Resenha Crítica | Berenice Procura (2017)

Berenice Procura, de Allan Fiterman

.:: 41ª Mostra Internacional de Cinema em São Paulo ::.

Já adaptado para o cinema com “Achados e Perdidos”, o escritor Luiz Alfredo Garcia Roza tem um fascínio tão particular pela cenário carioca que quase o transforma em um noir com uma explosão de neon. É essa a atmosfera preservada por Allan Fiterman em “Berenice Procura”, versão do romance homônimo de Roza publicado em 2005.

Como em um típico mistério, a história começa com um corpo sem vida abandonado na praia de Copacabana. Não se faz mistério quanto a identidade dele: Isabelle (Valentina Sampaio), uma trans que colecionou amantes, admiradores e detratores a partir de suas apresentações artísticas no clube noturno gerenciado com mão de ferro por Greta (Vera Holtz).

.

A princípio uma mulher um tanto perdida como a mãe de Tiago (Caio Manhente), a esposa de Domingos (Eduardo Moscovis) e até mesmo como taxista, função “herdada” de seu pai, a curiosidade de Berenice (Cláudia Abreu) a faz não somente a assumir por conta própria a investigação de quem está por trás do crime ao ter ciência do envolvimento de seu filho com Isabelle. Ela também passa a ser os olhos que guiarão o público nos desdobramentos do mistério.

Verdade que Allan Fiterman, com base no texto de Flávia Guimarães e José Carvalho, não é um Guilherme de Almeida Prado ao assumir as rédeas de um thriller, pois não há muitos personagens para se apontar os dedos em “Berenice Procura” e a vocação detetivesca da protagonista toma um tempo muito breve na narrativa. Incomoda também a inserção de Russo, personagem que Emilio Dantas vive com todos os trejeitos de seu Rubinho da novela “A Força do Querer”.

Por outro lado, é a evolução surpreendente de um cineasta cujo filme anterior foi a comédia “Embarque Imediato”, com domínio perceptível da mise-en-scène (há um jogo de luzes que reparte a tela como se fosse um split-screen) e o entendimento das consequências dos crimes passionais, principalmente no contexto do universo LGBT – diretor de “Tatuagem”, Hilton Lacerda supervisionou o roteiro. Está quase tudo no lugar em “Berenice Procura” e a sua conclusão, mesmo previsível para alguns, é particularmente impactante.

.

Data:
Filme:
Berenice Procura
Avaliação:
31star1star1stargraygray
Sobre Alex Gonçalves
Editor do Cine Resenhas desde 2007, Alex Gonçalves é estudante de Jornalismo e viciado em música, fotografia, leitura e escrita. Mais informações na página "Sobre".

Be the first to comment

Comente

Follow

Get every new post on this blog delivered to your Inbox.

Join other followers: