Skip to content

Pare ou Eu Sigo em Frente (2014)

Pare ou Eu Sigo em Frente | Arrête ou je continue

Arrête ou je continue, de Sophie Fillières

.:: 38ª Mostra Internacional de Cinema em São Paulo ::.

Após protagonizar com Gabriel Byrne “Apenas Um Suspiro”, aquele que foi um dos melhores filmes exibidos na edição do ano passado da Mostra Internacional de Cinema, a expectativa de ver Emmanuelle Devos em mais uma história romântica era grande. E o seu co-protagonista, Mathieu Amalric, só torna as coisas mais empolgantes para “Pare ou Eu Sigo em Frente”, obra que registra a terceira parceria entre Devos e a diretora Sophie Fillières.

Os primeiros minutos de “Pare ou Eu Sigo em Frente” são brilhantes ao acompanhar o casamento em frangalhos de Pomme (Emmanuelle Devos) e Pierre (Mathieu Amalric). Após o constrangimento de quebrar a moldura de uma fotografia na abertura da exposição fotográfica de um amigo, Pomme ainda precisa encarar a frieza do marido, que quase a abandona no meio da noite ao correr para apanhar um ônibus.

No dia seguinte, fica ainda mais evidente de que as coisas entre o casal realmente esfriaram e até um brinde com champanhe em uma tarde de repouso tem um resultado catastrófico. Diante da passividade de Pierre, que passa a flertar na cara dura com Mellie (Josephine de La Baume), Pomme não sabe o que fazer da vida, ainda mais com o seu filho Romain (Nelson Delapalme) vivendo em outro lugar para encarar o ensino superior e com um trabalho abandonado por razões que serão elucidadas no decorrer da narrativa.

A autenticidade e o humor usados para registrar o marasmo que abate Pomme não permanecem por muito tempo em “Pare ou Eu Sigo em Frente”. De uma hora para a outra, a protagonista se vê abandonada em mais uma trilha com Pierre e aproveita a ocasião para rever silenciosamente os rumos que levou como esposa e mãe. O problema é que Sophie Fillières oferece esse tempo extenso de reflexão para a sua protagonista do modo mais maçante possível, se desviando totalmente da boa condução apresentada em seu primeiro ato e permitindo que desistamos imediatamente de sua história e de seus personagens.

Be First to Comment

Follow

Get every new post on this blog delivered to your Inbox.

Join other followers:

%d blogueiros gostam disto: