Skip to content

Resenha Crítica | Planeta dos Macacos: A Origem (2011)

Assim como o também recente “X-Men – Primeira Classe“, grande parte do público encarou com suspeita este prequel de “O Planeta dos Macacos”, um dos maiores clássicos da ficção-científica. Isto porque as extensões da obra original em nenhum momento se aproximavam da genialidade presente na realização assinada em 1968 por Franklin J. Schaffner. Houve assim três sequências, duas investidas televisivas e uma lamentável refilmagem conduzida por Tim Burton em 2001. O acerto do prequel do britânico Rupert Wyatt (em seu segundo longa-metragem) é dar uma perspectiva diferente dentro de toda a mitologia de “O Planeta dos Macacos” ao mesmo tempo em que se esforça para dar nó em todas as pontas anteriormente soltas.

A intenção em “O Planeta dos Macacos – A Origem” é desvendar o nascimento de Caesar, símio sob vigia do jovem cientista Will Rodman (James Franco), que por sua vez realiza pesquisa para encontrar a cura do Alzheimer, da qual seu pai (interpretado pelo grande veterano John Lithgow) é vítima. Ceasar, com nível de inteligência surpreendente, é tratado por Will como um animal de estimação. Numa atitude antiética, Will passa a desenvolver de maneira oculta vacinas com o DNA de Caesar para aplicar em seu próprio pai, que quando aprimoradas atingem os efeitos aguardados. Obviamente, as boas intenções, somadas a várias intromissões de terceiros, de Will têm um preço que ele e toda a sociedade pagarão de forma drástica.

O maior trunfo de “Planeta dos Macacos – A Origem” é centrar todas as atenções em Caesar, o que nos faz encarar James Franco e Freida Pinto, fracos intérpretes, como elementos secundários da narrativa. O realce dado a este antológico personagem permitiu para toda equipe especializada em efeitos especiais, a Weta Digital, fizesse um espetáculo impressionante e que celebra um elemento pouco valorizado no cinema americano contemporâneo: o fator humano. Graças ao trabalho perfeito de Andy Serkis, Caesar não é apenas uma criatura moldada por computação gráfica de ponta e sim em algo que realmente reproduz emoções verdadeiras. Resta torcer para que o sucesso de “Planeta dos Macacos – A Origem” não sucumbe todos os envolvidos na sequência já confirmada pela Fox ao ponto de reverter negativamente todo este êxito alcançado.

Título Original: Rise of the Planet of the Apes
Ano de Produção: 2011
Direção: Rupert Wyatt
Roteiro: Amanda Silver e Rick Jaffa
Elenco: James Franco, Freida Pinto, John Lithgow, Brian Cox, Tom Felton, David Oyelowo, Tyler Labine, Jamie Harris, David Hewlett, Ty Olsson, Madison Bell, Makena Joy e Andy Serkis
Cotação: 4 Stars

7 Comments

  1. Um bom filme, mas eu esperava mais. Sinceramente, espero que não vença o Oscar de Efeitos.

    • Brenno, o que exatamente você esperava? E como assim você não quer que o filme vença o prêmio de melhores efeitos visuais? Eles são espetaculares, de um realismo impressionante.

Follow

Get every new post on this blog delivered to your Inbox.

Join other followers:

%d blogueiros gostam disto: