Resenha Crítica | Jovem Mulher (2017)

Jeune femme, de Léonor Serraille

.:: INDIE 2017 Festival Cinema ::.

Bem como “Vida Fácil“, produção independente americana dirigida por Adam Keleman e exibida ao longo da 41ª Mostra Internacional de Cinema em São Paulo, “Jovem Mulher” tem uma premissa que parte de um sintoma hoje global: o da dificuldade de trintões em conquistar alguma estabilidade na vida. E o preço que se paga é alto, especialmente por muitas oportunidades dependerem da maneira como se corresponde às expectativas dos outros.

Paula (a excelente Laetitia Dosch, que esteve em “Meu Rei” e “Um Belo Verão”) é mesmo uma jovem mulher. Adulta, parece uma adolescente desolada ao ter um choque de realidade quando é chutada para fora do apartamento em que vivia com o seu namorado (Grégoire Monsaingeon), que vem a ser também um ex-professor. Com apenas alguns tostões no bolso e o gato de estimação, ela é forçada a retornar à Paris para tentar se refazer.

A chance de recomeço não a faz evitar os passos tortos. Como se dá ao assegurar para si dois empregos na base de algumas mentiras, trabalhando em um período em uma loja de roupas de um centro de compras e em outro como a babá de uma menina, Lila (Lila-Rose Gilberti). Haverá também uma tentativa de reconexão com a mãe (interpretada por Nathalie Richard) que a rejeita, além de uma amizade forjada com Yuki (Léonie Simaga), que a confunde com uma colega dos tempos do colégio.

A diretora e roteirista de 31 anos Léonor Serraille conduz “Jovem Mulher” tentando se equiparar com o espírito de sua protagonista, não abrindo mão do humor mesmo em circunstâncias mais densas. Porém, como estreante, detona uma falta de apuro na construção de algumas relações, geralmente dependendo de acasos ou de uma cumplicidade desproporcional ao perfil mais duro de alguns personagens secundários. Mas nada que comprometa as virtudes de seu filme, obtendo com elas a Caméra d’Or na última edição do Festival de Cannes diante de uma concorrência que incluiu títulos como “Terra Selvagem”, “A Noiva do Deserto”, “Oh Lucy!” e “Patti Cake$”.

Data:
Filme:
Jovem Mulher
Avaliação:
31star1star1stargraygray
Sobre Alex Gonçalves
Editor do Cine Resenhas desde 2007, Alex Gonçalves é estudante de Jornalismo e viciado em música, fotografia, leitura e escrita. Mais informações na página "Sobre".

1 Comentário em Resenha Crítica | Jovem Mulher (2017)

Comente

Follow

Get every new post on this blog delivered to your Inbox.

Join other followers: