Skip to content

Resenha Crítica | 2 Coelhos (2012)

O cinema nacional vem se desenvolvendo cada vez mais. Há um equilíbrio entre as produções feitas para vender milhares de ingressos e também aquelas em que a mira é um público mais alternativo. Porém, ainda falta diversidade de gêneros. Há muitas comédias e dramas. Filmes de terror, suspense, ficção científica e ação quase inexistem. Muitos produtores apontam duas deficiências: a falta de público fiel a esses gêneros e especialmente as dificuldades de desenvolver um primoroso trabalho técnico em produções que contam com um orçamento tão pequeno.

“2 Coelhos” esteve longe, muito longe de repetir o fenômeno de um “Tropa de Elite 2 – O Inimigo Agora é Outro”, mas prova que é possível sim realizar um cinema recheado de frenesi. Todos os méritos deste feito são exclusivos do cineasta Afonso Poyart, que em sua estreia em longa-metragem facilmente supera uma grande parte de bluckbusters americanos que invadem constantemente o nosso circuito – aliás, os direitos de “2 Coelhos” já foram adquiridos por produtores americanos que desejam refilmá-lo.

Na trama fragmentada, o protagonista Edgar (Fernando Alves Pinto) executa um plano mirabolante que tem como intenção atingir dois coelhos com uma única cajadada. O primeiro coelho é representado pela figura de Jader (Roberto Marchese), um político corrupto. O segundo coelho, Maicom (Marat Descartes, de “Trabalhar Cansa”), é um criminoso. Um casal de promotores (Neco Vila Lobos e Alessandra Negrini), um professor (Caco Ciocler) deprimido com a morte da esposa e do filho em um acidente, dois bandidos pé de chinelo (Robson Nunes e Thogun) e uma maleta com milhares de dólares – um típico McGuffin – são os personagens que se moverão de forma imprevisível dentro do plano de Edgar.

Ao conduzir esse plano, Afonso Poyart adiciona diversos elementos pop. Há sequências que brincam com a estética e montagem, bandas como “Radiohead” e “30 Seconds To Mars” na trilha-sonora e sequências de ação inspiradas no game “Grand Theft Auto”. A boa notícia é que tais referências não fazem de “2 Coelhos” um filme feito para um determinado tipo de público. Servem apenas de artimanhas para uma história elaborada com esperteza e que poderá representar um pontapé para um cinema que clama por mais diversidade.

Título Original: 2 Coelhos
Ano de Produção: 2012
Direção: Afonso Poyart
Roteiro: Afonso Poyart
Elenco: Fernando Alves Pinto, Alessandra Negrini, Caco Ciocler, Marat Descartes, Djair Guilherme, Roberto Marchese, Carol Miranda, Aldine Muller, Robson Nunes, Thaíde, Thogun, Neco Villa Lobos, Angela Sbrina Boing Boing Sabrina e Robson Nunes
Cotação: 3 Stars

9 Comments

  1. Só por se propor a fazer algo diferente em nosso cinema, com uma linguagem mais dinâmica e uma trama mais universal, “Dois Coelhos” tem o meu respeito. Acho uma obra que prende a atenção e que tem um excelente trabalho técnico, além de ótimas atuações. Vamos ver como o cinema norte-americano tratará esta mesma história.

    • Exatamente! E acho que, se realmente rolar, essa versão americana não terá o frescor da nossa. Boa sorte pro Afonso Poyart.

  2. É um belo estranho filme dentro do contexto da produção nacional, gosto da ousadia, da inventividade, do pop que pipoca a todo momento na tela, o tipo de coragem que o cinema brasileiro deveria ter mais. Só aquela historinha que precisa ser toda amarrada com final de lição de moral que me desagrada um pouco. Fora isso, é um filme bastente divertido e isso já é muita coisa.

    • O finalzinho é mesmo meio moralista, mas já esperava que terminasse assim, então não me frustrei. Gosto demais da cena daquela explosão do carro no clímax. Uma cena com um impacto visual que sempre faltou no nosso cinema.

  3. No início, gostei do filme. A linguagem me impressionou e o ritmo também… Mas eu não imaginava que “2 Coelhos” seria inteiramente frenético. No final das contas, comecei a me irritar com tantos efeitos (muitos deles hiper cafonas) e apelos estéticos para tornar a história pop. Decepção.

    • Já eu comecei a curtir o filme conforme ele ia avançando. Os únicos efeitos meio cafonas é dessa imagem que ilustra o post. Pensei que estava vendo uma versão com ursos fofinhos de “Sucker Punch”.

Follow

Get every new post on this blog delivered to your Inbox.

Join other followers:

%d blogueiros gostam disto: