Skip to content

Resenha Crítica | O Artista (2011)

Quando o Oscar surgiu em 1929 para celebrar anualmente o melhor do cinema hollywoodiano, “Asas”, um drama de guerra da Paramount, conquistou o prêmio máximo daquela noite de 16 de maio de 1929, em Los Angeles, Califórnia. É uma informação importante em toda a história do cinema, pois foi a primeira e última produção muda a arrebatar o prêmio, algo que definiu uma mudança definitiva na sétima arte: a transição do cinema mudo para o falado. Tal evolução promoveu ainda mais o cinema ao mesmo tempo em que determinou o fim de uma era onde uma história era contada com o uso de poucos artifícios, o que consequentemente levaram vários intérpretes à decadência.

Famosos na França pelo espião OSS 117, o diretor e roteirista Michel Hazanavicius e o ator Jean Dujardin alcançam com “O Artista” uma fama inesperada ao encenar esta página há muito tempo virada em Hollywood. O ano é 1927 (exatamente o ano em que “Asas” foi produzido, aliás) e George Valentin (Jean Dujardin) experimenta a mesma fama de Rodolfo Valentino, vítima de uma morte precoce e maior astro que o cinema mudo já teve. Todas as produções que contam com o seu nome no cartaz rendem filas enormes nas bilheterias de cinema e as mulheres caem aos seus pés, a exemplo de Peppy Miller (Bérénice Bejo, esposa de Michel Hazanavicius), uma jovem determinada em seguir a carreira de atriz.

Porém, os dias de George Valentin nesta posição de estrela estão contados com a chegada do som (“O Cantor de Jazz” é o primeiro filme falado da história do cinema). O público, maravilhado com a novidade, passou a ignorar os filmes que George Valentin insistia em lançar. Assim, o seu declínio veio no mesmo embalo em que letreiros explicativos, músicos em salas de cinema e intérpretes com expressões faciais forçadas foram sendo esquecidos. O inverso acontece a Peppy Miller, dona da voz pelo qual todos os espectadores se apaixonam.

O cinema mudo não está efetivamente morto, como se vê em algumas obras que, apesar de sua parcela de diálogos, conseguem apresentar uma história com o suporte das imagens (na comédia “Rumba” e na animação “O Mágico” quase não há interações verbais, por exemplo). Porém, nenhuma se arriscou tanto quanto “O Artista”, que a todo o momento se apresenta como uma produção realmente rodada ao final da década de 1920. Neste filme de Michel Hazanavicius, não há diálogos, é em preto e branco e inteiramente rodado em formato 1.33:1. Já a maravilhosa dupla central formada por Jean Dujardin e Bérénice Bejo (merecidamente indicados ao Oscar) é só elogio. Donos de fortes expressões, Jean e Bérénice realmente se assemelham em talento e aparência as maiores estrelas do cinema mudo. A presença do cãozinho Uggie, um Jack Russell Terrier, torna “O Artista” ainda mais irresistível.

Misto perfeito de comédia, drama, romance e musical, “O Artista” vai além de um mero entretenimento nostálgico. Faz o registro de um passado que não pode ser resgatado, mas que oferece oportunidades para nos adaptarmos ao futuro. Afinal, cinema é uma arte em constante estado de mutação, que sempre se inova. Belíssima e singela homenagem a sétima arte com a qual o Oscar pode finalmente recompensar seus sucessivos erros com a exaltação de um filme realmente digno de celebração.

Título Original: The Artist
Ano de Produção: 2011
Direção: Michel Hazanavicius
Roteiro: Michel Hazanavicius
Elenco: Jean Dujardin, Bérénice Bejo, John Goodman, James Cromwell, Penelope Ann Miller, Missi Pyle, Beth Grant, Ed Lauter, Joel Murray, Bitsie Tulloch, Ken Davitian, Uggie e Malcolm McDowell
Cotação: 4 Stars

20 Comments

  1. Química cintilante entre os atores, e um trabalho de mestre de Hazanavicius.

  2. […] de um plano-sequência impactante, vemos Ludo (Jean Dujardin, de “O Artista”) sofrer um acidente que o deixa em um estado gravíssimo. O acontecimento coincide com o momento […]

  3. […] indicação ao Oscar 2012. Assim como na premiação, a luta aqui se concentrou em entre “O Artista” e “A Invenção de Hugo Cabret“. Com uma diferença significativa, o filme do […]

  4. […] não houve filmes mais comentados em 2012 do que “A Invenção de Hugo Cabret” e “O Artista”. O falatório não se concentrou apenas na disputa dos filmes de Martin Scorsese e Michel […]

  5. […] “Misto perfeito de comédia, drama, romance e musical, “O Artista” vai além de um mero entretenimento nostálgico. Faz o registro de um passado que não pode ser resgatado, mas que oferece oportunidades para nos adaptarmos ao futuro. Afinal, cinema é uma arte em constante estado de mutação, que sempre se inova. Belíssima e singela homenagem a sétima arte com a qual o Oscar pode finalmente recompensar seus sucessivos erros com a exaltação de um filme realmente digno de celebração.”. Alex Gonçalves, CINE RESENHAS. […]

  6. […] palavra. Faz um filme de formato antiquado (tem uma proporção de tela que remete aos recentes “O Artista” e “Meek’s Cutoff”) e com música que se manifesta apenas no encerramento da história […]

  7. […] “Cópia Fiel” eleito melhor filme com 88% de média. Com a mesma aprovação, “O Artista” ocupa o topo do nosso ranking dos melhores lançamentos do ano passado. Sem dúvida alguma, […]

  8. […] que presta à Espanha, à fantasia e ao cinema. Uma pena que a aceitação conferida a “O Artista” não tenha assegurado a popularidade de “Branca de Neve” diante do público, que perdeu a […]

Follow

Get every new post on this blog delivered to your Inbox.

Join other followers:

%d blogueiros gostam disto: