Hairspray – E Éramos Todos Jovens Vs. Hairspray – Em Busca da Fama

Hairspray

E o Cine Resenhas não poderia se despedir do mês de junho sem a terceira edição do Filme Vs. Filmes, uma seção que aparecerá mensalmente por aqui. Mas se nos comentários anteriores o destaque foi para produções cujas refilmagens não atingiram a mesma qualidade da obra original, vamos mudar um pouco o quadro agora. Embora “Hairspray – E Éramos Todos Jovens” e “Hairspray – Em Busca da Fama” estejam relacionados com uma mesma cotação vale ressaltar que a refilmagem de Adam Shankman acaba levando a melhor na batalha com o filme de John Waters. Saiba o porquê a seguir.

Hairspray - E Éramos Todos Jovens

HAIRSPRAY – E ÉRAMOS TODOS JOVENS

Essa comédia de John Waters se passa no início da década de 1960 e o centro da ação é a atração televisiva “Corny Collins Show”. É para este programa que a garota Tracy Turnblad (Ricki Lake) tenta a todo custo participar para mostrar que é boa de dança. A história do próprio Waters, que evolui muito pouco, rendeu para si algum destaque comercial, pois foi o seu primeiro filme a chamar a atenção um pouco maior de público. E esse reconhecimento foi tamanho que até a Broadway fez uma montagem musical com base nesta produção. É um filme divertido, muito fiel ao espírito sessentista e que atinge bons momentos de humor, como o clímax com a bomba relógio dentro da peruca da Deborah Harry, que aqui faz a vilã Velma Von Tussle.

Título Original: Hairspray
Ano de Produção: 1988
Direção: John Waters
Elenco: Ricki Lake, Divine, Jerry Stiller, Deborah Harry, Michael St. Gerard, Leslie Ann Powers, Mink Stole, Shawn Thompson, Alan J. Wendl, Joann Havrilla, Sonny Bono, Ruth Brown e Colleen Fitzpatrick.
Cotação: 3 Stars

Hairspray - Em Busca da FamaHAIRSPRAY – EM BUSCA DA FAMA

Se não fosse o excesso de alguns números musicais (todos envolvendo o amor dos personagens de Nikki Blonsky e Zac Efron e aquela da passeata liderada por Queen Latifah são enjoativos) o remake “Hairspray – Em Busca da Fama” seria perfeito. O diretor Adam Shankman, que se mostrou eficiente no comando de “Um Amor Para Recordar” e “A Casa Caiu”, se inspirou bastante na história de John Waters (que aparece aqui em ponta relâmpago) e seguiu a tradição de trazer Edna Turnblad no corpo de um ator sob pesada maquiagem (John Travolta herda o papel que antes nos cinemas fora do travesti Divine), mas foi mais feliz em trazer para a sua realização as letras musicais da montagem na Broadway. O elenco é perfeito e o desfecho, com quase todos os personagens cantando “You Can’t Stop the Beat”, é um dos mais irresistíveis da década.

Título Original: Hairspray
Ano de Produção: 2007
Direção: Adam Shankman
Elenco: Nikki Blonsky, John Travolta, Michelle Pfeiffer, Christopher Walken, Amanda Bynes, James Marsden, Queen Latifah, Zac Efron, Brittany Snow, Elijah Kelley e Allison Janney.
Cotação: 3 Stars

Sobre Alex Gonçalves
Editor do Cine Resenhas desde 2007, Alex Gonçalves é estudante de Jornalismo e viciado em música, fotografia, leitura e escrita. Mais informações na página "Sobre".

19 Comentários em Hairspray – E Éramos Todos Jovens Vs. Hairspray – Em Busca da Fama

  1. Eu ainda não vi a versão original, mas o mais recente é ótimo, sem dúvida um dos melhores musicais dos últimos anos (melhor que coisas como “Dreamgirls”, por exemplo). E concordo em relação a “You Can’t Stop the Beat”.

  2. Estou com o DVD de Hairspray remake aqui, mas está arranhado e perde 9 minutos de filme. Por isso ainda não vi.
    Quero ver o original do John Waters. Veja dele Cecil bem demente. Hilário!

  3. só vi o Em Busca da Fama, gosto muito dele, mas não acho nenhuma coisa maravilhosa e, para mim, seu maior trunfo é Nikki Blonski e não a dupla Travolta/Pfeifer.

    abraços

  4. Vi os dois, e o melhor sem dúvida é o filme de John Waters ( aliás, sua filmografia é muito interessante) No filme de 2007, com excessão da Nikki Blonski tudo é caricatura e a o pior de todos é John Travolta que merecia passar sem essa. Pra mim não tem comparação com o cinema de Waters.

  5. Cassiano, deveria assistir…

    Cleber, que bacana! Eu gostaria de ir.

    Vinícius, como assim “coisas como “Dreamgirls”? Esse filme é ótimo! Ruim mesmo é “Mamma Mia!” e “Os Produtores”.

    Ibertson, eu adoraria assistir “Cecil Bem Demente”, mas eu só encontrei o filme sem legendas em português na Internet. :(

    Mandy, musical é um dos meus gêneros prediletos de cinema.

    Brenno, gosto de todo o elenco de “Hairspray – Em Busca da Fama” em igual. Mas o filme não é mesmo toda essa maravilha. Abraços!

    Marcelo, “Mamãe é de Morte” talvez seja a minha comédia favorita (aliás, quase é, pois eu assisti “Túmulo Com Vista”), mas não sou muito familiarizado com o cinema do John Waters. Não gosto, por exemplo, de “O Clube dos Perveridos”. E eu gosto muito da performance de John Travolta na refilmagem, que, como disse, gostei mais do que a versão de 1988.

    Mayara, a trilha-sonora de “Hairspray – Em Busca da Fama” é uma das que mais ouço. Beijos, tudo de bom!

  6. Olá Alex!
    Trabalho na agência de publicidade Núcleo da Idéia Comunicação e gostaria do seu email para podermos tentar uma parceria.
    Aguardo o retorno,
    Rebecca Leite
    mkt1@nucleodaideia.com.br
    Núcleo da Idéia Comunicação.

  7. Ñ vi o original, mas gostei muito do remake, o Jonh Travolta ficou ótimo de gorda..rs..os números musicais tbm são muito bacanas!
    Abs! Diego!

  8. Marcelo, fechado!

    Diego, com certeza “Hairspray – Em Busca da Fama” levantou bastante a carreira desequilibrada do John Travolta. E eu gosto muito dos números musicais do filme, com exceção somente de um ou outro. Abraços!

  9. Não assisti ao filme original, mas o remake acho péssimo, comédia boba, números musicais sem graça nem importância, uma protagonista irritante, personagens caricatos (Michelle Pfeiffer tá um porre!) e ainda um discurso auto-importante que se quer “politizado”. Gostei não!

  10. Rafael, esse discurso politizado presente no filme também me irritou um pouco (vide passeata da Queen Latifah), mas o restante acho o contrário. Nikki Blonsky é uma graça, gostei demais da maioria dos números musicais e Michelle Pfeiffer cantando “Miss Baltimore Crabs” é demais! Gostei sim!

  11. Sem dúvida, um grande musical!
    Ainda que não haja todo o aspecto técnico de outros musicais – como Chicago, nos quais as coreografias são completamente embasadas em técnicas de danças, como ballet, jazz, etc., esse filme surpreende pela vivacidade com a qual é desenvolvido.
    Vale a pena conferi-lo.

4 Trackbacks & Pingbacks

  1. Melhores de 2010: Figurino « Cine Resenhas
  2. Piscou, Perdeu! « Cine Resenhas
  3. Melhores de 2011: Figurino « Cine Resenhas – 5 Anos
  4. Melhores de 2012: Figurino | Cine Resenhas

Comente

Follow

Get every new post on this blog delivered to your Inbox.

Join other followers: