Resenha Crítica | A Morte Te Dá Parabéns! + Antes Que Eu Vá (2017)

Happy Death Day, de Christopher Landon
Before I Fall, de Ry Russo-Young

Produzida em 1993, a comédia “Feitiço do Tempo” segue citada como uma base popular quando se lança filmes presos ao conceito da repetição de um dia ou de um período específico. Hoje, a ideia é apropriada cada vez com maior frequência, em algumas ocasiões sendo usada somente para o pretexto de justificar uma repetição de ações que moveram o personagem central a uma moral específica.

“A Morte Te Dá Parabéns!” e “Antes Que Eu Vá” vão pelo caminho fácil de estabelecer como dia contínuo aquele em que as suas protagonistas são mortas, com o elemento fantástico se manifestando como uma oportunidade (melhor, várias delas) para acertarem as contas com o responsável direto respectivamente por um crime e por uma tragédia. Mas é também a “intervenção” para reverem as suas falhas de caráter e assim repará-las progressivamente.

Em “A Morte Te Dá Parabéns!”, Christopher Landon, com base no roteiro de Scott Lobdell, parte de um registro claramente mais descompromissado, como se tivesse satirizando não exatamente o slasher movie, mas sim o noventista teen horror, movimento instaurado por Wes Craven a partir da franquia “Pânico”. Caso inclusive fosse concebido para aquela época, é certo que “A Morte Te Dá Parabéns!” seria hoje exaltado como uma obra de culto.

Embora tenha um ser mascarado perseguindo a pueril Tree Gelbman (a excelente Jessica Rothe, que foi uma das amigas de Emma Stone em “La La Land: Cantando Estações“), o interesse aqui é em avaliar os tipos comportamentais que compõem as fraternidades americanas, das moças que ditam padrões aos menos populares. É justamente no grupo dos alunos aplicados e fechados que Tree encontrará um aliado, Carter (Israel Broussard), a partir do instante em que percebe sempre voltar ao mesmo dia em que é assassinada por um maníaco, iniciando assim uma investigação para saber quem quer matá-la e por qual razão.

O suspense e o humor não têm vez em “Antes Que Eu Vá”, como deixa muito clara a fotografia lúgubre de Michael Fimognari, braço direito do cineasta de horror Mike Flanagan. Nesta adaptação do romance de Lauren Oliver, que chegou aos cinemas brasileiros no primeiro semestre de 2017, a diretora Ry Russo-Young (de “Caminho Para o Coração”), também lida com uma personagem principal que não ganha do público uma empatia imediata. Pois logo Samantha (Zoey Deutch, outra atriz notável) reavalia a adolescente popular e mesquinha que se transformou ao reconhecer que reprisa o dia em que perdeu a vida em um acidente de carro, paulatinamente admitindo que ser uma pessoa amável e cordial talvez seja muito mais interessante do que meramente inferiorizar aqueles que a cercam por diferenças banais.

São assim dois exemplares que partem de um mesmo argumento para atingir resultados inesperados. Se em “A Morte Te Dá Parabéns!” temos um dos filmes mais divertidos da recente safra com todas as suas reviravoltas bem pregadas e um senso de humor nada óbvio, “Antes Que Eu Vá” discute a juventude e o bullying tão presente nela imaginando um plano de consciência, na qual a paz só é plena quando aprendemos a fazer uma transformação positiva em nossos círculos sociais. Duas surpresas do último ano definitivamente imperdíveis.

Data:
Filme:
A Morte Te Dá Parabéns! + Antes Que Eu Vá
Avaliação:
41star1star1star1stargray
Sobre Alex Gonçalves
Editor do Cine Resenhas desde 2007, Alex Gonçalves é estudante de Jornalismo e viciado em música, fotografia, leitura e escrita. Mais informações na página "Sobre".

Be the first to comment

Comente

Follow

Get every new post on this blog delivered to your Inbox.

Join other followers: