Skip to content

Resenha Crítica | Clube de Compras Dallas (2013)

Clube de Compras Dallas Dallas Buyers Club

 

“Clube de Compras Dallas” foi um projeto que ganhou a luz do dia após um processo muito prolongado de planejamentos e desistências. Roteirizado por Craig Borten e Melisa Wallack (atualmente envolvidos com “The 33”, outro projeto baseado em fatos), “Clube de Compras Dallas” despertou o interesse de Dennis Hopper durante os anos 1990. Já em tempos mais recentes, Craig Gillespie e Marc Forster chegaram a avaliá-lo. O maior problema, no entanto, foram os inúmeros obstáculos para viabilizar “Clube de Compras Dallas”. Havia muitos nomes talentosos interessados em fazê-lo, mas é difícil encontrar investidores para uma história quase impossível de se consolidar como um sucesso financeiro.

Rodado com apenas 5 milhões de dólares, “Clube de Compras Dallas” deve sua existência a Matthew McConaughey. O ator não poderia ser selecionado um momento mais oportuno em sua carreira para interpretar o protagonista Ron Woodroof e ele não mediu esforços para conferir dignidade ao papel. Antes um astro de comédias românticas de segunda, Matthew McConaughey confirma-se como um astro do primeiro time de Hollywood ao perder mais de 22 quilos para viver um sujeito rude, trapaceiro e com a integridade física comprometida.

A trajetória errante de Ron Woodroof é notada já nos primeiros minutos de “Clube de Compras Dallas”. Eletricista viciado em drogas, sexo e apostas, Ron descobre ter contraído o vírus HIV após ser internado por ter sofrido um acidente de trabalho. Pior: ele está  no estágio avançado da doença e os médicos Sevard (Denis O’Hare) e Eve (Jennifer Garner) lhe dão apenas 30 dias de vida.

Graças ao excelente trabalho de montagem de Jean-Marc Vallée (também diretor do filme) e Martin Pensa, a história brinca com as nossas expectativas ao impor uma contagem regressiva em uma batalha pela vida que se prolongou por anos. Quando está prestes a ceder, Ron encontra na ilegalidade um meio de sobreviver. Estamos em pleno anos 1980 e toda a América vê como salvação a AZT, a única droga disponível para tratamentos experimentais. Isso até Ron trazer do México novas possibilidades que o farão travar uma briga escandalosa com os laboratórios farmacêuticos.

Como nem toda ficção amparada por uma história real é capaz de sobreviver sem algumas licenças, “Clube de Compras Dallas” acerta ao inventar um personagem que ajudará a definir o verdadeiro caráter de Ron. Trata-se de Rayon (Jared Leto, no melhor desempenho de sua carreira), um travesti que introduzirá Ron a comunidade gay, aquela que representa o maior número de contaminados pelo HIV. Menos feliz é a existência de Eve, personagem que que dá um tom emocional a uma história até então excepcional pelo modo cru e brutal que narrava a luta de seu protagonista de viver de modo desregrado em uma sociedade corrompida pelo lucro garantido pela enfermidade de minorias.

Dallas Buyers Club, 2013 | Dirigido por Jean-Marc Vallée | Roteiro de Craig Borten e Melisa Wallack | Elenco: Matthew McConaughey, Jared Leto, Jennifer Garner, Denis O’Hare, Steve Zahn, Michael O’Neill, Dallas Roberts, Griffin Dunne, Kevin Rankin, Donna Duplantier, Deneen Tyler, J. D. Evermore, Ian Casselberry, Noelle Wilcox e Bradford Cox | Distribuidora: Universal

3 Comments

  1. “Clube de Compras Dallas” ainda não estreou na minha cidade. Porém, confesso que a minha maior curiosidade em relação a esse filme é para conferir as elogiadas atuações de Matthew McConaughey e Jared Leto, ambos favoritíssimos ao Oscar.

    • Kamila, se parte de suas expectativas estão concentradas nas interpretações de McConaughey e Leto, tenho certeza de que você não se decepcionará. Ambos estão perfeitos.

  2. […] já publicado no Brasil com o selo da editora Objetiva. Dirigido por Jean-Marc Vallée após “Clube de Compras Dallas“, “Livre” expande a força da história de Cheryl permitindo que sintamos sua […]

Follow

Get every new post on this blog delivered to your Inbox.

Join other followers:

%d blogueiros gostam disto: