Skip to content

Resenha Crítica | A Morte do Demônio (2013)

A Morte do Demônio | Evil DeadAo iniciar a carreira de diretor através de uma comédia criminal com toques de horror que ninguém viu (“It’s Murder!”), Sam Raimi seguiu com a cabeça erguida ao comandar “The Evil Dead – A Morte do Demônio”. Porém, não imaginaria que esse terror barato rodado em uma cabana abandonada se transformaria em uma das mais aclamadas obras já produzidas no gênero. O sucesso não possibilitou apenas a criação de uma trilogia bem-sucedida como também rendeu a Sam Raimi reputação de diretor que mergulha com excelência em universos fantásticos e produtor com excelente visão para os negócios – ele é o dono da Ghost House, produtora de títulos como “O Grito” e “30 Dias de Noite”.

Com toda a importância que “The Evil Dead – A Morte do Demônio” exerceu sobre sua carreira, é natural que Sam Raimi relembre dessa produção com carinho. Lamentavelmente, isso o fez tomar uma decisão cada vez mais comum no cinema contemporâneo: reviver toda a mitologia que cerca a obra original. Como o ciclo das aventuras de Ash (vivido por Bruce Campbell) foi devidamente fechado em “Uma Noite Alucinante 3”, não era possível fazer uma continuação tardia com o herói e relacioná-lo ao “Necronomicon”, “O Livro dos Mortos”. Assim, temos a nova versão de “The Evil Dead”, “A Morte do Demônio”, agora dirigido pelo uruguaio Fede Alvarez, um nome bem comentado após o sucesso do curta-metragem “Ataque de pánico!”.

Mesmo que um clássico inegavelmente divertido, temos que concordar que “The Evil Dead – A Morte do Demônio” não trabalha com uma premissa que rende muito material para uma reimaginação. Em “A Morte do Demônio”, o erro está em reciclá-lo e acrescentar novas soluções gore que rendem um resultado nem um pouco autêntico. No primeiro ato, não há qualquer esforço para fazer as coisas diferentes, embora o motivo que dos protagonistas em se hospedarem em uma cabana no meio do nada seja novo.

Viciada em drogas, Mia (Jane Levy, do seriado “Suburgatory”) conta com o apoio dos seus amigos Olivia (Jessica Lucas) e Eric (Lou Taylor Pucci) no processo de reabilitação em um lugar insólito. Irmão distante, David (Shiloh Fernandez) presta apoio à Mia trazendo sua namorada Natalie (Elizabeth Blackmore) como companhia. Logo na primeira noite, o quinteto explora um porão que provavelmente foi palco de rituais de bruxaria. Nele, Eric encontra o livro “Necronomicon”. Mesmo macabro e preenchido de advertências que afastem qualquer leitor, a curiosidade do sujeito fala mais alta e ele acaba invocando uma presença demoníaca com intenção de matar a todos.

Assim como no filme de 1981, tal premissa serve somente de pretexto para iniciar um show de horrores que envolve membros decepados, muito sangue falso, tripas, mortes violentas e possessões demoníacas propositalmente hilárias. Somente o humor se apresenta em uma voltagem reduzida, o que não garante que as cenas que se pretendem assustadores sempre funcionam.

Além das poucas novidades, “A Morte do Demônio” tem outra inferioridade diante do filme de Sam Raimi: a escolha do protagonista. Deliciosamente canastra, Bruce Campbell atualmente ocupa como Ash boas posições em diversas listas dos melhores heróis do cinema. Já o canadense Shiloh Fernandez é um jovem de carisma zero e que apresenta a mesma reação tanto nas cenas dramáticas quanto aquelas de puro horror. Somente o terceiro ato, com uma chuva de sangue que transforma a tela em uma verdadeira pintura macabra, é que as engrenagens trabalham em favor de “A Morte do Demônio”. Nada que garanta expectativa para uma sequência ou justifique a existência dessa refilmagem.

Evil Dead, 2013 | Dirigido por Fede Alvarez | Roteiro de Fede Alvarez e Rodo Sayagues | Elenco: Jane Levy, Shiloh Fernandez, Lou Taylor Pucci, Jessica Lucas, Elizabeth Blackmore, Phoenix Connolly e Jim McLarty

2 Comments

  1. Para ser bem sincera, não gosto de filmes de horror. Acho que esse remake de “A Morte do Demônio” tem como grande atrativo justamente o fato de ser uma releitura de um filme que é muito cultuado do Sam Raimi, mas, pra ser bem sincera, é muito pouco para atrair a minha atenção.

    • Kamila, o gênero produz tanta coisa boa que não entendo o seu pouco apreço por ele. Mas ok, este “A Morte do Demônio” não é uma boa opção caso você queira um dia ter uma opinião mais positiva sobre os filmes de horror.

Follow

Get every new post on this blog delivered to your Inbox.

Join other followers:

%d blogueiros gostam disto: