagens secundários nem sempre correspondem, a exemplo da melhor amiga fitness interpretada por Flávia Alessandra.

Melhor mesmo quando, assim como na vida, a linha entre o humor e o drama se mostra tênue, correspondendo tão bem ao prazer reconfortante e consolador da crônica. Lá para a metade final, “Doidas e Santas” chega a igualar “Divã”, especialmente por ser tão inesperado nas tragédias que o cotidiano nos faz engolir sem aviso prévio e nas surpresas que pregamos a nós mesmos quando reconsideramos uma felicidade idealizada. São algumas das reflexões que se exige de uma crônica, não é mesmo?

.

Data:
Filme:
Doidas e Santas
Avaliação:
31star1star1stargraygray
Sobre Alex Gonçalves
Editor do Cine Resenhas desde 2007, Alex Gonçalves é estudante de Jornalismo e viciado em música, fotografia, leitura e escrita. Mais informações na página "Sobre".

1 Comentário em Resenha Crítica | Doidas e Santas (2016)

  1. Esse filme estreou nesta semana aqui em Natal, mas confesso que não tenho muito interesse em assistir.

Comente

Follow

Get every new post on this blog delivered to your Inbox.

Join other followers: