Sobrenatural

Nascido na Malásia, o jovem James Wan conseguiu em seu segundo trabalho em longa-metragem impor uma nova maneira de se fazer terror contemporâneo. Este filme foi “Jogos Mortais”, que não apenas rendeu uma franquia de sucesso como inaugurou o que conhecemos hoje como torture porn. Seus filmes seguintes pouco entusiasmaram: “Gritos Mortais” esteve longe de receber a mesma acolhida do público e “Sentença de Morte” (protagonizado por Kevin Bacon) pode facilmente ser confundido com outros thrillers recentes. Com “Sobrenatural”, James Wan faz novamente um fenômeno de bilheteria e confere inovações dentro do gênero.

Em nova residência, a família Lambert rapidamente testemunha estranhos acontecimentos. Portas que rangem, objetos que aparecem em lugares antes não deixados, ruídos no assoalho… Além desses eventos sobrenaturais, o filho mais velho do casal Lambert (interpretados por Patrick Wilson e Rose Byrne), Dalton (Ty Simpkins), adoece misteriosamente, caindo em um sono que jamais desperta. Nenhum especialista é capaz de dar um diagnóstico e o tempo permite que eles liguem o estado do garoto com as malévolas presenças espirituais no casarão. Uma nova mudança de habitação evidencia a novidade no roteiro assinado pelo também ator Leigh Whannell, pois a família Lambert desvendará que não é mal-assobrada a casa onde estavam e sim a própria família.

Com orçamento risível de 1,5 milhão e com faturamento mundial que multiplica em torno de sessenta vezes este valor, “Sobrenatural” é situado nos tempos atuais, mas há um delicioso clima oitentista. Impossível não se recordar de clássicos deste período diante de um trabalho técnico à moda antiga e personagens pitorescos, como a médium vivida pela impagável Lin Shaye. Excetuando uma magnífica cena onde a personagem de Rose Byrne finalmente se depara com uma criança do além, sente-se apenas que em matéria de tensão o filme não atinge todo seu potencial. “Sobrenatural” é muito legal, mas o grau de incômodo na poltrona é menor do que o prometido.

Título Original: Insidious
Ano de Produção: 2010
Direção: James Wan
Roteiro: Leigh Whannell
Elenco: Patrick Wilson, Rose Byrne, Barbara Hershey, Lin Shaye, Leigh Whannell, Angus Sampson, Ty Simpkins, Andrew Astor, Corbett Tuck, Heather Tocquigny, Ruben Pla, Josh Feldman e John Henry Binder
Cotação: 3 Stars

Sobre Alex Gonçalves
Editor do Cine Resenhas desde 2007, Alex Gonçalves é estudante de Jornalismo e viciado em música, fotografia, leitura e escrita. Mais informações na página "Sobre".

6 Comentários em Sobrenatural

  1. Perto de filmes que ‘querem ser terror e suspense’ que se lançam atualmente, SOBRENATURAL tem tensão suficiente, especialmente na primeira metade. É interessante e corajoso, embora não tenha me agradado nesse caso particularmente, que o filme vá até os limites que a sua trama pode sugerir. Reconhecer as referências de clássicos do gênero é também um prazer. [6/10]

    • Mateus, acredito que há outros similares recentes do gênero que sejam superiores, mas ainda assim consegui me divertir com este “Sobrenatural”. Até penso em fazer uma revisão. :-)

  2. Esse filme vai ser marcante pra mim como ” o filme que fez eu voltar a me assustar no escuro do cinema” Raramente um filme consegue esse feito e Sobrenatural entrega direitinho o que promete, mesmo que tudo seja bobinho em sua conclusão ***

2 Trackbacks & Pingbacks

  1. Retrospectiva 2011 « Cine Resenhas
  2. Invocação do Mal | Cine Resenhas

Comente

Follow

Get every new post on this blog delivered to your Inbox.

Join other followers: