Skip to content

Resenha Crítica | Descobrindo o Amor (2011)

Descobrindo o Amor | Damsels in DistressDesde “Os Últimos Embalos da Disco” (1998) sem dirigir um longa-metragem, o cineasta americano Whit Stillman retorna a função com “Descobrindo o Amor” causando a sensação de que parou no tempo. Porém, isto não é considerado uma crítica para quem conhece a breve filmografia desse realizador indicado ao Oscar pelo roteiro de “Metropolitan”.

Tudo é deliciosamente antiquado em “Descobrindo o Amor”. Do perfil de cada personagem até os figurinos, o longa-metragem parece ter sido produzido nos anos 1990. A história é centrada em um grupo de garotas de uma fraternidade da Seven Oaks College. Violet (Greta Gerwig, a nova Parker Posey) é a líder e responsável pelo Centro de Prevenção de Suicídios, iniciativa que visa atender aos alunos desorientados com os relacionamentos frustrados ou a confusa personalidade.

Lily (Analeigh Tipton, de “Meu Namorado é Um Zumbi”) é a aluna mais nova do colégio, rapidamente acolhida por Violet e suas amigas Heather (Carrie MacLemore) e Rose (Megalyn Echikunwoke). Neste quarteto que se forma com a presença de Lily, a fragilidade de Violet é exposta. Almejando ser um modelo de comportamento impecável, Lily vai perdendo a pose quando não consegue esconder os seus sentimentos por Charlie Walker (Adam Brody), rapaz que parece sustentar duas identidades e um relacionamento com Lily.

Como o aguardado, Whit Stillman conduz “Descobrindo o Amor” através de interações cínicas e astutas. Porém, assim como aconteceu em “Nos Últimos Embalos da Disco”, o risco do público diminuir o interesse no desenvolvimento da história é grande porque tudo é mantido em um ritmo excessivamente brando. Somente as intervenções musicais garantem fôlego: como método terapêutico, Violet desenvolve o Sambola, uma dança que rende uma sequência de créditos finais muito divertida.

Damsels in Distress, 2011 | Dirigido por Whit Stillman | Roteiro de Whit Stillman | Elenco: Greta Gerwig, Carrie MacLemore, Megalyn Echikunwoke, Analeigh Tipton, Adam Brody, Ryan Metcalf, Jermaine Crawford, Zach Woods, Caitlin FitzGerald, Domenico D’Ippolito, Billy Magnussen, Nick Bleamire, Hugo Becker, Meredith Hagner e Aubrey Plaza

4 Comments

  1. Acho esse ritmo brando proposital. Me parece que o filme nada mais faz que se opor ao gênero que lhe é pertinente. Gostei bastante!

    • Pedro, creio que o ritmo acabe fazendo com que a história não atinja notas mais altas. Mesmo simpático, admito que cheguei um pouco exausto na conclusão da história.

Follow

Get every new post on this blog delivered to your Inbox.

Join other followers:

%d blogueiros gostam disto: