Hitchcock

Hitchcock PosterMestre do suspense, Alfred Hitchcock passou por um período de crise criativa após o sucesso de “Intriga Internacional”. Pousou em seu colo o romance “Psicose”, que a seguir resultaria o filme mais popular em toda a sua carreira. Mais de 60 anos após seu lançamento, é um pouco difícil para a nova geração compreender o impacto que “Psicose” gerou na história do cinema. Afinal, ao contrário de hoje, a censura daquela época era muito rigorosa. Compreender o efeito que ela exerceu em “Psicose” é o maior feito de “Hitchcock”, estreia de Sacha Gervasi em longa-metragem.

Ao encenar os bastidores de “Psicose” (algo possível graças ao livro de Stephen Rebello), Sacha Gervasi acerta na escolha do elenco, ao explorar algumas curiosidades em torno do thriller e no tom respeitoso com que constrói seu protagonista, interpretado por Anthony Hopkins. Por outro lado, a anenidade faz a narrativa explorar aspectos dispensáveis, como a interação imaginária de Hitchcock com Ed Gein (assassino em série feito por Michael Wincott que inspirou Norman Bates, personagem central de “Hitchcock”) e a insinuação de um relacionamento extraconjugal de Alma (Helen Mirren) com o roteirista Whitfield Cook (Danny Huston).

Há uma opinião mais detalhada sobre “Hitchcock” que escrevi para o site Cenas de Cinema, para o qual colaboro esporadicamente. Para lê-la, basta clicar aqui.

Sobre Alex Gonçalves
Editor do Cine Resenhas desde 2007, Alex Gonçalves é estudante de Jornalismo e viciado em música, fotografia, leitura e escrita. Mais informações na página "Sobre".

4 Comentários em Hitchcock

  1. Acho esse filme tão insosso… Parece que tá tudo certinho, no lugar, mas não é um filme que te movimenta. Depois de visto, você esquece até porque essas curiosidades que ele apresenta são todas já sabidas, não há nada de novo no front.

    • Rafael, é verdade que não há ineditismo quanto às curiosidades apresentadas, mas é interesse ver a encenação dos transtornos que “Hitchcock” teve com a censura da época. É um filme muito bem produzido e concebido com o coração, mas acho-o meio careta também. Gostei muito mais de “The Girl”, que pretendo escrever em breve e que foca o conturbado relacionamento do cineasta com Tippi Hedren.

  2. “Hitchcock” poderia muito bem ser um telefilme – no pior sentido dessa expressão. Nada nesse filme é digno de grandes elogios. Gosto da Helen Mirren, mas ela mesma não faz nada de muito diferente da sua habitual elegância e naturalidade. Hopkins, então, não consegue ultrapassar os obstáculos impostos pela maquiagem…

    • Matheus, talvez eu seja o único, mas gosto demais da interpretação de Anthony Hopkins e também do trabalho de maquiagem, do qual não acredito ter limitado o trabalho do ator.

2 Trackbacks & Pingbacks

  1. Cine Resenhas | Melhores de 2013 – Indicados
  2. Cine Resenhas | Melhores de 2013: Maquiagem

Comente

Follow

Get every new post on this blog delivered to your Inbox.

Join other followers: