Skip to content

Resenha Crítica | Capitão Phillips (2013)

Capitão Phillips | Captain Phillips

O inglês Paul Greengrass foi mais um exemplo de cineasta que teve uma fase nada gloriosa em sua carreira ao deixar que o sucesso inflasse seu próprio ego. Mesmo elevando a franquia “Bourne” para um patamar inesperado, logo surgiu na mídia declarações referentes aos seus métodos de trabalho de fazer qualquer investidor arrancar os fios do próprio cabelo. Seu trabalho seguinte, o insuportável “Zona Verde”, representou uma queda profissional vertiginosa consolidada com o fracasso nas bilheterias.

Como um tombo faz bem para todo mundo, Greengrass volta à boa forma com “Capitão Phillips”. O mesmo se aplica ao seu astro Tom Hanks, que desde “Matadores de Velhinha” devia um grande desempenho. No entanto, ambos não estão presentes entre os nomes indicados para o Oscar deste ano. Além de menções em três categorias técnicas (Montagem, Edição de Som e Mixagem de Som), “Capitão Philips” é finalista em Melhor Roteiro Adaptado, Melhor Ator Coadjuvante (o estreante Barkhad Abdi) e Melhor Filme. Greengrass comete uma série de deslizes ao conduzir a segunda metade de “Capitão Phillips”, mas Hanks é uma ausência sentida entre os finalistas: ele poderia ter ocupado uma vaga que agora pertence a Christian Bale, cujo trabalho em “Trapaça” vem sendo elogiado em demasia.

A participação especial de Catherine Keener nos cinco primeiros minutos de “Capitão Phillips” não é gratuito. Rosto conhecido, a atriz vive a esposa de Richard Phillips (Tom Hanks), capitão de um navio que transporta containers. Trata-se de um pai de família amoroso que precisa abdicar deste papel para trabalhar. A viagem narrada no filme é real e aconteceu em 2009: após algumas tentativas exaustivas de driblar a invasão de piratas somalis, a tripulação foi sequestrada e muitas horas se passaram até alguma solução drástica ser encontrada.

Uma vez rendido, o Phillips de Hanks aproveita-se de subterfúgios para garantir a integridade de seus subordinados e do navio que comanda. No entanto, Muse (Barkhad Abdi), o líder do grupo que restou de piratas somalis, mostra-se suficientemente esperto para obter as riquezas transportadas, mesmo que para isso precise eliminar os reféns. Instaura-se assim uma tensão genuína mantida com o embate entre dois opostos que tiram vantagem um do outro a cada momento.

Quando o jogo é virado contra Phillips  ao fim da primeira metade da história, “Capitão Phillips” começa a perder a credibilidade. Em prol de sua tripulação, Phillips acaba cedendo quando os somalis planejam torná-lo refém assim que o transferem para um barco salva-vidas. Com isso, o acontecimento exige interferências externas e assim são implantados todos os artifícios esperados em uma trama de sequestro, algo que “Capitão Phillips” estava evitando com muito sucesso. Se a transição de um homem dominando plenamente as suas estratégias para outro que vai perdendo progressivamente o controle da situação é convincente, o mesmo não pode ser dito de suas tentativas de fuga ou o modo como os piratas somalis contornam as adversidades consequentes de seus atos. Somente quando Philips enfim desaba é que Paul Greengrass recupera o magnetismo da primeira hora da metragem.

Captain Phillips, 2013 | Dirigido por Paul Greengrass | Roteiro de Billy Ray, baseado no livro “Dever de Capitão”, de Richard Phillips e Stephan Talty | Elenco: Tom Hanks, Barkhad Abdi, Barkhad Abdirahman, Faysal Ahmed, Mahat M. Ali, Michael Chernus, David Warshofsky, Corey Johnson, Chris Mulkey, Yul Vazquez, Max Martini, Omar Berdouni e Catherine Keener | Distribuidora: Sony

2 Comments

  1. Putz, cara! Não gosto de “Matadores de Velhinhas”, o pior filme dos Coen nesses anos todos. E “Zona Verde” é uma perda de tempo também.

    Eu já gosto bastante de “Capitão Phillips”. Não acho que a segunda metade cai. Acho que só reforçou o que pra mim é a retratação mais tensa feita pelo cinema sobre um sequestro.

    Abs!

    • Otávio, como assim o pior? Você pulou “O Amor Custa Caro”? Tá, o filme não é uma maravilha, mas Tom Hanks está bom demais como o protagonista. Quanto a segunda metade de “Capitão Philips”, ela não me entusiasma. Uma pena, pois tinha tudo para ser um filme para ficar na memória. Abraço.

Follow

Get every new post on this blog delivered to your Inbox.

Join other followers:

%d blogueiros gostam disto: